Em­bo­ra es­te­ja pron­ta pa­ra ser vo­ta­da no ple­ná­rio da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) que ex­tin­gue o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do não de­ve ser ana­li­sa­da nos pró­xi­mos me­ses. O pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), a quem ca­be a pa­la­vra fi­nal so­bre a pau­ta, re­sol­veu se­gu­rar a vo­ta­ção fi­nal por fal­ta de acor­do en­tre os lí­de­res par­ti­dá­ri­os.

Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos


Votação só ocorrerá quando Maia tiver segurança de que a PEC será aprovada

“Ain­da pre­ci­sa de ma­tu­ri­da­de, que ain­da não es­tou en­xer­gan­do, e co­mo va­mos con­du­zir pa­ra fa­zer es­sa vo­ta­ção”, afir­mou o lí­der do DEM, El­mar Nas­ci­men­to (BA). Já o lí­der do PDT, An­dré Fi­guei­re­do (CE), acha que a pro­pos­ta po­de ser apro­va­da co­mo es­tá. “Da nos­sa par­te, não ve­jo pro­ble­ma. So­mos fa­vo­rá­veis”.

Maia dis­se a de­pu­ta­dos que só vai sub­me­ter o tex­to a vo­ta­ção quan­do ti­ver se­gu­ran­ça de que a PEC se­rá apro­va­da. Es­se ti­po de ma­té­ria pre­ci­sa do aval de, pe­lo me­nos, 308 de­pu­ta­dos em dois tur­nos de vo­ta­ção. Mas al­can­çar es­se con­sen­so tam­bém não es­tá en­tre as pri­o­ri­da­de do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, que es­tá con­cen­tra­do na PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

A pro­pos­ta foi apro­va­da em de­zem­bro pas­sa­do na co­mis­são es­pe­ci­al, on­de foi re­la­ta­da pe­lo de­pu­ta­do Efraim Fi­lho (DEM-​PB). Ele man­te­ve o tex­to já apro­va­do no Se­na­do em maio de 2017, que pre­vê fo­ro pri­vi­le­gi­a­do ape­nas pa­ra os che­fes dos três po­de­res, ou se­ja, os pre­si­den­te e vice-​presidente da Re­pú­bli­ca, e pre­si­den­tes da Câ­ma­ra, do Se­na­do e do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

O fo­ro, ou prer­ro­ga­ti­va de fun­ção, é uma pre­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal que ho­je ga­ran­te o di­rei­to a au­to­ri­da­des, co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, se­na­do­res, de­pu­ta­dos fe­de­rais e mi­nis­tros, se­rem in­ves­ti­ga­dos e jul­ga­dos so­men­te no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). No ca­so de go­ver­na­do­res, o fo­ro é no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ). Pre­fei­tos fi­cam nos tri­bu­nais de Jus­ti­ça.

Ca­so os de­pu­ta­dos apro­vem a PEC da for­ma co­mo es­tá e ela se­ja pro­mul­ga­da pe­lo Con­gres­so, as au­to­ri­da­des atu­al­men­te com fo­ro não con­tem­pla­das pe­la pro­pos­ta, pas­sa­rão a ser pro­ces­sa­das e jul­ga­das na pri­mei­ra ins­tân­cia, co­mo ci­da­dãos co­muns.

Ano pas­sa­do, os mi­nis­tros do Su­pre­mo res­trin­gi­ram o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do de de­pu­ta­dos e se­na­do­res ao de­ci­di­rem que cri­mes ocor­ri­dos fo­ra do exer­cí­cio do man­da­to ou sem re­la­ção com ele de­vem ser jul­ga­dos pe­la Jus­ti­ça co­mum.

Le­van­ta­men­to do Con­gres­so em Fo­co di­vul­ga­do à épo­ca mos­trou que pra­ti­ca­men­te um em ca­da três de­pu­ta­dos e qua­se me­ta­de dos se­na­do­res res­pon­di­am a acu­sa­ções cri­mi­nais na mais al­ta cor­te do país.

De acor­do com o tex­to re­la­ta­do por Efraim Fi­lho, dei­xam de ter fo­ro pri­vi­le­gi­a­do em cri­mes co­muns mi­nis­tros, go­ver­na­do­res, pre­fei­tos, che­fes das For­ças Ar­ma­das e to­dos os in­te­gran­tes, em qual­quer es­fe­ra de po­der, do Le­gis­la­ti­vo, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, do Ju­di­ciá­rio e dos Tri­bu­nais de Con­tas.

A pro­pos­ta ori­gi­nal é de au­to­ria do se­na­dor Al­va­ro Di­as (Podemos-​PR) e já foi apro­va­da pe­lo Se­na­do. Em de­zem­bro o Ins­ti­tu­to Não Acei­to Cor­rup­ção en­tre­gou à co­mis­são es­pe­ci­al um ma­ni­fes­to com cer­ca de 715 mil as­si­na­tu­ras pe­din­do a apro­va­ção do tex­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,