O go­ver­no fe­de­ral es­tá de­fi­nin­do um con­jun­to de cri­té­ri­os que de­ve­rão ser se­gui­dos pa­ra o pre­en­chi­men­to de fun­ções de con­fi­an­ça na ad­mi­nis­tra­ção fe­de­ral. A me­di­da se­rá anun­ci­a­da co­mo pro­va de co­e­rên­cia com a pro­mes­sa do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de pôr fim ao “to­ma lá dá cá”, is­to é, à prá­ti­ca de ofe­re­cer aos par­la­men­ta­res no­me­a­ções de afi­lha­dos po­lí­ti­cos e ou­tras be­nes­ses em tro­ca do com­pro­mis­so de vo­tar a fa­vor das pro­pos­tas do go­ver­no no Con­gres­so Na­ci­o­nal.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Sessão em que a Câmara derrotou o governo derrubando o decreto que restringia a divulgação de documentos públicos

A in­ten­ção, po­rém, é exa­ta­men­te cri­ar uma for­ma tec­ni­ca­men­te de­fen­sá­vel, po­li­ti­ca­men­te pa­la­tá­vel e mo­ral­men­te acei­tá­vel de aten­der à no­tó­ria se­de dos de­pu­ta­dos e se­na­do­res por car­gos go­ver­na­men­tais. “Não vai ha­ver to­ma lá dá cá. Va­mos aten­der aos par­la­men­ta­res, na me­di­da das pos­si­bi­li­da­des, se os no­mes in­di­ca­dos aten­de­rem aos cri­té­ri­os téc­ni­cos que se­rão di­vul­ga­dos nos pró­xi­mos di­as e sem fa­zer ne­nhu­ma exi­gên­cia de con­tra­par­ti­da em vo­ta­ções na Câ­ma­ra ou no Se­na­do”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co uma fon­te do go­ver­no.

Bol­so­na­ro po­de­rá as­si­nar um de­cre­to com a lis­ta dos pré-​requisitos que se­rão obe­de­ci­dos nas no­me­a­ções. Tais cri­té­ri­os de­ve­rão in­cluir a exi­gên­cia de for­ma­ção edu­ca­ci­o­nal ade­qua­da, ex­pe­ri­ên­cia com­pro­va­da na área e “fi­cha lim­pa”. En­tre ou­tras coi­sas, o in­di­ca­do não po­de­rá ter con­de­na­ção cri­mi­nal con­fir­ma­da por ór­gão co­le­gi­a­do do Po­der Ju­di­ciá­rio nem ter ti­do su­as con­tas re­jei­ta­das por qual­quer tri­bu­nal de con­tas em ra­zão de “ato do­lo­so de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va”, con­for­me pre­vê a Lei da Fi­cha Lim­pa.

“Res­pei­ta­dos es­ses cri­té­ri­os, o po­lí­ti­co po­de­rá in­di­car. Não é por­que a in­di­ca­ção é fei­ta pe­lo po­lí­ti­co que a pes­soa não po­de ocu­par car­go. Is­so não é to­ma lá ”, com­ple­tou a mes­ma fon­te go­ver­na­men­tal.

No Con­gres­so, in­te­gran­tes da ba­se go­ver­nis­ta ma­ni­fes­tam ce­ti­cis­mo. “O re­la­ci­o­na­men­to do go­ver­no com o Se­na­do e a Câ­ma­ra não é bom”, afir­ma o se­na­dor Me­ci­as de Je­sus (PRB-​RR). “O go­ver­no age co­mo se es­ti­ves­se dis­cri­mi­nan­do o meio po­lí­ti­co, co­mo se um po­lí­ti­co, ou al­guém in­di­ca­do por um po­lí­ti­co, não pu­des­se ser ca­pa­ci­ta­do pa­ra exer­cer um car­go pú­bli­co”, ar­re­ma­ta o se­na­dor, res­sal­tan­do que não es­tá pe­din­do a no­me­a­ção de nin­guém.

São vá­ri­os os si­nais de in­sa­tis­fa­ção da ba­se go­ver­nis­ta. O mais ób­vio de­les foi a der­ro­ta so­fri­da na úl­ti­ma terça-​feira com a der­ru­ba­da do de­cre­to que am­pli­ou as res­tri­ções à di­vul­ga­ção de do­cu­men­tos pú­bli­cos. Nos bas­ti­do­res, as pres­sões por no­me­a­ções se in­ten­si­fi­ca­ram e al­guns par­ti­dos – co­mo o pró­prio PRB – ame­a­çam se de­cla­rar in­de­pen­den­tes em re­la­ção ao go­ver­no. O de­pu­ta­do Mar­cos Pe­rei­ra (SP), primeiro-​vice-​presidente da Câ­ma­ra e uma das prin­ci­pais li­de­ran­ças do PRB, che­gou a usar o Twit­ter pa­ra se quei­xar do fa­to de o go­ver­no ter op­ta­do pe­lo en­vio pos­te­ri­or das mu­dan­ças na le­gis­la­ção pre­vi­den­ciá­ria apli­cá­veis aos mi­li­ta­res.

Tam­bém há re­cla­ma­ções con­tra a de­sar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca do go­ver­no Bol­so­na­ro e o bate-​cabeça en­tre mem­bros da ba­se go­ver­nis­ta. A gri­ta é ge­ne­ra­li­za­da e o Pa­lá­cio do Pla­nal­to já cap­tou a men­sa­gem de que, sem mu­dan­ça no re­la­ci­o­na­men­to com o Con­gres­so, não se­rá pos­sí­vel apro­var uma pro­pos­ta po­lê­mi­ca co­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Re­ti­rar di­rei­tos, adi­ar apo­sen­ta­do­ria e re­du­zir be­ne­fí­ci­os de tra­ba­lha­do­res têm um ele­va­do cus­to po­lí­ti­co pa­ra os par­la­men­ta­res e é es­se cus­to que mui­tos con­gres­sis­tas es­tão ago­ra de­ter­mi­na­dos a co­brar pa­ra vo­tar a fa­vor da re­for­ma.

De qual­quer ma­nei­ra, sabe-​se que o tex­to en­tre­gue por Bol­so­na­ro de­ve­rá pas­sar por al­te­ra­ções im­por­tan­tes pa­ra ter sua apro­va­ção vi­a­bi­li­za­da. As re­gras pro­pos­tas pa­ra o pa­ga­men­to da apo­sen­ta­do­ria ru­ral e dos be­ne­fí­ci­os de pres­ta­ção con­ti­nu­a­da (BPC), que be­ne­fi­ci­am mais de 30 mi­lhões de pes­so­as, e a ida­de mí­ni­ma de 65 anos pa­ra os ho­mens e de 60 anos pa­ra os pro­fes­so­res es­tão en­tre os pon­tos mais ques­ti­o­na­dos pe­los par­la­men­ta­res.

“Te­mos de ver co­mo se­rá a pres­são da so­ci­e­da­de, de fo­ra pa­ra den­tro do Con­gres­so”, pon­de­ra o opo­si­ci­o­nis­ta Glau­ber Bra­ga (Psol-​RJ), “mas é cer­to que, do jei­to que veio, a re­for­ma não pas­sa. Exi­gir ida­de mí­ni­ma de 70 anos pa­ra pa­gar o BPC, que é con­ce­di­do a fa­mí­li­as com ren­da in­di­vi­du­al de um quar­to do sa­lá­rio mí­ni­mo, é ti­rar 30% da po­pu­la­ção que nor­mal­men­te te­ria di­rei­to a recebê-​lo. É uma cru­el­da­de que o Con­gres­so te­rá con­di­ções de evi­tar.”

Ele re­co­nhe­ce que as chan­ces de apro­va­ção au­men­tam se o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), as­su­mir mes­mo o pa­pel de ar­ti­cu­la­dor da re­for­ma. “É al­go um tan­to inu­si­ta­do um pre­si­den­te de po­der agir co­mo lí­der do go­ver­no de fa­to, mas po­de fun­ci­o­nar”, diz Glau­ber Bra­ga. “Na der­ru­ba­da do de­cre­to, Ro­dri­go Maia de­mons­trou que tem for­ça pa­ra mo­bi­li­zar a Câ­ma­ra e der­ro­tar o go­ver­no. Na re­jei­ção às emen­das do ca­das­tro po­si­ti­vo, ele mos­trou que po­de fa­zer a mes­ma mo­bi­li­za­ção pa­ra dar a vi­tó­ria ao Pla­nal­to”, ana­li­sa o de­pu­ta­do.

Com al­gu­ma iro­nia, a de­pu­ta­da Joi­ce Has­sel­mann ob­ser­va que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pro­du­ziu um “cli­mão ge­ral” de re­ceio de des­gas­te po­lí­ti­co en­tre par­la­men­ta­res que até há pou­co “ju­ra­vam amor a Bol­so­na­ro”. Mo­ti­vo: o me­do de que se as­so­ci­ar à re­for­ma di­mi­nua as chan­ces elei­to­rais de con­gres­sis­tas que pre­ten­dem dis­pu­tar as elei­ções mu­ni­ci­pais do ano que vem.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,