O mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Jus­ti­ça, Sér­gio Mo­ro, ad­mi­tiu ter re­ce­bi­do pres­são de po­lí­ti­cos – e, por is­so, ter se “sen­si­bi­li­za­do” com a de­man­da – e anun­ci­ou a se­pa­ra­ção, nes­ta terça-​feira (19), da ti­pi­fi­ca­ção do cri­me de cai­xa dois do tex­to prin­ci­pal de seu pa­co­te an­ti­cri­me apre­sen­ta­do em 4 de fe­ve­rei­ro e en­tre­gue ao Con­gres­so ho­je. Mo­ro, que clas­si­fi­cou nos Es­ta­dos Uni­dos, em 2017, a prá­ti­ca elei­to­ral co­mo pi­or do que a cor­rup­ção (leia mais abai­xo), ago­ra diz que o cri­me não tem a mes­ma gra­vi­da­de.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


"Vieram reclamações. Alguns políticos se sentiram incomodados", admitiu o ex-juiz

“Ini­ci­al­men­te, iría­mos apre­sen­tar um úni­co pro­je­to. Vi­e­ram re­cla­ma­ções. Al­guns po­lí­ti­cos se sen­ti­ram in­co­mo­da­dos de is­so [cri­me de cai­xa dois] ser tra­ta­do jun­to com cor­rup­ção e cri­me or­ga­ni­za­do. Fo­mos sen­sí­veis [à pres­são]. Co­lo­ca­mos se­pa­ra­do, mas se­rá apre­sen­ta­do jun­to [com o con­jun­to do pa­co­te]. O go­ver­no es­tá aten­den­do re­cla­ma­ções que são ra­zoá­veis”, de­cla­rou o ex-​juiz da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Co­mo já ha­via se tor­na­do pú­bli­co, Mo­ro es­tá com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), pa­ra en­tre­gar pes­so­al­men­te a pro­po­si­ção. En­tre os de­pu­ta­dos go­ver­nis­tas, a or­dem é im­pe­dir que as dis­cus­sões so­bre o pro­je­to an­ti­cri­me, prin­ci­pal ação da ges­tão Mo­ro, atra­pa­lhe o an­da­men­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, pri­o­ri­da­de má­xi­ma do go­ver­no Jair Bol­so­na­ro.

Ou­tra fon­te de pre­o­cu­pa­ção do go­ver­no é a cri­se cul­mi­na­da com a de­mis­são, anun­ci­a­da nes­ta segunda-​feira (18), do ago­ra ex-​ministro Gus­ta­vo Be­bi­an­no (Secretaria-​Geral da Pre­vi­dên­cia), co­or­de­na­dor da cam­pa­nha de Bol­so­na­ro e até on­tem um dos ho­mens for­tes da no­va ges­tão. Ques­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to que le­vou à que­da de Be­bi­an­no – can­di­da­tu­ras la­ran­jas do PSL, par­ti­do do pre­si­den­te, na elei­ção de 2018 –, Mo­ro dis­se que não se en­vol­ve­ria em ca­sos con­cre­tos e re­a­fir­mou que a Po­lí­cia Fe­de­ral vai tra­ba­lhar com au­to­no­mia nas in­ves­ti­ga­ções.

“Exis­tem apu­ra­ções pre­li­mi­na­res. Se­ria pre­ma­tu­ro de mi­nha par­te fa­zer juí­zo de va­lor a res­pei­to”, des­con­ver­sou Mo­ro, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da no Pa­lá­cio do Pla­nal­to.

De­pois do en­con­tro com Maia, Mo­ro foi no­va­men­te ques­ti­o­na­do pe­la im­pren­sa, ago­ra na Câ­ma­ra, so­bre a pri­mei­ra gran­de cri­se en­vol­ven­do o nú­cleo do go­ver­no. Mas Mo­ro man­te­ve não só a es­tra­té­gia do si­lên­cio co­mo a da ne­ga­ção do ób­vio. Ele dis­se que não há cri­se em cur­so no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, em­bo­ra os re­fle­xos da exo­ne­ra­ção de Be­bi­an­no ain­da es­te­jam em cur­so no Con­gres­so – já há con­vo­ca­ção do ex-​ministro a ca­mi­nho, por exem­plo, pa­ra es­cla­re­ci­men­tos a par­la­men­ta­res.

“No mun­do re­al não exis­te cri­se ne­nhu­ma”, afir­mou.

Dois discursos

Em abril de 2017, du­ran­te pa­les­tra pa­ra es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros na Uni­ver­si­da­de de Har­vard (EUA), o en­tão juiz fe­de­ral Mo­ro dis­se que as prá­ti­cas cor­rup­tas vol­ta­das pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas elei­to­rais são ain­da pi­o­res do que o des­vio de re­cur­sos pú­bli­cos ou pri­va­dos pa­ra en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to.

“Cai­xa dois nas elei­ções é tra­pa­ça, é um cri­me con­tra a de­mo­cra­cia. Me cau­sa es­pé­cie quan­do al­guns su­ge­rem fa­zer uma dis­tin­ção en­tre a cor­rup­ção pa­ra fins de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to e a cor­rup­ção pa­ra fins de fi­nan­ci­a­men­to ilí­ci­to de cam­pa­nha elei­to­ral. Pa­ra mim a cor­rup­ção pa­ra fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha é pi­or que pa­ra o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to. Se eu pe­guei es­sa pro­pi­na e co­lo­quei em uma con­ta na suí­ça, is­so é um cri­me, mas es­se di­nhei­ro es­tá lá, não es­tá mais fa­zen­do mal a nin­guém na­que­le mo­men­to. Ago­ra, se eu uti­li­zo pa­ra ga­nhar uma elei­ção, pa­ra tra­pa­ce­ar uma elei­ção, is­so pa­ra mim é ter­rí­vel”, dis­cur­sou o mi­nis­tro, com a res­sal­va de que não fa­la­va de cam­pa­nhas es­pe­cí­fi­cas.

Na­que­la oca­sião, Mo­ro de­cla­rou ain­da jus­ta­men­te o que ago­ra re­la­ti­vi­za: que a ti­pi­fi­ca­ção ina­de­qua­da do cai­xa dois im­pe­de apli­ca­ção de pe­nas mais ri­go­ro­sas, ali­men­tan­do a im­pu­ni­da­de. Mas, mes­mo na Uni­ver­si­da­de de Har­vard, ele já de­fen­dia pu­ni­ção pa­ra cai­xa dois mais bran­da do que as que são apli­ca­das aos cri­mes de cor­rup­ção

“Na La­va Ja­to con­se­gui­mos ter as pro­vas da cor­rup­ção nos ca­sos de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to dos ex-​diretores da Pe­tro­bras que já fo­ram con­de­na­dos, mas mui­tas ve­zes a con­de­na­ção não ocor­re por fal­ta de pro­vas”, acres­cen­tou o ex-​juiz, en­tão fa­vo­rá­vel à do­si­me­tria de­fen­di­da pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral pa­ra os cri­mes de cai­xa dois, de dois a cin­co anos de re­clu­são.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,