O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro, deu aval a ali­a­dos pa­ra ini­ci­ar con­ver­sas em tor­no das mu­dan­ças no tex­to da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Par­te da ban­ca­da do PSL, par­ti­do de Bol­so­na­ro, re­ce­beu ori­en­ta­ções da equi­pe econô­mi­ca, nes­ta quin­ta (21), so­bre o que já po­de ser ne­go­ci­a­do. Se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res do pre­si­den­te, a ideia é ope­rar mu­dan­ças sem “des­vir­tu­ar” o tex­to ori­gi­nal (ín­te­gra) a pon­to de ame­a­çar a eco­no­mia pre­ten­di­da pe­lo go­ver­no (nos cál­cu­los mais oti­mis­tas, R$ 1 tri­lhão em dez anos).

Mar­cos Corrêa/​PR


Onyx Lorenzoni (em destaque) já começou a discutir a distribuição de alguns cargos em estados e postos comissionados a aliados em troca de apoio à reforma

Uma das mais pró­xi­mas ali­a­das do pre­si­den­te, a de­pu­ta­da Joi­ce Has­sel­mann (PSL-​PR) es­te­ve com ele na quar­ta (20), ho­ras após o pró­prio pre­si­den­te ter ido ao Con­gres­so en­tre­gar ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), o tex­to da PEC. O ges­to, sim­bó­li­co, de­mons­tra a re­le­vân­cia do as­sun­to pa­ra o go­ver­no e a dis­po­si­ção de Bol­so­na­ro em ne­go­ci­ar.

“Ló­gi­co que que­rem me­xer na re­for­ma [da Pre­vi­dên­cia]. Co­lo­car a im­pres­são di­gi­tal do Con­gres­so, mas não po­de des­vir­tu­ar o tex­to, se­não não adi­an­ta”, dis­se o pre­si­den­te na con­ver­sa do fim da tar­de de quar­ta, se­gun­do Joi­ce Has­sel­mann. Na mes­ma reu­nião, o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, co­me­çou a dis­cu­tir a dis­tri­bui­ção de al­guns car­gos em es­ta­dos e co­mis­si­o­na­dos a ali­a­dos em tro­ca de apoio à re­for­ma.

Itens cha­ma­dos pe­lo pró­prio go­ver­no de “gor­du­ras” – re­co­nhe­ci­da­men­te po­lê­mi­cos, mas co­lo­ca­dos na PEC pa­ra fa­ci­li­tar ne­go­ci­a­ções – fo­ram ra­pi­da­men­te iden­ti­fi­ca­dos e al­vo de ime­di­a­tas re­a­ções por par­te de par­la­men­ta­res da ba­se e da opo­si­ção, co­mo tam­bém de go­ver­na­do­res que se reu­ni­ram com o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des na quarta-​feira (20), quan­do a pro­pos­ta foi di­vul­ga­da.

Na pró­xi­ma se­ma­na, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra de­ve ser ins­ta­la­da. Es­sa se­rá a pri­mei­ra pa­ra­da da PEC da Pre­vi­dên­cia (ve­ja o ro­tei­ro). A ex­pec­ta­ti­va é que, por lá, ela de­mo­re pe­lo me­nos três se­ma­nas pa­ra ser ana­li­sa­da. Em se­gui­da, ela se­gui­rá pa­ra uma co­mis­são es­pe­ci­al e po­de­rá ser le­va­da ao ple­ná­rio da Ca­sa após 10 ses­sões de­li­be­ra­ti­vas.

Em um ce­ná­rio ex­tre­ma­men­te po­si­ti­vo, go­ver­nis­tas cal­cu­lam que a PEC es­ta­ria pron­ta pa­ra ser vo­ta­da no ple­ná­rio da Câ­ma­ra após o fe­ri­a­do da Pás­coa, 21 de abril. Até lá, ali­a­dos de Bol­so­na­ro fa­rão um es­for­ço pa­ra reu­nir apoio de 308 de­pu­ta­dos nas du­as ins­tân­ci­as de vo­ta­ção.

Em to­do es­se pro­ces­so, a PEC po­de so­frer mu­dan­ças por meio de emen­das par­la­men­ta­res. Ve­ja cin­co pon­tos que já são al­vo de crí­ti­cas que de­vem ser al­te­ra­dos na pro­pos­ta:

Abono salarial

A PEC li­mi­ta o pa­ga­men­to do abo­no sa­la­ri­al ape­nas a quem re­ce­be até um sa­lá­rio mí­ni­mo, R$ 998, e di­fi­cul­ta as re­gras de aces­so a es­se be­ne­fí­cio atu­al­men­te pa­go tam­bém a quem re­ce­be dois sa­lá­ri­os mí­ni­mos, R$ 1.996. De­ter­mi­na ain­da que só te­rá di­rei­to ao be­ne­fí­cio quem tra­ba­lhe com car­tei­ra as­si­na­da há pe­lo me­nos es­se pe­río­do.

O abo­no é uma es­pé­cie de 13º sa­lá­rio a quem tra­ba­lhou com car­tei­ra as­si­na­da

Benefício de Prestação Continuada

O BPC ga­ran­te um sa­lá­rio mí­ni­mo a pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia e ido­sos em si­tu­a­ção de po­bre­za. Atu­al­men­te, pes­so­as a par­tir de 65 anos re­ce­bem um sa­lá­rio mí­ni­mo.

A pro­pos­ta na PEC é que ido­sos aguar­dem até 70 anos pa­ra re­ce­ber um sa­lá­rio mí­ni­mo. Pro­põe o pa­ga­men­to de um va­lor R$ 400 a par­tir 60 anos. Ca­so não te­nha o tem­po mí­ni­mo de con­tri­bui­ção pa­ra se apo­sen­tar pe­lo re­gi­me ge­ral ao atin­gir 65 anos, con­ti­nu­a­rá re­ce­ben­do R$ 400 até com­ple­tar 70 anos. Pa­ra quem tem de­fi­ci­ên­cia, a re­gra não se al­te­rou.

Aposentadoria rural

O tex­to pas­sa a exi­gir dos tra­ba­lha­do­res ru­rais uma con­tri­bui­ção mí­ni­ma de R$ 600 por ano, além de ter ele­va­do de 15 pa­ra 20 anos o tem­po de con­tri­bui­ção. Tam­bém ele­vou a ida­de mí­ni­ma de apo­sen­ta­do­ria das mu­lhe­res tra­ba­lha­do­ras de 55 pa­ra 60 anos, igua­lan­do a dos ho­mens.

Pensão por morte

Uma no­va fór­mu­la de cál­cu­lo do be­ne­fí­cio foi pro­pos­ta pe­la PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Ao in­vés de dos atu­ais 100% da con­tri­bui­ção, o be­ne­fí­cio pas­sa­rá a ser cal­cu­la­do as­sim: após 20 anos de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria, os de­pen­den­tes re­ce­be­rão 60% acres­ci­dos de 2% por ca­da ano a mais de con­tri­bui­ção.

Não mu­dam as re­gras de pen­sões por mor­te por aci­den­te de tra­ba­lho, do­en­ças pro­fis­si­o­nais e do­en­ças de tra­ba­lho, que con­ti­nu­am a ser cal­cu­la­das com ba­se em 100% do be­ne­fí­cio.

Tempo de transição

As mu­dan­ças pre­vis­tas na re­for­ma têm um tem­po de tran­si­ção pre­vis­to de 12 anos, no ge­ral, con­for­me ex­pli­ca­do pe­la equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no na co­le­ti­va à im­pren­sa na quarta-​feira (20) após a di­vul­ga­ção da PEC. Es­se tem­po tem si­do con­si­de­ra­do in­su­fi­ci­en­te por ana­lis­tas e al­guns par­la­men­ta­res, que com­pa­ram a su­ges­tão com o tex­to do ex-​presidente Mi­chel Te­mer, que pre­via uma tran­si­ção de 20 anos e mes­mo as­sim foi al­vo de po­lê­mi­cas no par­la­men­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,