Mai­or co­le­gi­a­do da Câ­ma­ra, com­pos­to por 66 par­la­men­ta­res, a Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) é com­pos­ta nu­me­ri­ca­men­te por mai­o­ria go­ver­nis­ta. O am­bi­en­te, po­rém, não é to­tal­men­te fa­vo­rá­vel e re­cep­ti­vo à pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a pri­o­ri­da­de le­gis­la­ti­va do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Pa­blo Valadares/​Câmara dos De­pu­ta­dos


PEC da Reforma da Previdência ainda não tem relator, que só deve ser indicado na próxima semana. Deputados também cobram, para início das discussões, chegada pro projeto que trata da previdência militar

A con­ta que o go­ver­no tem fei­to con­si­de­ra os in­te­gran­tes dos par­ti­dos que apoi­a­ram a re­con­du­ção de Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ) à Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, pe­lo me­nos 15 le­gen­das. Em um cál­cu­lo frio, pode-​se di­zer que a re­for­ma pas­sa­ria fa­cil­men­te com ao me­nos 45 vo­tos.

Po­rém, mes­mo en­tre as le­gen­das con­si­de­ra­das ali­a­das, há re­sis­tên­ci­as a se­rem en­fren­ta­das. Um exem­plo cla­ro é o So­li­da­ri­e­da­de, pre­si­di­do pe­lo de­pu­ta­do Pau­li­nho da For­ça (SP). Ti­tu­lar da co­mis­são, ele é pu­bli­ca­men­te con­trá­rio à pro­pos­ta. Den­tro do par­ti­do, po­rém, não há con­sen­so so­bre o as­sun­to. O lí­der do SD na Câ­ma­ra, Au­gus­to Cou­ti­nho (PE), por exem­plo, que é su­plen­te no co­le­gi­a­do, é a fa­vor.

O PDT tam­bém apoi­ou Maia, um dos gran­de fi­a­do­res da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Os vo­tos da le­gen­da, con­tu­do, se­quer são con­ta­bi­li­za­dos por go­ver­nis­tas. O lí­der pe­de­tis­ta, An­dré Fi­guei­re­do (CE), foi um dos pri­mei­ros a cri­ti­car pu­bli­ca­men­te o tex­to da PEC as­sim que ela che­gou ao Con­gres­so, em 20 de fe­ve­rei­ro.

Oposição

Em seu qua­tro man­da­to co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral, o pe­tis­ta Jo­sé Gui­ma­rães (CE) dis­se que a opo­si­ção vai “ten­tar bar­rar [a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia] lo­go na aná­li­se da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de”, jus­ta­men­te a eta­pa da CCJ.

“Nem sem­pre o go­ver­no tem mai­o­ria na lis­ta de de­pu­ta­dos, e is­so se re­fle­te na ho­ra das vo­ta­ções. A mal­di­ção de 2018 vai es­tar mui­to pre­sen­te, por­que os de­pu­ta­dos que vo­ta­ram em 2017 a fa­vor da re­for­ma tra­ba­lhis­ta fo­ram pe­na­li­za­dos elei­to­ral­men­te. In­clu­si­ve o se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, foi la­dei­ra abai­xo no Rio Gran­de do Nor­te, nem se re­e­le­geu. Es­se ti­po de pres­são as pes­so­as vão exer­cer for­te­men­te so­bre os par­la­men­ta­res da CCJ”, des­ta­cou.

Tam­bém ex­pe­ri­en­te na Ca­sa, Jú­lio Del­ga­do (PSB-​MG) ava­li­ou que a apro­va­ção da PEC se­rá “mais di­fí­cil do que eles [go­ver­nis­tas] pen­sa­vam”. Ele re­co­nhe­ceu que, em­bo­ra a opo­si­ção ten­te pro­lon­gar a dis­cus­são do te­ma, “o nú­me­ro do blo­co [de apoio ao go­ver­no] é mui­to gran­de”.

Articulações

A si­tu­a­ção tan­to não é fa­vo­rá­vel, e o go­ver­no sa­be dis­so, que a lí­der no Con­gres­so, Joi­ce Has­sel­mann (PSL-​SP), já afir­mou inú­me­ras ve­zes que “con­ver­sa­rá até mes­mo com o PT”, a quem faz cons­tan­tes crí­ti­cas em su­as re­des so­ci­ais, se ne­ces­sá­rio for pa­ra fa­zer com que a PEC da Pre­vi­dên­cia se­ja apro­va­da.

Ten­tan­do co­lo­car pa­nos quen­tes, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), afir­mou em co­le­ti­va à im­pren­sa, nes­sa quar­ta (13), que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro vai co­me­çar a se en­vol­ver pes­so­al­men­te nas ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas pe­la apro­va­ção do tex­to.

“Bol­so­na­ro já co­me­çou e vai am­pli­ar a par­ti­ci­pa­ção de­le. Eu já dis­se ao mi­nis­tro Pau­lo Gue­des [da Eco­no­mia] que a par­ti­ci­pa­ção do pre­si­den­te não é im­por­tan­te, é de­ci­si­va. Sem a li­de­ran­ça de quem en­ca­mi­nhou e as­si­nou a PEC, fi­ca sem­pre uma con­tra­di­ção so­bre pri­o­ri­da­des e in­te­res­ses do pró­prio go­ver­no”.

O go­ver­no li­be­rou R$ 1 bi­lhão em emen­das im­po­si­ti­vas nes­ta se­ma­na. Nos cor­re­do­res da Câ­ma­ra, o sen­ti­men­to é de que is­so não ame­ni­zou a in­sa­tis­fa­ção de inú­me­ros par­la­men­ta­res da ba­se, que re­cla­mam por car­gos.

Sem relator

Con­fir­ma­do de for­ma pro­to­co­lar na noi­te de quar­ta co­mo pre­si­den­te da CCJ - o no­me já era da­do co­mo cer­to há pe­lo me­nos du­as se­ma­nas -, o de­pu­ta­do Fe­li­pe Fran­cis­chi­ni (PSL-​PR) en­cer­rou a ses­são di­zen­do que um pró­xi­mo en­con­tro se­rá con­vo­ca­do em “da­ta opor­tu­na”.

Is­so por­que a PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se­quer tem re­la­tor es­co­lhi­do ain­da. An­tes de o tex­to ser tor­na­do pú­bli­co, ha­via uma fi­la de con­gres­sis­tas dis­pu­tan­do a va­ga. Con­tu­do, após a apre­sen­ta­ção do te­or da pro­pos­ta, co­me­çou a ha­ver uma on­da de re­jei­ção à po­si­ção, ho­je so­men­te plei­te­a­da pe­lo de­pu­ta­do Kim Ka­ta­gui­ri (DEM-​SP), no­me pra­ti­ca­men­te já des­car­ta­do. O go­ver­no não quer ar­ris­car ter mais um no­va­to - Fran­cis­chi­ni tam­bém, co­mo Kim, es­tá em seu pri­mei­ro man­da­to - à fren­te da PEC na CCJ.

“De­pu­ta­dos que ju­ra­ram amor eter­no ao pre­si­den­te, ago­ra se afas­tam. Se o tex­to é mui­to du­ro, a gen­te co­me­ça a dis­cu­tir em ci­ma do tex­to du­ro e co­me­ça a apa­nhar em ci­ma de­le”, afir­mou Joi­ce ao Con­gres­so em Fo­co em 21 de fe­ve­rei­ro, um dia após o Jair Bol­so­na­ro en­tre­gar pes­so­al­men­te, em um ges­to sim­bó­li­co, a pro­pos­ta a Ro­dri­go Maia e ao pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP).

De acor­do com a vice-​presidente do co­le­gi­a­do, Bia Ki­cis (PSL-​DF), mais uma es­tre­an­te na Câ­ma­ra, não há pre­vi­são nem ex­pec­ta­ti­va de quem se­rá es­co­lhi­do. Re­gi­men­tal­men­te, o no­me é uma atri­bui­ção do pre­si­den­te da co­mis­são. Con­tu­do, quem es­tá por trás des­sa ar­ti­cu­la­ção é Ro­dri­go Maia. Ele tem al­guns no­mes em men­te e che­gou a co­gi­tar co­le­gas do cha­ma­do cen­trão, que in­clu­em, além do DEM, PR, PP, PSD e PRB. Ele já des­car­tou, po­rém, que se­ja al­guém do DEM por não que­rer “in­flar o po­der” da sua le­gen­da, que pre­si­de a Câ­ma­ra e o Se­na­do.

A in­ten­ção é so­lu­ci­o­nar es­sa ques­tão até se­ma­na que vem. Ro­da­das de al­mo­ços, jan­ta­res e inú­me­ras li­ga­ções te­lefô­ni­cas es­ta­rão no meio des­sa ne­go­ci­a­ção.

Mais entraves políticos

O go­ver­no pro­me­teu li­be­rar in­di­ca­ções de ali­a­dos dos par­la­men­ta­res nos se­gun­do e ter­cei­ro es­ca­lões, mas elas se­guem tra­va­das. A de­pu­ta­da Joi­ce Has­sel­mann as­se­gu­ra que, até a pró­xi­ma se­ma­na, es­sa ro­da co­me­ça­rá a gi­rar.

Con­tu­do, o ga­bi­ne­te da Ca­sa Ci­vil, co­man­da­do por Onyx Lo­ren­zo­ni, já ha­via pro­me­ti­do edi­tar o de­cre­to nor­ma­ti­zan­do o as­sun­to ain­da an­tes do Car­na­val. En­tre os par­la­men­ta­res, o cli­ma é de des­cré­di­to.

Dois ali­a­dos pró­xi­mos do go­ver­no, em con­di­ção de ano­ni­ma­to, che­ga­ram a fa­lar em dar iní­cio a uma mi­nir­re­for­ma mi­nis­te­ri­al. “O [Mar­ce­lo] Ál­va­ro Antô­nio não es­tá mais pra lá que pra cá? Ti­ra e co­lo­ca al­guém que pos­sa aju­dar a pas­sar a re­for­ma”, dis­se um de­les, ao que o ou­tro com­ple­tou: “Não há jei­to de fa­zer ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca sem con­ver­sas e ne­go­ci­a­ções. Eles pre­ci­sam se abrir”, re­cla­mou o ou­tro.

Ou­tro te­ma que se­gu­ra a pau­ta “re­for­ma da Pre­vi­dên­cia” e pre­o­cu­pa o go­ver­no é um acor­do que nem mes­mo Maia e sua ca­pa­ci­da­de de diá­lo­go con­se­gui­ram so­lu­ci­o­nar: a tra­mi­ta­ção da PEC só co­me­ça quan­do o pro­je­to pre­vi­den­ciá­rio dos mi­li­ta­res che­gar à Câ­ma­ra.

Ao man­dar o pri­mei­ro tex­to, a equi­pe econô­mi­ca op­tou por fa­ti­ar. Por um la­do, jus­ti­fi­cou que os ajus­tes dos mi­li­ta­res não pre­ci­sam se tra­ta­dos em PEC. Mas, por ou­tro, co­mo ain­da fal­tam ajus­tes e con­sen­sos na ver­são fi­nal, cor­re o ris­co de ver a prin­ci­pal apos­ta do go­ver­no Bol­so­na­ro ser atra­sa­da. O se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, pro­me­teu ar­ru­mar a si­tu­a­ção e en­vi­ar o pro­je­to de lei com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia mi­li­tar no dia 20.

Um dos mai­o­res ar­ti­cu­la­do­res da re­for­ma re­su­me a si­tu­a­ção: “Só de­sen­gan­cha com a li­be­ra­ção de car­gos, que de­ve acon­te­cer na se­ma­na que vem, com a che­ga­da do tex­to dos mi­li­ta­res, que tam­bém de­ve acon­te­cer na se­ma­na que vem. Is­so, mais a li­be­ra­ção das emen­das nes­ta se­ma­na… Re­sol­ve­mos a ques­tão da re­la­to­ria e co­me­ça a tra­mi­tar”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,