O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ve jul­gar nes­ta quarta-​feira (13) uma ação pro­to­co­la­da pe­lo PPS pa­ra cri­mi­na­li­zar a ho­mo­fo­bia, que é ca­rac­te­ri­za­da pe­lo pre­con­cei­to con­tra o pú­bli­co LGBT (lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais, tran­se­xu­ais). O pe­di­do é re­la­ta­do pe­lo mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo e se­rá jul­ga­do seis anos após ter si­do apre­sen­ta­do.

El­za Fiuza/​Agência Bra­sil


O Brasil é campeão mundial em assassinatos motivados pela orientação sexual ou pela identidade de gênero da vítima

Co­mo de­pu­ta­do, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro clas­si­fi­cou a cri­mi­na­li­za­ção da ho­mo­fo­bia co­mo uma “pa­lha­ça­da” e dis­se que ser ho­mos­se­xu­al ti­nha vi­ra­do “um gran­de ne­gó­cio” no Bra­sil. “Não é por­que faz se­xo pe­lo ór­gão ex­cre­tor que tem de fa­zer uma lei pa­ra ele”, afir­mou em en­tre­vis­ta à TV Câ­ma­ra em 2014 (ve­ja ví­deo mais abai­xo).

Os mi­nis­tros de­vem de­fi­nir se o Su­pre­mo po­de cri­ar re­gras tem­po­rá­ri­as pa­ra pu­nir agres­so­res do pú­bli­co LGBT até a vo­ta­ção de um pro­je­to que tra­ta so­bre o te­ma no Con­gres­so Na­ci­o­nal. O cri­me de ho­mo­fo­bia não es­tá ti­pi­fi­ca­do na le­gis­la­ção pe­nal bra­si­lei­ra. Nos ca­sos en­vol­ven­do agres­sões con­tra ho­mos­se­xu­ais, a con­du­ta é tra­ta­da co­mo le­são cor­po­ral, ten­ta­ti­va de ho­mi­cí­dio ou ofen­sa mo­ral.

Le­van­ta­men­to di­vul­ga­do re­cen­te­men­te pe­lo Gru­po Gay da Bahia mos­trou que, em 2017, foi re­gis­tra­do o mai­or nú­me­ro de mor­tes re­la­ci­o­na­das à ho­mo­fo­bia des­de que o mo­ni­to­ra­men­to anu­al co­me­çou a ser fei­to pe­la en­ti­da­de, há 38 anos. Em 2017 fo­ram re­gis­tra­das as mor­tes de 445 lés­bi­cas, gays, bis­se­xu­ais, tra­ves­tis e trans­gê­ne­ros em ra­zão de sua ori­en­ta­ção se­xu­al ou de sua iden­ti­da­de de gê­ne­ro.

Racismo

O PPS pe­de que a co­mu­ni­da­de LGBT se­ja in­cluí­da no con­cei­to de “ra­ça so­ci­al” e os agres­so­res pu­ni­dos na for­ma do cri­me de ra­cis­mo. Pe­lo atu­al or­de­na­men­to ju­rí­di­co, a ti­pi­fi­ca­ção de cri­mes ca­be ao po­der Le­gis­la­ti­vo, res­pon­sá­vel pe­la cri­a­ção das leis. O par­ti­do, no en­tan­to, re­cla­ma da de­mo­ra do Con­gres­so em tra­tar do as­sun­to.

“To­das as for­mas de ho­mo­fo­bia e trans­fo­bia de­vem ser pu­ni­das com o mes­mo ri­gor apli­ca­do atu­al­men­te pe­la Lei de Ra­cis­mo, sob pe­na de hi­e­rar­qui­za­ção de opres­sões de­cor­ren­tes da pu­ni­ção mais se­ve­ra de de­ter­mi­na­da opres­são re­la­ti­va­men­te à ou­tra”, diz a ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de por omis­são (ADO 26) do PPS. O cri­me de ra­cis­mo é ina­fi­an­çá­vel e im­pres­cri­tí­vel. A pe­na vai de um a três anos e mul­ta.

Tam­bém se­rá ana­li­sa­do em con­jun­to com o pe­di­do do par­ti­do um man­da­do de in­jun­ção apre­sen­ta­do pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Lés­bi­cas, Gays, Bis­se­xu­ais, Tra­ves­tis, Tran­se­xu­ais e In­ter­se­xos (ABGLT) que so­li­ci­ta que o Su­pre­mo re­co­nhe­ça a ho­mo­fo­bia co­mo um cri­me es­pe­cí­fi­co.

On­tem o pre­si­den­te do Su­pre­mo, Di­as Tof­fo­li, re­ce­beu in­te­gran­tes das co­mu­ni­da­des evan­gé­li­ca e LGBT e con­fir­mou o jul­ga­men­to pa­ra es­ta quarta-​feira. Tof­fo­li re­ce­beu em au­di­ên­cia o de­pu­ta­do Pas­tor Mar­co Fe­li­ci­a­no (Podemos-​SP) e ou­tros in­te­gran­tes da ban­ca­da evan­gé­li­ca no Con­gres­so, além das de­pu­ta­das fe­de­rais do PT Ma­ria do Ro­sá­rio (RS) e Eri­ka Ko­kay (DF).

Na Câ­ma­ra e no Se­na­do tra­mi­tam, des­de 2001, um pro­je­to de lei (PL 5003/​2001) que dis­põe so­bre as san­ções apli­cá­veis à con­du­ta ho­mo­fó­bi­ca. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, quan­do de­pu­ta­do, foi um dos prin­ci­pais opo­si­to­res da pro­pos­ta. Pa­ra Bol­so­na­ro, o pro­je­to é uma “pa­lha­ça­da” e ti­nha de ser man­da­do pa­ra o li­xo. “Tem de ter ca­re­co­fo­bia, fla­men­go­fo­bia, co­rin­ti­a­no­fo­bia, ma­gre­fo­lo­bia. Não é por­que faz se­xo pe­lo ór­gão ex­cre­tor que tem de fa­zer uma lei pa­ra ele”, afir­mou em en­tre­vis­ta à TV Câ­ma­ra. “Ser ho­mos­se­xu­al vi­rou um gran­de ne­gó­cio”, emen­dou.

Veja a entrevista de Bolsonaro à TV Câmara

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,