O aten­ta­do ocor­ri­do em Su­za­no, re­gião me­tro­po­li­ta­na de São Pau­lo, por ati­ra­do­res ar­ma­dos den­tro de uma es­co­la, re­a­cen­deu o de­ba­te so­bre a fle­xi­bi­li­za­ção do por­te de ar­ma, uma das prin­ci­pais ban­dei­ras de cam­pa­nha do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Ro­ve­na Rosa/​Agência Bra­sil


Tiroteio na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, a 57 quilômetros de São Paulo, deixou mortos e feridos

De um la­do, a cha­ma­da ban­ca­da da ba­la, que vai bri­gar pa­ra fle­xi­bi­li­zar as nor­mas atu­ais. Do ou­tro, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), pu­bli­ca­men­te con­trá­rio à pau­ta de­sar­ma­men­tis­ta, e de quem o go­ver­no é to­tal­men­te re­fém nes­te mo­men­to de­vi­do à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Um ado­les­cen­te de 17 anos e um ho­mem de 25 en­tra­ram, na ma­nhã des­sa quarta-​feira (13), na Es­co­la Es­ta­du­al Pro­fes­sor Raul Bra­sil com vá­ri­os ti­pos de ar­ma­men­tos, ma­ta­ram se­te pes­so­as e se sui­ci­da­ram em se­gui­da. An­tes, rou­ba­ram um car­ro e as­sas­si­na­ram o lo­jis­ta que era tio de um de­les.

O se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​RJ), um dos fi­lhos do pre­si­den­te, usou sua con­ta no Twit­ter pa­ra pres­tar “sen­ti­men­tos” aos fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas e cri­ti­car a atu­al le­gis­la­ção so­bre con­tro­le de ar­mas: “Mais uma tra­gé­dia pro­ta­go­ni­za­da por me­nor de ida­de e que ates­ta o fra­cas­so do mal­fa­da­do Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to, ain­da em vi­gor”. O de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP), ir­mão de Flá­vio, dis­se que uma ar­ma é tão pe­ri­go­sa quan­to um car­ro.

O Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to, san­ci­o­na­do em 2003, tem o ob­je­ti­vo de re­du­zir a cir­cu­la­ção de ar­mas e es­ta­be­le­cer pe­nas ri­go­ro­sas pa­ra cri­mes co­mo o por­te ile­gal e o con­tra­ban­do. Em ja­nei­ro, Jair Bol­so­na­ro as­si­nou em de­cre­to que al­te­ra par­te do Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to e fa­ci­li­ta a pos­se de ar­ma no país.

Con­tu­do, ele e seus ali­a­dos que­rem am­pli­ar ain­da mais o aces­so a ar­mas. Ale­gam que os da­dos de ho­mi­cí­di­os no Bra­sil não di­mi­nuí­ram com o es­ta­tu­to e que fal­tam ar­gu­men­tos ob­je­ti­vos pa­ra de­ter­mi­nar o que se­ria a “efe­ti­va ne­ces­si­da­de” de ter uma ar­ma.

Ain­da nes­sa quar­ta, na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do, o lí­der do PSL na Ca­sa, Ma­jor Olim­pio (SP), cau­sou po­lê­mi­ca ao afir­mar que as mor­tes em Su­za­no po­de­ri­am ter si­do evi­ta­das se al­guém es­ti­ves­se ar­ma­do den­tro do co­lé­gio.

“Se hou­ves­se um ci­da­dão com uma ar­ma re­gu­lar den­tro da es­co­la, pro­fes­sor, um ser­ven­te ou po­li­ci­al apo­sen­ta­do que tra­ba­lha lá, ele po­de­ria ter mi­ni­mi­za­do o ta­ma­nho da tra­gé­dia. Epi­só­di­os des­sa na­tu­re­za têm de ser en­fren­ta­dos, sim. Mas, se há ar­ma nes­te país ho­je na quan­ti­da­de que se quer, o me­nor é o 007, tem li­cen­ça pa­ra ma­tar”.

Ele cha­mou de “opor­tu­nis­tas” quem as­so­ci­ou o ata­que em Su­za­no ao de­cre­to que afrou­xa as re­gras pa­ra pos­se de ar­ma. “O de­cre­to do Bol­so­na­ro sim­ples­men­te ga­ran­tiu pos­se le­gí­ti­ma, não é nem por­te, o por­te nós va­mos vo­tar de­pois, é a se­gun­da eta­pa em re­la­ção a is­so que foi ti­ra­do do di­rei­to de de­fe­sa do ci­da­dão. E a po­pu­la­ção quer is­so mes­mo, e a po­pu­la­ção bo­tou o Bol­so­na­ro co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra ser um im­pul­si­o­na­dor de ga­ran­ti­as pa­ra o ci­da­dão”, fi­na­li­zou.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, re­a­giu de ma­nei­ra in­ci­si­va: “Já não bas­ta o de­ba­te so­bre pos­se. Um pe­di­do co­mo es­se não é so­bre pos­se, é so­bre por­te em área ur­ba­na. Aí pas­sa­mos pa­ra uma pro­pos­ta de bar­bá­rie no Bra­sil que não de­ve avan­çar”.

“O que eu es­pe­ro é que al­guns não de­fen­dam que, se os pro­fes­so­res es­ti­ves­sem ar­ma­dos, te­ri­am re­sol­vi­do o pro­ble­ma. Pe­lo amor de Deus. Es­pe­ro que as pes­so­as pen­sem um pou­qui­nho pri­mei­ro nas ví­ti­mas des­sa tra­gé­dia e de­pois com­pre­en­dam que o mo­no­pó­lio da se­gu­ran­ça pú­bli­ca é do Es­ta­do. Não é res­pon­sa­bi­li­da­de do ci­da­dão. Se o Es­ta­do não es­tá dan­do se­gu­ran­ça, é res­pon­sa­bi­li­da­de do ges­tor pú­bli­co da área de se­gu­ran­ça”, com­ple­tou Maia, que sus­pen­deu a ses­são de quar­ta à tar­de no ple­ná­rio em ho­me­na­gem às ví­ti­mas da tra­gé­dia.

O lí­der do PT no Se­na­do, Hum­ber­to Cos­ta (PE), acre­di­ta que o de­cre­to que fa­ci­li­ta a pos­se de ar­mas po­de es­ti­mu­lar a re­pe­ti­ção des­se ti­po de cri­me no país. “Se ca­da ci­da­dão bra­si­lei­ro po­de ter na sua re­si­dên­cia qua­tro ar­mas, co­mo pre­vê es­se de­cre­to apre­sen­ta­do pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a chan­ce de nós ter­mos epi­só­di­os co­mo es­se cres­ce enor­me­men­te. E não é exa­ta­men­te am­pli­an­do a pos­si­bi­li­da­de de as pes­so­as te­rem ar­mas, a pos­se de ar­mas, que nós va­mos aca­bar com a pos­se ile­gal e com a pos­se ir­re­gu­lar”, de­fen­deu Hum­ber­to.

A Fren­te Par­la­men­tar da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, co­nhe­ci­da co­mo ban­ca­da da ba­la, fez cir­cu­lar pe­la Câ­ma­ra que vai usar o epi­só­dio em Su­za­no pa­ra pres­si­o­nar por mu­dan­ças na le­gis­la­ção atu­al e fa­ci­li­tar o por­te de ar­mas. Con­tu­do, o do­no fi­nal da pau­ta no ple­ná­rio é Ro­dri­go Maia.

No mo­men­to em que de­pen­de to­tal­men­te de Maia pa­ra ga­ran­tir a apro­va­ção da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro evi­tou po­le­mi­zar so­bre o as­sun­to.

Em sua con­ta no Twit­ter, ele se so­li­da­ri­zou com os fa­mi­li­a­res. O Pa­lá­cio do Pla­nal­to tam­bém emi­tiu no­ta. As ma­ni­fes­ta­ções vi­e­ram cer­ca de seis ho­ras após as pri­mei­ras no­tí­ci­as de mor­tes na es­co­la.

“Pres­to mi­nhas con­do­lên­ci­as aos fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas do de­su­ma­no aten­ta­do ocor­ri­do ho­je na Es­co­la Pro­fes­sor Raul Bra­sil, em Su­za­no, São Pau­lo. Uma mons­tru­o­si­da­de e co­var­dia sem ta­ma­nho. Que Deus con­for­te o co­ra­ção de to­dos!”, es­cre­veu o pre­si­den­te na re­de so­ci­al.

Veja a íntegra da nota do Palácio do Planalto:

NOTA À IMPRENSA

Mais uma vez, nos­so país é aba­la­do por uma gran­de tra­gé­dia.

O Go­ver­no Fe­de­ral ma­ni­fes­ta seu pro­fun­do pe­sar com os fa­tos ocor­ri­dos na ci­da­de de Su­za­no, em São Pau­lo, apre­sen­tan­do su­as con­do­lên­ci­as e sin­ce­ros sen­ti­men­tos às fa­mí­li­as das ví­ti­mas de tão de­su­ma­na ação.

Ao Es­ta­do de São Pau­lo, co­lo­ca­mos nos­so to­tal apoio pa­ra au­xi­li­ar na apu­ra­ção dos fa­tos.

Brasília-​DF, 13 de mar­ço de 2019.

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,