De­pois de mui­ta es­pe­cu­la­ção e di­ver­gên­ci­as ex­pli­ci­ta­das en­tre mem­bros do go­ver­no, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pa­re­ce ter de­fi­ni­do nes­ta quinta-​feira (14) um dos prin­ci­pais pon­tos da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ain­da em ges­ta­ção pe­la equi­pe econô­mi­ca: ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria fi­xa­da em 65 anos pa­ra ho­mens e 62 pa­ra mu­lhe­res. A in­for­ma­ção foi le­va­da a pú­bli­co pe­lo se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, que acres­cen­tou que Bol­so­na­ro vai as­si­nar a pro­pos­ta de re­for­ma se­rá en­ca­mi­nha­da ao Con­gres­so na pró­xi­ma quarta-​feira (20).

Alan Santos/​PR


Preocupação de Bolsonaro agora é tentar evitar que a primeira grande crise no núcleo do governo, protagonizada pelo ministro Gustavo Bebianno, contamine o ambiente no Congresso

A equi­pe econô­mi­ca de Bol­so­na­ro, che­fi­a­da pe­lo mi­nis­tro Pau­lo Gue­des, pre­ten­dia apre­sen­tar pro­pos­ta mais du­ra em re­la­ção tan­ta a es­sa de­fen­di­da pe­lo pre­si­den­te quan­to a que foi pa­tro­ci­na­da pe­lo seu an­te­ces­sor, Mi­chel Te­mer. Se­gun­do Ro­gé­rio Ma­ri­nho, o tex­to que vai ao Con­gres­so, com a pre­fe­rên­cia de Bol­so­na­ro em re­la­ção à ida­de mí­ni­ma (Gue­des que­ria 65 anos pa­ra ho­mens e mu­lhe­res), foi ob­ti­da de­pois de um meio-​termo en­tre as pre­ten­sões. Além de Bol­so­na­ro e Gue­des, a ne­go­ci­a­ção te­ve as pre­sen­ças dos mi­nis­tros Onyx Lo­ren­zo­ni (Ca­sa Ci­vil) e Car­los Al­ber­to dos San­tos Cruz (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no), no Pa­lá­cio da Al­vo­ra­da.

“O tex­to es­tá pron­to. O pre­si­den­te de­fen­dia 65 e 60 [anos de ida­de mí­ni­ma, res­pec­ti­va­men­te, pa­ra ho­mens e mu­lhe­res] e uma tran­si­ção mais lon­ga. Nós con­ver­sa­mos com ele. O pre­si­den­te tem sen­si­bi­li­da­de e en­ten­deu tam­bém as con­di­ções da eco­no­mia. E fez a dis­tin­ção do gê­ne­ro. Ele acha im­por­tan­te que a mu­lher se apo­sen­te com me­nos tem­po de con­tri­bui­ção e tra­ba­lho do que o ho­mem, e nós con­se­gui­mos en­cur­tar um pou­co es­sa ques­tão da tran­si­ção”, dis­se o se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia.

Ro­gé­rio Ma­ri­nho acres­cen­tou que Bol­so­na­ro pe­diu que al­gu­mas in­for­ma­ções ain­da não fos­sem di­vul­ga­das. O ob­je­ti­vo do go­ver­no com a re­for­ma, nos pla­nos de Pau­lo Gue­des, é uma eco­no­mia de R$ 1 tri­lhão em dez anos, mas o se­cre­tá­rio não dis­se se tal pre­vi­são já cons­ta do tex­to em vi­as de ser en­ca­mi­nha­do ao Con­gres­so.

A pre­o­cu­pa­ção do go­ver­no ago­ra é ten­tar evi­tar que a pri­mei­ra gran­de cri­se no nú­cleo do go­ver­no, pro­ta­go­ni­za­da pe­lo mi­nis­tro Gus­ta­vo Be­bi­an­no (Secretaria-​Geral da Pre­si­dên­cia), con­ta­mi­ne o am­bi­en­te no Con­gres­so, em meio a uma ba­se ali­a­da que já apre­sen­ta dis­pu­tas in­ter­nas. Por se tra­tar de uma pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia exi­ge o vo­to de três quin­tos dos de­pu­ta­dos (308 dos 513) pa­ra ser apro­va­da, em dois tur­nos de vo­ta­ção. Em se­gui­da, se­gue pa­ra o Se­na­do e re­pe­te o ri­to de tra­mi­ta­ção, pre­ci­san­do de apoio mí­ni­mo de 49 se­na­do­res.

Téc­ni­cos da equi­pe econô­mi­ca te­mem a re­jei­ção da pro­pos­ta por ela ser mais du­ra do que a na­ti­mor­ta pro­pos­ta de re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria apre­sen­ta­da pe­lo ex-​presidente Mi­chel Te­mer no trans­cor­rer dos anos de 2017 e 2018. Em­bo­ra o tex­to do go­ver­no Te­mer ti­ves­se fi­xa­do a mes­ma ida­de mí­ni­ma pa­ra ho­mens e mu­lhe­res ago­ra ne­go­ci­a­do por Gue­des, o tem­po de tran­si­ção era me­nor – se­gun­do o tex­to for­mu­la­do na ges­tão an­te­ri­or, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os cin­co anos pa­ra se che­gar ao no­vo cri­té­rio; ago­ra, três.

Uns mais iguais

A pro­pos­ta tam­bém po­de­rá vis­lum­brar re­gras pró­pri­as de apo­sen­ta­do­ria pa­ra po­li­ci­ais fe­de­rais e ci­vis, em que a ida­de mí­ni­ma e o tem­po de con­tri­bui­ção da ca­te­go­ria se­ri­am di­fe­ren­tes dos de­mais con­tri­buin­tes. Se­gun­do re­por­ta­gem pu­bli­ca­da no úl­ti­mo sá­ba­do (9) pe­lo jor­nal O Glo­bo, a ida­de mí­ni­ma di­fe­ren­ci­a­da pa­ra os po­li­ci­ais é pro­je­ta­da em 55 anos, pa­ra ho­mens e mu­lhe­res.

Fo­ram vá­ri­as as pos­si­bi­li­da­des de tex­to co­gi­ta­dos pa­ra o en­vio ao Con­gres­so, de­pois de inú­me­ras reu­niões re­a­li­za­das nas úl­ti­mas se­ma­nas. A ten­dên­cia de ver­são fi­nal, se­gun­do o di­re­tor do De­par­ta­men­to In­ter­sin­di­cal de As­ses­so­ria Par­la­men­tar (Di­ap) An­to­nio Au­gus­to de Quei­roz, co­lu­nis­ta des­te si­te, é que ela se­rá mais “du­ra” do que a na­ti­mor­ta pro­pos­ta do an­te­ces­sor de Bol­so­na­ro.

“A ver­são que va­zou da re­for­ma […] é mais du­ra que a pro­pos­ta pe­lo ex-​presidente Mi­chel Te­mer. Po­rém, ain­da pas­sa­rá pe­lo cri­vo do pre­si­den­te e tam­bém do Con­gres­so, que po­de­rá modificá-​la em vá­ri­os as­pec­tos, es­pe­ci­al­men­te a uni­fi­ca­ção de ida­de en­tre ho­mens e mu­lhe­res. Ela dá ca­rá­ter pre­vi­den­ciá­rio aos sol­dos e pen­sões das For­ças Ar­ma­das, proí­be no­vas ade­sões aos re­gi­mes pre­vi­den­ciá­ri­os des­ti­na­dos a de­ten­to­res de man­da­tos ele­ti­vos e es­ten­de seus ter­mos au­to­ma­ti­ca­men­te aos es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, se no pra­zo de dois anos es­ses en­tes não ade­qua­rem seus re­gi­mes pró­pri­os”, diz o di­re­tor do Di­ap em ar­ti­go.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,