A Câ­ma­ra apro­vou, na noi­te des­ta terça-​feira (12), pro­pos­ta que tor­na cri­me o as­sé­dio mo­ral no am­bi­en­te de tra­ba­lho. Se­gun­do o tex­to apro­va­do, o cri­me se­rá ca­rac­te­ri­za­do quan­do al­guém ofen­der rei­te­ra­da­men­te a dig­ni­da­de de ou­tro, causando-​lhe da­no ou so­fri­men­to fí­si­co ou men­tal no exer­cí­cio de em­pre­go, car­go ou fun­ção.

Luis Macedo/​Agência Câ­ma­ra


Proposta aprovada será enviada ao Senado

A pe­na es­ti­pu­la­da se­rá de de­ten­ção de um a dois anos e mul­ta, au­men­ta­da de um ter­ço se a ví­ti­ma for me­nor de 18 anos. A cau­sa so­men­te te­rá iní­cio se a ví­ti­ma re­pre­sen­tar con­tra o ofen­sor. O pro­je­to tra­mi­ta­va na Câ­ma­ra há 18 anos e, ago­ra, se­rá en­vi­a­do ao Se­na­do. Ca­so se­ja apro­va­do pe­los se­na­do­res, se­gui­rá pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al, úl­ti­ma eta­pa an­tes de vi­rar lei.

A vo­ta­ção cau­sou po­lê­mi­ca no ple­ná­rio. O MDB ten­tou adi­ar a aná­li­se da pro­pos­ta, mas o pe­di­do foi re­jei­ta­do pe­la mai­o­ria dos par­la­men­ta­res. A re­la­to­ra, de­pu­ta­da Mar­ga­re­te Co­e­lho (PP-​PI), in­cor­po­rou al­te­ra­ções su­ge­ri­das por co­le­gas à ver­são apro­va­da em 2002 pe­la Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ).

Mar­ga­re­te não aco­lheu, po­rém, emen­das pa­ra in­cluir pe­na­li­da­des a em­pre­sas nas quais ocor­re­rem os cri­mes de as­sé­dio mo­ral, por­que o Có­di­go Pe­nal, res­sal­tou a re­la­to­ra, não tra­ta de pe­nas pa­ra pes­so­as ju­rí­di­cas. Ela tam­bém re­jei­tou su­ges­tão pa­ra in­cluir na Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT) a pos­si­bi­li­da­de de o tra­ba­lha­dor pe­dir res­ci­são tra­ba­lhis­ta e in­de­ni­za­ção se o as­sé­dio mo­ral for pra­ti­ca­do pe­lo em­pre­ga­dor ou seu pre­pos­to.

Resistência em plenário

O de­pu­ta­do Hil­do Ro­cha (MDB-​MA) foi o prin­ci­pal opo­si­tor da cri­mi­na­li­za­ção do as­sé­dio mo­ral no am­bi­en­te de tra­ba­lho du­ran­te as dis­cus­sões em ple­ná­rio. Pa­ra ele, a de­fi­ni­ção é mui­to am­pla e po­de com­pro­me­ter o fu­tu­ro de em­pre­sas e ge­rar mais de­sem­pre­go. “Pre­ci­sa­mos de­fi­nir o que é da­no, o que é so­fri­men­to. Não es­ta­mos en­tre­gan­do um tra­ba­lho com­ple­to”, dis­se o de­pu­ta­do.

O de­pu­ta­do New­ton Car­do­so Jr. (MDB-​MG), tam­bém cri­ti­cou o pro­je­to. “Te­mos de re­ver o tex­to pa­ra que o país não per­ca a ca­pa­ci­da­de de ge­rar em­pre­gos”, de­cla­rou.

Mar­ga­re­te Co­e­lho re­ba­teu as crí­ti­cas. “Es­te tex­to não pu­ne as em­pre­sas em mo­men­to al­gum, es­ta­mos na es­fe­ra pe­nal, on­de a res­pon­sa­bi­li­da­de é do agen­te”, res­sal­tou. A de­pu­ta­da Eri­ka Ko­kay (PT-​DF) tam­bém de­fen­deu a pro­pos­ta. “São as mu­lhe­res as mai­o­res ví­ti­mas do as­sé­dio mo­ral, da coi­si­fi­ca­ção e ob­je­ti­fi­ca­ção”, afir­mou.

Le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho (TST) en­tre ja­nei­ro e fe­ve­rei­ro de 2017 mos­trou que, ape­nas na­que­le pe­río­do, as Va­ras tra­ba­lhis­tas re­ce­be­ram 22.574 no­vos pro­ces­sos por as­sé­dio mo­ral.

Com in­for­ma­ções da Agên­cia Câ­ma­ra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,