A Jus­ti­ça de Mi­nas Ge­rais de­ter­mi­nou o blo­queio de R$ 11,5 mi­lhões em bens do de­pu­ta­do Aé­cio Ne­ves (PSDB), ex-​governador do es­ta­do, por sus­pei­ta de uso, sem com­pro­va­ção de in­te­res­se pú­bli­co, de ae­ro­na­ves ofi­ci­ais do es­ta­do. Es­tão sob con­tes­ta­ção 1.337 vo­os fei­tos pe­lo en­tão go­ver­na­dor a ci­da­des co­mo Rio de Ja­nei­ro, on­de Aé­cio tem apar­ta­men­to, e Cláu­dio (MG), on­de sua fa­mí­lia man­tém pro­pri­e­da­des ru­rais e até uma pis­ta de pou­so, en­tre ou­tras.

Wil­son Dias/​Agência Bra­sil


Aécio contesta decisão da Justiça e diz que vai recorrer

A de­ci­são li­mi­nar (pro­vi­só­ria) foi pu­bli­ca­da na úl­ti­ma quinta-​feira (21) pe­lo juiz Ro­gé­rio San­tos Araú­jo Abreu, da 5ª Va­ra da Fa­zen­da Pú­bli­ca de Be­lo Ho­ri­zon­te. As in­for­ma­ções fo­ram pu­bli­cas nes­te sá­ba­do (23) pe­la Fo­lha de S.Paulo. O juiz tam­bém acei­tou a ação ci­vil pú­bli­ca do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e trans­for­mou o ex-​governador em réu. O ma­gis­tra­do deu pra­zo de cin­co di­as pa­ra que Aé­cio apre­sen­te bens no va­lor ci­ta­do à Jus­ti­ça. A de­fe­sa do de­pu­ta­do diz que ele re­cor­re­rá con­tra a de­ci­são.

A Pro­mo­to­ria, se­gun­do a re­por­ta­gem, apon­ta que Aé­cio re­a­li­zou 1.424 des­lo­ca­men­tos aé­re­os de ja­nei­ro de 2003 a mar­ço de 2010, quan­do dei­xou o car­go pa­ra con­cor­rer com su­ces­so ao Se­na­do. Des­ses, ape­nas 87 ti­ve­ram jus­ti­fi­ca­ti­va. O tu­ca­no cos­tu­ma­va pas­sar os fins de se­ma­na no Rio ou em Cláu­dio.

“No pre­sen­te ca­so, das pro­vas jun­ta­das aos au­tos, extrai-​se que o réu, sr. Aé­cio Ne­ves da Cu­nha, se uti­li­zou da má­qui­na pú­bli­ca, quan­do na fun­ção de go­ver­na­dor de es­ta­do, pa­ra fins es­cu­sos, re­a­li­zan­do mais de 1.000 vi­a­gens em ae­ro­na­ves ofi­ci­ais sem jus­ti­fi­car a fi­na­li­da­de. Des­sa for­ma, o re­que­ri­do ig­no­rou o prin­cí­pio da pu­bli­ci­da­de e da pro­bi­da­de da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, utilizando-​se de di­nhei­ro pú­bli­co em be­ne­fí­cio pró­prio”, diz o juiz em sua de­ci­são.

Ro­gé­rio San­tos ale­ga que “sal­ta aos olhos” o nú­me­ro de vi­a­gens re­a­li­za­das por Aé­cio à ci­da­de de Cláu­dio, “que é de co­nhe­ci­men­to ge­ral ter o ex-​governador li­ga­ção ex­tra­o­fi­ci­al com a ci­da­de”. “Ora, não me pa­re­ce ra­zoá­vel que 116 vi­a­gens pa­ra uma ci­da­de do por­te da ci­da­de de Cláu­dio, pa­ra um go­ver­na­dor de es­ta­do, se­ria jus­ti­fi­cá­vel e aten­de­ria à su­pre­ma­cia do in­te­res­se pú­bli­co, prin­cí­pio ba­si­lar da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.”

Aeroporto em Cláudio

Mu­ni­cí­pio lo­ca­li­za­do a 150 km de Be­lo Ho­ri­zon­te, Cláu­dio é um dos re­du­tos da fa­mí­lia de Aé­cio e on­de o go­ver­no de Mi­nas gas­tou qua­se R$ 14 mi­lhões pa­ra cons­truir um ae­ro­por­to den­tro de uma fa­zen­da do tio do ex-​governador, co­mo re­ve­lou a pró­pria Fo­lha em 2014.

Na ação, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co ques­ti­o­na 116 vo­os ao mu­ni­cí­pio e ou­tros 124 ao Rio de Ja­nei­ro. Os vo­os fei­tos por ele, se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, não têm am­pa­ro le­gal no de­cre­to que ele mes­mo as­si­nou, em 2005, ins­ti­tuin­do re­gras so­bre o uso das ae­ro­na­ves ofi­ci­ais.

Em no­ta à Fo­lha, a de­fe­sa de Aé­cio con­tes­ta a acu­sa­ção.

“A de­fe­sa vai re­cor­rer, de­mons­tran­do, mais uma vez, que to­dos os vo­os re­a­li­za­dos no pe­río­do de seus qua­se oi­to anos de man­da­to co­mo go­ver­na­dor es­tão res­pal­da­dos em de­cre­to do Ga­bi­ne­te Mi­li­tar. O de­cre­to em vi­gor até ho­je re­gu­la a uti­li­za­ção de ae­ro­na­ves do go­ver­no em even­tos ofi­ci­ais, ou em ou­tros des­lo­ca­men­tos, por ra­zões de se­gu­ran­ça, e foi con­si­de­ra­do re­gu­lar pe­lo Con­se­lho Su­pe­ri­or do MP”, ale­ga a as­ses­so­ria do de­pu­ta­do.

Aé­cio es­tá de vol­ta à Câ­ma­ra após dois man­da­tos de go­ver­na­dor e um de se­na­dor. No ano pas­sa­do de­sis­tiu de dis­pu­tar a re­e­lei­ção após ser cha­mus­ca­do por acu­sa­ções de cor­rup­ção le­van­ta­das pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to. Foi ape­nas o 19º mais vo­ta­do, com 106 mil vo­tos, vo­ta­ção con­si­de­ra­da pí­fia pa­ra quem re­ce­beu 51 mi­lhões de vo­tos (48,36%) no se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al de 2014, quan­do per­deu pa­ra Dil­ma Rous­seff (PT).

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,