O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro afir­mou nes­ta quarta-​feira (13) não lem­brar do po­li­ci­al re­for­ma­do Ron­nie Les­sa, acu­sa­do pe­la Po­lí­cia Ci­vil do Rio de Ja­nei­ro de ser o au­tor dos dis­pa­ros que ma­ta­ram a ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co em mar­ço do ano pas­sa­do.

Ro­ve­na Rosa/​Agência Bra­sil


Presidente chamou alguns jornalistas para café da manhã e disse não se lembrar de Ronnie Lessa, cuja casa fica na mesma rua da sua, em condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

“Não lem­bro des­se ca­ra. Meu con­do­mí­nio tem 150 ca­sas”, dis­se o pre­si­den­te se­gun­do a Fo­lha de S.Paulo, em ca­fé da ma­nhã com al­guns jor­na­lis­tas. Les­sa, pre­so on­tem du­ran­te a Ope­ra­ção Lu­me, tem uma ca­sa na mes­ma rua de Bol­so­na­ro em um con­do­mí­nio fe­cha­do na ave­ni­da Lú­cio Cos­ta, Bar­ra da Ti­ju­ca, Rio de Ja­nei­ro. O ca­pi­tão, po­rém, não ne­gou ter co­nhe­ci­do Ron­nie Les­sa em al­gum mo­men­to.

A de­cla­ra­ção ocor­re um dia após a pri­são de Les­sa e Él­cio Vi­ei­ra de Quei­roz, tam­bém ex-​PM, a quem a po­lí­cia acu­sa de es­tar di­ri­gin­do o car­ro no mo­men­to dos dis­pa­ros con­tra o veí­cu­lo em que es­ta­vam Ma­ri­el­le, o mo­to­ris­ta An­der­son Go­mes, tam­bém mor­to, e a as­ses­so­ra Fer­nan­da Cha­ves, que so­bre­vi­veu ao aten­ta­do do dia 14 de mar­ço de 2018.

Bol­so­na­ro con­tou aos jor­na­lis­tas, tam­bém se­gun­do a Fo­lha, que ou­tras pes­so­as já fo­ram pre­sas em seu con­do­mí­nio, “in­cluin­do uma mu­lher por trá­fi­co in­ter­na­ci­o­nal de dro­ga”, des­ta­ca o jor­nal.

E acres­cen­tou ain­da du­ran­te a con­ver­sa que seu fi­lho mais no­vo, Jair Re­nan, 20, não con­fir­mou ter na­mo­ra­do uma das fi­lhas do sus­pei­to, co­mo a po­lí­cia ha­via di­to na ter­ça. “Meu fi­lho Jair Re­nan dis­se na­que­le lin­gua­jar: ‘pa­pai, na­mo­rei to­do mun­do no con­do­mí­nio, não lem­bro des­sa me­ni­na”.

De acor­do com a Is­toÉ, tam­bém pre­sen­te ao en­con­tro, o pre­si­den­te mais uma vez re­la­ci­o­nou o ca­so Ma­ri­el­le com o aten­ta­do que so­freu em Juíz de Fo­ra em se­tem­bro pas­sa­do, quan­do foi atin­gi­do por uma fa­ca, afir­man­do ter con­vic­ção de que há um man­dan­te do as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra.

Po­rém, se dis­se, con­for­me o re­la­to da pu­bli­ca­ção, “cha­te­a­do” com as ila­ções a res­pei­to de qual­quer re­la­ção do cri­me com sua fa­mí­lia. “Es­sas coi­sas cha­tei­am. Não co­nhe­ço es­sas pes­so­as”, re­gis­trou a Is­toÉ.

On­tem, o de­le­ga­do Gi­ni­ton La­ges, da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os do Rio de Ja­nei­ro, des­car­tou qual­quer re­la­ção da fa­mí­lia Bol­so­na­ro no ca­so. “O fa­to de mo­rar no con­do­mi­nio do Bol­so­na­ro não diz mui­ta coi­sa não. Não tem re­la­ção di­re­ta com a fa­mí­lia Bol­so­na­ro. Não de­tec­ta­mos is­so”, fri­sou.

O pre­si­den­te con­vi­dou al­guns veí­cu­los de im­pren­sa pa­ra um ca­fé da ma­nhã. Além da Fo­lha de São Pau­lo e da Is­toÉ, es­ta­vam: TV Glo­bo, TV Ban­dei­ran­tes, Re­de TV, SBT, TV Re­cord, o si­te Po­der 360, os jor­nais O Es­ta­do de S.Paulo e Cor­reio Bra­zi­li­en­se, além da re­vis­ta Crí­ti­ca Na­ci­o­nal.

O que já se sa­be
Em en­tre­vis­tas co­le­ti­vas na ter­ça (12) pa­ra ex­pli­car as cir­cuns­tân­ci­as da pri­são dos dois sus­pei­tos, Ron­nie Les­sa e Él­cio Vi­ei­ra de Quei­roz, a Po­lí­cia Ci­vil e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co dei­xa­ram al­gu­mas coi­sas bas­tan­te cla­ras, po­rém mui­tas res­pos­tas ain­da por dar.

A co­or­de­na­do­ra da Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­al no Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do (GAECO/​MPRJ), Si­mo­ne Si­bi­lio foi ta­xa­ti­va ao afir­mar que hou­ve mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca pa­ra o as­sas­si­na­to da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co e do mo­to­ris­ta An­der­son Go­mes.

“Es­tá su­fi­ci­en­te­men­te in­di­ca­do que hou­ve mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca pe­la atu­a­ção de Ma­ri­el­le em fa­vor das mi­no­ri­as”, des­ta­cou a pro­mo­to­ra de Jus­ti­ça.

O cri­me com­ple­ta um ano na quinta-​feira (14). Ma­ri­el­le mor­reu aos 38 anos com qua­tro ti­ros na ca­be­ça. Cri­a­da na fa­ve­la da Ma­ré, era So­ció­lo­ga com mes­tra­do em Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca e foi elei­ta em 2016 ve­re­a­do­ra pe­lo PSOL com mais de 46 mil vo­tos. Foi pre­si­den­te da Co­mis­são de De­fe­sa dos Di­rei­tos da Mu­lher na Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Rio de Ja­nei­ro.

Ela ex­pu­nha nas re­des so­ci­ais sua lu­ta con­tra ho­mo­fo­bia, ra­cis­mo e vi­o­lên­cia, em es­pe­ci­al con­tra jo­vens e mu­lhe­res. Era uma crí­ti­ca con­tu­maz da in­ter­ven­ção mi­li­tar no Rio de Ja­nei­ro, com cons­tan­tes de­nún­ci­as dos abu­sos da po­lí­cia. Um dia an­tes de ser as­sas­si­na­da, a ve­re­a­do­ra ques­ti­o­nou ações da PM.

Gi­ni­ton La­ges, da De­le­ga­cia de Ho­mi­cí­di­os do Rio de Ja­nei­ro, dis­se que hou­ve uma de­ta­lha­da pes­qui­sa so­bre a ve­re­a­do­ra, ar­mas, si­len­ci­a­do­res ao lon­go de me­ses.

“No pré-​crime, ele [Ron­nie] dei­xou ves­tí­gi­os. Des­co­bri­mos que al­guns di­as an­tes, ele pes­qui­sou a rua on­de a Ma­ri­el­le mo­ra­va. Te­mos a de­fi­ni­ção téc­ni­ca de uma ar­ma em­pre­ga­da, e tam­bém a con­sul­ta des­se ar­ma­men­to. Ele tam­bém fez con­sul­ta de si­len­ci­a­do­res”, des­ta­cou.

La­ges res­sal­tou ain­da o per­fil do po­li­ci­al re­for­ma­do acu­sa­do de efe­tu­ar os ti­ros que ma­ta­ram Ma­ri­el­le e An­der­son: “É al­guém com ob­ses­são pa­ra de­ter­mi­na­das per­so­na­li­da­des que mi­li­tam a es­quer­da po­lí­ti­ca. Vo­cê per­ce­be ódio, de­se­jo de mor­te, um com­por­ta­men­to de al­guém ca­paz de re­sol­ver es­sas di­ver­gên­ci­as co­mo re­sol­veu”. Na ca­sa de um ami­go de Les­sa foi en­con­tra­do um “ver­da­dei­ro ar­se­nal”, nas pa­la­vras do de­le­ga­do Ge­ni­ton.

O que ainda falta responder

A pro­mo­to­ra re­a­fir­mou um pon­to já des­ta­ca­do pe­lo de­le­ga­do Gi­ni­ton La­ges: não é pos­sí­vel afir­mar, ain­da, se há um man­dan­te do cri­me.

“Ne­nhu­ma li­nha de in­ves­ti­ga­ção é des­car­ta­da. É pos­sí­vel que não ti­do man­dan­te? É pos­sí­vel. É pos­sí­vel que te­nha? É pos­sí­vel. Pos­si­bi­li­da­des de man­dan­tes se­rão tra­ba­lha­dos em au­tos des­mem­bra­dos que es­tão sob si­gi­lo”, dis­se a pro­mo­to­ra.

Se­gun­do am­bos as in­ves­ti­ga­ções se­guem ago­ra pa­ra uma se­gun­da eta­pa que vi­sa jus­ta­men­te apon­tar se o cri­me foi en­co­men­da­do, se Les­sa agiu por con­ta pró­pria, se re­ce­beu por is­so, a re­la­ção de­le com mi­li­ci­a­nos, en­tre ou­tras per­gun­tas em aber­to.

Na Câ­ma­ra, em Bra­sí­lia, li­de­ran­ças do PSOL co­bra­ram das au­to­ri­da­des a con­ti­nui­da­de das in­ves­ti­ga­ções e mais res­pos­tas. “Quem ma­tou Ma­ri­el­le não foi ape­nas quem aper­tou o ga­ti­lho. Quem ma­tou Ma­ri­el­le foi quem pla­ne­jou a sua mor­te, foi quem de­se­jou a sua mor­te, foi quem con­tra­tou, foi quem po­li­ti­ca­men­te de­se­jou eli­mi­nar Ma­ri­el­le. É mui­to im­por­tan­te pa­ra o país sa­ber quem man­dou ma­tar Ma­ri­el­le, qual ob­je­ti­vo po­lí­ti­co e qual a mo­ti­va­ção”, dis­se o de­pu­ta­do Mar­ce­lo Frei­xo (RJ).

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,