O ministro-​chefe do Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal (GSI), ge­ne­ral Au­gus­to He­le­no, afir­mou ho­je (12) que há en­ti­da­des e or­ga­ni­za­ções não-​governamentais (ONGs) es­tran­gei­ras, além de au­to­ri­da­des in­ter­na­ci­o­nais que que­rem in­ter­fe­rir no tra­ta­men­to dis­pen­san­do à Amazô­nia bra­si­lei­ra. Se­gun­do ele, o te­ma é de “so­be­ra­nia” na­ci­o­nal. “[Da] Amazô­nia bra­si­lei­ra quem cui­da é o Bra­sil.”

Mar­cos Corrêa/​PR


Heleno afirma que o Brasil é o país que menos desmatou no mundo: "a gente fica engolindo umas coisas que não tem que engolir"

“Não vou me me­ter na Amazô­nia co­lom­bi­a­na, eles fa­zem o que eles qui­se­rem. Na Amazô­nia pe­ru­a­na eles fa­zem o que eles qui­se­rem, des­de que o que for fei­to não afe­te a in­te­gri­da­de eco­ló­gi­ca da nos­sa Amazô­nia”, dis­se o ge­ne­ral no ve­ló­rio do jor­na­lis­ta Ri­car­do Bo­e­chat, em São Pau­lo. Pa­ra o mi­nis­tro, ca­da país de­ve ser res­pon­sá­vel por sua so­be­ra­nia.

“O Bra­sil não dá pal­pi­te no de­ser­to do Sa­a­ra, na Flo­res­ta da Ar­de­nas, no Alas­ca, ca­da país cui­da da sua so­be­ra­nia. Eu es­tou pre­o­cu­pa­do que o sí­no­do não en­tre em as­sun­tos que são afe­tos a so­be­ra­nia”.

Sínodo

O mi­nis­tro res­pon­deu a per­gun­tas so­bre as dis­cus­sões no Sí­no­do Ex­tra­or­di­ná­rio de Bis­pos so­bre a Amazô­nia, or­ga­ni­za­do pe­la Igre­ja Ca­tó­li­ca, que ocor­re­rá em ou­tu­bro, no Va­ti­ca­no. As dis­cus­sões no Sí­no­do se­rão em tor­no do te­ma “Amazô­nia: no­vos ca­mi­nhos pa­ra a Igre­ja e por uma eco­lo­gia in­te­gral”.

“O que eu acho que tem que ser uma pre­o­cu­pa­ção nos­sa é não dei­xar que en­ti­da­des es­tran­gei­ras, ONGs es­tran­gei­ras, che­fes de Es­ta­do es­tran­gei­ros, às ve­zes por trás des­sas ONGs, quei­ram dar pal­pi­te em co­mo de­ve ser tra­ta­da a Amazô­nia bra­si­lei­ra”, afir­mou He­le­no.

Se­gun­do o mi­nis­tro, o Bra­sil tem po­lí­ti­cas sus­ten­tá­veis ade­qua­das e que de­vem ser res­pei­ta­das. “Nós sa­be­mos o que tem que fa­zer. Nós sa­be­mos fa­zer de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, se­gu­rar o des­ma­ta­men­to. Nós so­mos o país que me­nos des­ma­tou no mun­do até ho­je. A gen­te fi­ca en­go­lin­do umas coi­sas que não tem que en­go­lir”, dis­se.

Boechat

Re­pre­sen­tan­do o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, que se re­cu­pe­ra de uma ci­rur­gia pa­ra re­cons­tru­ção do trân­si­to in­tes­ti­nal, Au­gus­to He­le­no dis­se no ve­ló­rio que a mor­te do jor­na­lis­ta Ri­car­do Bo­e­chat se­rá um des­fal­que no jor­na­lis­mo bra­si­lei­ro.

“[Vim] tra­zer a men­sa­gem do go­ver­no bra­si­lei­ro, mos­trar que nós sen­ti­mos bas­tan­te es­se des­fal­que no nos­so jor­na­lis­mo”, en­fa­ti­zou o mi­nis­tro ao che­gar ao ve­ló­rio, no Mu­seu da Ima­gem e do Som, na zo­na oes­te pau­lis­ta­na. O mi­nis­tro des­ta­cou a “ho­nes­ti­da­de in­te­lec­tu­al” de Bo­e­chat.

“Ele ti­nha uma ho­nes­ti­da­de in­te­lec­tu­al in­crí­vel. Ti­nha coi­sa que ele fa­la­va, por­que ti­nha fon­tes que o ali­men­ta­vam com uma de­ter­mi­na­da ver­são, de­pois ele sa­bia a ver­são cor­re­ta, ele ime­di­a­ta­men­te re­ti­fi­ca­va o que ele ti­nha fa­la­do. Is­so é um si­nal de gran­de­za mui­to gran­de”, dis­se.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,