Es­tão a ca­mi­nho de Pa­ca­rai­ma, na fron­tei­ra do Bra­sil com a Ve­ne­zu­e­la, dois ca­mi­nhões que trans­por­tam a pri­mei­ra re­mes­sa de aju­da hu­ma­ni­tá­ria bra­si­lei­ra ao país vi­zi­nho. Os veí­cu­los, com pla­cas e mo­to­ris­tas ve­ne­zu­e­la­nos, par­ti­ram es­ta ma­nhã da ca­pi­tal de Ro­rai­ma, Boa Vis­ta, e são es­col­ta­dos pe­la Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral e pe­lo Exér­ci­to. Cer­ca de 220 km se­pa­ram as du­as ci­da­des. O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Er­nes­to Araú­jo, es­tá na re­gião.

Le­an­dra Felipe/​Agência Bra­sil


Nicolás Maduro classifica ajuda humanitária como intromissão externa na política da Venezuela. Socorro foi pedido pelo autodeclarado presidente interino Juan Guaidó

A fron­tei­ra en­tre os dois paí­ses se­gue fe­cha­da des­de a noi­te de quinta-​feira (21) por de­ter­mi­na­ção do pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro, que re­jei­ta as do­a­ções sob a ale­ga­ção de que a aju­da é uma in­ter­fe­rên­cia ex­ter­na in­de­vi­da na po­lí­ti­ca da Ve­ne­zu­e­la. Colôm­bia e Es­ta­dos Uni­dos tam­bém en­fren­tam di­fi­cul­da­des pa­ra trans­por­tar ali­men­tos, re­mé­di­os e ou­tros pro­du­tos de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de. As do­a­ções fo­ram so­li­ci­ta­das pe­lo au­to­pro­cla­ma­do pre­si­den­te in­te­ri­no Ju­an Guai­dó, lí­der da opo­si­ção e da As­sem­bleia Na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la. Guai­dó e Ma­du­ro tra­vam uma dis­pu­ta pe­lo co­man­do do país.

On­tem o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro con­vo­cou uma reu­nião de úl­ti­ma ho­ra com vá­ri­os de seus mi­nis­tros pa­ra dis­cu­tir que me­di­das to­mar di­an­te do cli­ma de ten­são na re­gião. O go­ver­no bra­si­lei­ro de­ci­diu man­ter o en­vio dos pro­du­tos, mas des­car­tou en­trar em con­fron­to com o país vi­zi­nho. Se­gun­do o porta-​voz da Pre­si­dên­cia, Otá­vio Rê­go Bar­ros, a ação do Bra­sil é “hu­ma­ni­tá­ria”, e “não po­lí­ti­ca”. O Bra­sil tem 200 to­ne­la­das de ali­men­tos pa­ra en­vi­ar aos ve­ne­zu­e­la­nos.

O se­na­dor por Ro­rai­ma Tel­má­rio Mo­ta (Pros) cri­ti­cou on­tem, em en­tre­vis­ta ao Con­gres­so em Fo­co, a in­sis­tên­cia das au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras em le­var a aju­da à Ve­ne­zu­e­la. Pa­ra ele, es­sa dis­po­si­ção só au­men­ta a chan­ce de con­fli­to ar­ma­do na fron­tei­ra en­tre os dois paí­ses. “Po­de ha­ver um con­fron­to di­re­to e a po­pu­la­ção de Ro­rai­ma é que vai es­tar na mi­ra”, afir­mou o se­na­dor.

“Se o Bra­sil quer fa­zer uma aju­da hu­ma­ni­tá­ria, que fa­ça a par­tir da ONU [Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das]. De re­pen­te o Bra­sil vai ser es­cu­do de uma guer­ra que só in­te­res­sa aos Es­ta­dos Uni­dos. É um ato de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de nes­se mo­men­to. O Bra­sil es­tá in­ter­fe­rin­do na po­lí­ti­ca ex­ter­na da Ve­ne­zu­e­la e fa­zen­do uma es­co­lha par­ti­dá­ria”, de­fen­deu Tel­má­rio.

Mortos e feridos

Nes­sa sex­ta, hou­ve con­fron­tos en­tre mi­li­ta­res e ma­ni­fes­tan­tes na fron­tei­ra en­tre os dois paí­ses. Se­gun­do par­la­men­ta­res, du­as pes­so­as mor­re­ram e 15 fi­ca­ram fe­ri­das. Pe­lo me­nos se­te ve­ne­zu­e­la­nos fe­ri­dos ten­ta­vam cru­zar a fron­tei­ra e fo­ram con­du­zi­dos pa­ra hos­pi­tais em Boa Vis­ta. As ví­ti­mas são in­dí­ge­nas.

O con­fli­to, con­for­me re­la­tos, ocor­reu a 60 quilô­me­tros da fron­tei­ra, na re­gião Gran Sa­ba­na, on­de há uma co­mu­ni­da­de in­dí­ge­na da et­nia Pe­mon, fa­vo­rá­vel à aju­da hu­ma­ni­tá­ria in­ter­na­ci­o­nal. Co­mo os in­dí­ge­nas ten­ta­ram de­sobs­truir a via, im­pe­di­da pe­los mi­li­ta­res ve­ne­zu­e­la­nos, os con­fron­tos co­me­ça­ram.

A Se­cre­ta­ria de Saú­de de Ro­rai­ma in­for­mou que os cin­co fe­ri­dos fo­ram ba­le­a­dos e trans­por­ta­dos em am­bu­lân­ci­as ve­ne­zu­e­la­nas au­to­ri­za­das a cru­zar a fron­tei­ra. Eles es­tão sob ob­ser­va­ção mé­di­ca no Hos­pi­tal Ge­ral de Ro­rai­ma. De acor­do com a se­cre­ta­ria, cin­co pa­ci­en­tes ti­ve­ram de pas­sar pe­lo cen­tro ci­rúr­gi­co. Os de­mais ve­ne­zu­e­la­nos fo­ram aten­di­dos no se­tor do Gran­de Trau­mas e per­ma­ne­cem em ob­ser­va­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,