Do­cu­men­to in­ter­no da Va­le es­ti­mou em ou­tu­bro de 2018 quan­to cus­ta­ria, quan­tas pes­so­as mor­re­ri­am e quais as pos­sí­veis cau­sas de um even­tu­al co­lap­so da bar­ra­gem de Bru­ma­di­nho (MG), que se rom­peu no dia 25 de ja­nei­ro, dei­xan­do ao me­nos 165 mor­tos. As in­for­ma­ções são da Fo­lha de S.Paulo. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de Mi­nas Ge­rais usa o re­la­tó­rio em ação ci­vil pú­bli­ca em que pe­de a ado­ção de me­di­das ime­di­a­tas pa­ra evi­tar no­vos de­sas­tres. A mi­ne­ra­do­ra re­co­nhe­ce no do­cu­men­to que, além de Bru­ma­di­nho, ou­tras no­ve bar­ra­gens es­ta­vam em si­tu­a­ção de ris­co.

Cor­po de Bom­bei­ros


Até o momento, as autoridades contabilizam 165 mortos e 155 desaparecidos em Brumadinho

Em res­pos­ta à Pro­cu­ra­do­ria, a Va­le ale­ga que o es­tu­do in­di­ca es­tru­tu­ras que re­ce­be­ram re­co­men­da­ções de ma­nu­ten­ção, as quais, con­for­me a em­pre­sa, já es­tão em cur­so. A mi­ne­ra­do­ra ar­gu­men­ta, ain­da, que a bar­ra­gem de Bru­ma­di­nho não cor­ria ris­co imi­nen­te. Se­gun­do a Fo­lha, a Va­le es­ti­ma­va que um even­tu­al co­lap­so pro­vo­ca­ria mais de cem mor­tes —até o mo­men­to, as au­to­ri­da­des con­ta­bi­li­zam 165 mor­tos e 155 de­sa­pa­re­ci­dos. A mai­or par­te das ví­ti­mas es­ta­va no re­fei­tó­rio e na se­de ad­mi­nis­tra­ti­va da mi­na do Cór­re­go do Fei­jão, on­de es­tá a bar­ra­gem que se rom­peu.

De acor­do com a re­por­ta­gem, o es­tu­do da Va­le, cha­ma­do Re­sul­ta­dos do Ge­ren­ci­a­men­to de Ris­cos Ge­o­téc­ni­cos, pre­via que os cus­tos de um even­tu­al rom­pi­men­to na bar­ra­gem 1 da Mi­na do Cór­re­go do Fei­jão po­de­ri­am che­gar a US$ 1,5 bi­lhão (cer­ca de R$ 5,6 bi­lhões, ao câm­bio atu­al).

En­tre as cau­sas pro­vá­veis de rom­pi­men­to apon­ta­das pe­lo es­tu­do es­tão a ero­são in­ter­na ou a li­que­fa­ção. Além de Bru­ma­di­nho, tam­bém são ci­ta­das no do­cu­men­to as bar­ra­gens de La­ran­jei­ras (em Ba­rão de Co­cais), Me­ne­zes 2 e 4-​A (em Bru­ma­di­nho), Ca­pi­tão do Ma­to, Di­que B e Ta­qua­ras (No­va Li­ma) e For­qui­lha 1, For­qui­lha 2, For­qui­lha 3 (Ou­ro Pre­to).

A Fo­lha diz que a aná­li­se de es­ta­bi­li­da­de exi­gi­da pe­la le­gis­la­ção ates­tou as con­di­ções de se­gu­ran­ça da bar­ra­gem que se rom­peu, mas in­di­cou uma sé­rie de pro­ble­mas que de­ve­ri­am ser re­sol­vi­dos pe­la mi­ne­ra­do­ra. A Va­le afir­ma em no­ta que “os es­tu­dos de ris­co e de­mais do­cu­men­tos ela­bo­ra­dos por téc­ni­cos con­si­de­ram, ne­ces­sa­ri­a­men­te, ce­ná­ri­os hi­po­té­ti­cos pa­ra da­nos e per­das”.

A mi­ne­ra­do­ra ale­ga que “não exis­te em ne­nhum re­la­tó­rio, lau­do ou es­tu­do co­nhe­ci­do qual­quer men­ção a ris­co de co­lap­so imi­nen­te da bar­ra­gem” e que a es­tru­tu­ra ti­nha “to­dos os cer­ti­fi­ca­dos de es­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça”. De acor­do com a Va­le, a “zo­na de aten­ção” com­pre­en­de bar­ra­gens em que os téc­ni­cos apon­ta­ram re­co­men­da­ções, mas não ris­co imi­nen­te.

A em­pre­sa afir­ma que ain­da não é pos­sí­vel iden­ti­fi­car as cau­sas da tra­gé­dia, in­ves­ti­ga­das por uma co­mis­são for­ma­da por es­pe­ci­a­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais. A Va­le diz que es­tá fa­zen­do um le­van­ta­men­to das áre­as ha­bi­ta­das pró­xi­mas às su­as bar­ra­gens, mas que ain­da não há um pla­no pa­ra re­du­zir o da­no po­ten­ci­al em even­tu­ais co­lap­sos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,