O pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI), Rob­son An­dra­de, é um dos dez pre­sos na Ope­ra­ção Fan­to­che, de­sen­ca­de­a­da nes­ta terça-​feira (19) pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra in­ves­ti­gar es­que­ma de cor­rup­ção en­vol­ven­do con­tra­tos en­tre em­pre­sas li­ga­das a uma mes­ma fa­mí­lia, o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo e o Sis­te­ma S no va­lor to­tal de R$ 400 mi­lhões.

Ja­ne de Araújo/​Agência Se­na­do


CNI, presidida por Robson Andrade, comanda o Sistema S

Se­gun­do a Po­lí­cia Fe­de­ral, a mai­or par­te dos con­tra­tos tra­ta­va da exe­cu­ção de even­tos cul­tu­rais e de pu­bli­ci­da­de su­per­fa­tu­ra­dos ou que não fo­ram con­cluí­dos, com re­cur­sos des­vi­a­dos por meio de em­pre­sas de fa­cha­da.

“A atu­a­ção do gru­po con­sis­tia na uti­li­za­ção de en­ti­da­des de di­rei­to pri­va­do, sem fins lu­cra­ti­vos, pa­ra jus­ti­fi­car ce­le­bra­ção de con­tra­tos e con­vê­ni­os di­re­tos com o mi­nis­té­rio e uni­da­des do Sis­te­ma S. Tais con­tra­tos, em sua mai­o­ria, vol­ta­dos à exe­cu­ção de even­tos cul­tu­rais e de pu­bli­ci­da­de su­per­fa­tu­ra­dos e/​ou com ine­xe­cu­ção par­ci­al, sen­do os re­cur­sos pos­te­ri­or­men­te des­vi­a­dos em fa­vor do nú­cleo em­pre­sa­ri­al por in­ter­mé­dio de em­pre­sas de fa­cha­da”, afir­ma a Po­lí­cia Fe­de­ral em no­ta.

Rob­son An­dra­de foi pre­so no iní­cio da ma­nhã em São Pau­lo. Ele as­su­miu a pre­si­dên­cia da CNI em 2010 e foi re­e­lei­to em 2014 e 2018. Seu atu­al man­da­to vai até 2022. Além de­le, tam­bém fo­ram pre­sos:

- Luiz Otá­vio Go­mes Vi­ei­ra da Sil­va
- Jú­lio Ri­car­do Ro­dri­gues
- Li­na Vi­ei­ra da Sil­va
- Luiz Antô­nio Go­mes Vi­ei­ra
- Pe­dro Cos­ta Cruz
- Jo­sé Car­los Li­ma de An­dra­de
- Fran­cis­co de As­sis Be­ne­vi­des Ga­de­lha
- Ri­car­do Es­sin­guer
- Jor­ge Ta­va­res

A Fan­to­che mi­ra, ain­da, o Ins­ti­tu­to Ori­ga­mi, Ali­an­ça Co­mu­ni­ca­ção e Cul­tu­ra, Idea Lo­ca­ção de Es­tru­tu­ras e Ilu­mi­na­ção, So­mar In­ter­me­di­a­ção e Ne­gó­ci­os e Ate­liê Pro­du­ções Ar­tís­ti­cas.

A CNI con­tro­la a par­te do Sis­te­ma S li­ga­do à in­dús­tria, que in­clui o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Apren­di­za­gem In­dus­tri­al (Se­nai) e o Ser­vi­ço So­ci­al da In­dús­tria (Se­si). O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as de Per­nam­bu­co (Fi­e­pe), Ri­car­do Es­sin­ger, tam­bém é al­vo de man­da­do de pri­são.

Em no­ta, a CNI con­fir­ma a pri­são de seu pre­si­den­te, mas diz não ter co­nhe­ci­men­to do te­or das in­ves­ti­ga­ções:

“A Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) tem co­nhe­ci­men­to de que o pre­si­den­te da en­ti­da­de, Rob­son Bra­ga de An­dra­de, es­tá na Po­lí­cia Fe­de­ral, em Bra­sí­lia, pres­tan­do es­cla­re­ci­men­tos so­bre a ope­ra­ção de­fla­gra­da na ma­nhã des­ta terça-​feira (19/​02). A CNI não te­ve aces­so à in­ves­ti­ga­ção e acre­di­ta que tu­do se­rá de­vi­da­men­te es­cla­re­ci­do. Co­mo sem­pre fez, a en­ti­da­de es­tá à dis­po­si­ção pa­ra ofe­re­cer to­das as in­for­ma­ções que fo­rem so­li­ci­ta­das pe­las au­to­ri­da­des”.

A sus­pei­ta é de que te­nham si­do co­me­ti­dos cri­mes con­tra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, frau­des li­ci­ta­tó­ri­as, as­so­ci­a­ção cri­mi­no­sa e la­va­gem de di­nhei­ro. São fei­tas bus­cas em en­de­re­ços lo­ca­li­za­dos em Bra­sí­lia, Per­nam­bu­co, São Pau­lo, Pa­raí­ba, Ma­to Gros­so do Sul, Ala­go­as e Mi­nas Ge­rais.

A ope­ra­ção foi de­fla­gra­da por or­dem da 4ª Va­ra Fe­de­ral da Se­ção Ju­di­ciá­ria de Per­nam­bu­co, que tam­bém au­to­ri­zou o se­ques­tro e blo­queio de bens e va­lo­res dos in­ves­ti­ga­dos.

O Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo diz que ne­nhum con­tra­to foi as­si­na­do pe­la atu­al ges­tão e que a pas­ta já ha­via can­ce­la­do con­vê­nio no va­lor de R$ 1 mi­lhão an­tes de to­mar co­nhe­ci­men­to das in­ves­ti­ga­ções da PF. A ação tem o apoio do Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) e en­vol­ve 213 po­li­ci­ais fe­de­rais e oi­to au­di­to­res da cor­te.

Veja a íntegra da nota do ministério:

“To­dos os con­vê­ni­os in­ves­ti­ga­dos pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral são das ges­tões dos pre­si­den­tes pe­tis­tas Lu­la e Dil­ma Rous­seff. Des­de 2012, o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo não ce­le­bra ne­nhum con­vê­nio com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, ape­nas com ór­gãos pú­bli­cos. A atu­al ges­tão do Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo não as­si­nou ne­nhum con­vê­nio até o mo­men­to. Além dis­so, a Pas­ta já ha­via de­ter­mi­na­do uma au­di­to­ria com­ple­ta em to­dos os ins­tru­men­tos de re­pas­se an­tes mes­mo de to­mar co­nhe­ci­men­to da in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral, ação que re­sul­tou no can­ce­la­men­to de um con­tra­to no va­lor de R$ 1 mi­lhão. O Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo não é al­vo das bus­cas e apre­en­sões da Ope­ra­ção Fan­to­che e es­tá to­tal­men­te à dis­po­si­ção pa­ra co­la­bo­rar com a in­ves­ti­ga­ção.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,