A Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Fis­co Es­ta­du­al e Dis­tri­tal (Fe­na­fis­co) di­vul­gou no­ta nes­ta terça-​feira (26) por meio da qual cri­ti­ca o mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), pe­las “gra­ves e des­res­pei­to­sas de­cla­ra­ções” con­tra os au­di­to­res fis­cais da Re­cei­ta Fe­de­ral. A en­ti­da­de lem­bra que o ma­gis­tra­do tem da­do en­tre­vis­tas à im­pren­sa e que, com “ata­ques iras­cí­veis”, age co­mo que a ten­tar “aque­bran­tar” a es­tru­tu­ra da Re­cei­ta.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil


"O Brasil se salvou de uma organização criminosa", disse Gilmar, sem explicar bem o que quis dizer

O con­tex­to da re­a­ção da Fe­na­fis­co tem ori­gem em re­la­tó­rio de in­ves­ti­ga­ção pre­li­mi­nar que tem Gil­mar e sua es­po­sa, Gui­o­mar Men­des, no al­vo da Re­cei­ta. De­pois de sa­ber da ati­vi­da­de in­ves­ti­ga­tó­ria, o mi­nis­tro pe­diu ao co­le­ga pre­si­den­te do STF, Di­as Tof­fo­li, que de­ter­mi­nas­se a apu­ra­ção de even­tu­ais atos ilí­ci­tos en­vol­ven­do o re­la­tó­rio, no que foi aten­di­do.

Ofí­ci­os com a so­li­ci­ta­ção fo­ram en­vi­a­dos ao mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, ao se­cre­tá­rio da Re­cei­ta, Mar­cos Cin­tra, e à procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge. Gil­mar re­la­tou ter to­ma­do co­nhe­ci­men­to ex­tra­o­fi­ci­al­men­te, por meio de “do­cu­men­tos que fo­ram va­za­dos à im­pren­sa”, de que a Re­cei­ta apu­ra­va in­dí­ci­os de “cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro, ocul­ta­ção de pa­trimô­nio ou trá­fi­co de in­fluên­cia” en­vol­ven­do ele e Gui­o­mar, que é ad­vo­ga­da.

Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da à rá­dio Band­News, o mi­nis­tro co­men­tou o va­za­men­to da in­ves­ti­ga­ção na Re­cei­ta e, com gra­ves acu­sa­ções con­tra os au­di­to­res, dis­se que foi al­vo de “ara­pon­ga­gem”. Ele atri­buiu ao gru­po es­pe­ci­al de Pes­so­as Ex­pos­tas Po­li­ti­ca­men­te de ten­tar re­pro­du­zir sis­te­mas de in­ves­ti­ga­ção nos mol­des da Ges­ta­po (po­lí­cia da Ale­ma­nha na­zis­ta) e da KGB (União So­vié­ti­ca).

“O Bra­sil se sal­vou de uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa”, dis­se, sem ex­pli­car bem o que quis di­zer.

Assista o vídeo da entrevista do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes

Ain­da se­gun­do o mi­nis­tro, o Fis­co pro­du­ziu – sem ter tal atri­bui­ção, re­cla­mou – um ban­co de dos­si­ês com mais de três mil in­ves­ti­ga­dos. A ara­pon­ga­gem, con­ti­nua Gil­mar, foi en­co­men­da de pro­cu­ra­do­res e juí­zes da Ope­ra­ção Ca­li­cu­te, res­pon­sá­vel pe­la pri­são do ex-​governador do Rio de Ja­nei­ro Sér­gio Ca­bral, pre­so des­de no­vem­bro de 2016 e con­de­na­do em pro­ces­sos cu­jas pe­nas so­mam qua­se 200 anos de pri­são.

Pa­ra a Fe­na­fis­co, o mi­nis­tro pas­sou dos li­mi­tes nas crí­ti­cas. “A atu­a­ção do fis­co, nes­te e em tan­tos ou­tros ca­sos, não po­de nem de­ve sujeitar-​se ao as­sé­dio, pois vem ao en­con­tro do que a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra tan­to cla­ma: a trans­pa­rên­cia e a in­ves­ti­ga­ção isen­ta. Por is­so, a en­ti­da­de es­tá aten­ta e vi­gi­lan­te pa­ra que os agen­tes do fis­co não se­jam cons­tran­gi­dos no exer­cí­cio re­gu­lar de sua fun­ção pú­bli­ca, em ra­zão do po­der po­lí­ti­co de quem pos­sa se sen­tir in­co­mo­da­do com os re­sul­ta­dos de seus es­for­ços”, diz tre­cho da no­ta.

Leia a íntegra:

No­ta de de­sa­gra­vo

A Fe­na­fis­co (Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Fis­co Es­ta­du­al e Dis­tri­tal) se so­li­da­ri­za com os Au­di­to­res Fis­cais da Re­cei­ta Fe­de­ral do Bra­sil e ma­ni­fes­ta sua ex­tre­ma pre­o­cu­pa­ção com gra­ves e des­res­pei­to­sas de­cla­ra­ções do mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral Gil­mar Men­des com re­la­ção à car­rei­ra. Nos úl­ti­mos di­as, o mi­nis­tro tem afir­ma­do à im­pren­sa que es­ta­ria sen­do per­se­gui­do por au­di­to­res fis­cais e que es­tes fa­ri­am par­te de gru­pos com in­te­res­ses dis­tin­tos, abu­san­do da au­to­ri­da­de pa­ra su­pos­ta­men­te au­fe­rir van­ta­gens, pro­var te­ses es­ta­pa­fúr­di­as ou mes­mo ex­tor­quir, além de qualificá-​los co­mo “mi­lí­ci­as” e “ban­do”.

Res­sal­ta­mos que as ati­vi­da­des de­sen­vol­vi­das pe­las ad­mi­nis­tra­ções tri­bu­tá­ri­as de­vem al­can­çar a to­dos os ci­da­dãos in­dis­tin­ta­men­te e são es­sen­ci­ais ao fun­ci­o­na­men­to do Es­ta­do e da pró­pria de­mo­cra­cia. O ata­que iras­cí­vel e as acu­sa­ções in­fun­da­das do mi­nis­tro Gil­mar Men­des con­tra os Au­di­to­res Fis­cais da RFB não po­dem ser to­le­ra­das. Um mem­bro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral de­ve agir com equi­lí­brio e sen­sa­tez, ca­rac­te­rís­ti­cas ne­ces­sá­ri­as a quem re­pre­sen­ta tão al­to car­go den­tro da Jus­ti­ça bra­si­lei­ra.

A atu­a­ção do fis­co, nes­te e em tan­tos ou­tros ca­sos, não po­de nem de­ve sujeitar-​se ao as­sé­dio, pois vem ao en­con­tro do que a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra tan­to cla­ma: a trans­pa­rên­cia e a in­ves­ti­ga­ção isen­ta. Por is­so, a en­ti­da­de es­tá aten­ta e vi­gi­lan­te pa­ra que os agen­tes do fis­co não se­jam cons­tran­gi­dos no exer­cí­cio re­gu­lar de sua fun­ção pú­bli­ca, em ra­zão do po­der po­lí­ti­co de quem pos­sa se sen­tir in­co­mo­da­do com os re­sul­ta­dos de seus es­for­ços.

A Fe­na­fis­co vê com pre­o­cu­pa­ção e de­fen­de a de­vi­da apu­ra­ção do va­za­men­to ile­gal de in­for­ma­ções pro­te­gi­das pe­lo si­gi­lo fis­cal, mas re­cha­ça que tal fa­to se­ja ma­li­ci­o­sa­men­te ins­tru­men­ta­li­za­do pa­ra dar va­zão a ar­rou­bos to­ta­li­tá­ri­os de quem pre­ten­de fra­gi­li­zar a Ad­mi­nis­tra­ção Tri­bu­tá­ria, pa­ra for­ta­le­cer a so­ne­ga­ção e a la­va­gem de di­nhei­ro.

Que se apu­re os ar­rou­bos au­to­ri­tá­ri­os e dis­cri­ci­o­ná­ri­os, in­fe­liz­men­te tão co­muns em di­ver­sas ins­ti­tui­ções, mas que se es­ta­be­le­ça um li­mi­te mui­to cla­ro en­tre a le­gí­ti­ma in­sa­tis­fa­ção e a pe­ri­go­sa ten­ta­ti­va de aque­bran­tar a Re­cei­ta Fe­de­ral do Bra­sil, que ser­ve ao País, ao seu po­vo e à de­mo­cra­cia.

Bra­sí­lia, 26 de fe­ve­rei­ro de 2019, Char­les Al­can­ta­ra, pre­si­den­te da Fe­na­fis­co

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,