O Ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou nes­sa quarta-​feira (13) a apli­ca­ção de mul­ta pa­ra o em­pre­ga­dor que não pa­gar o mes­mo sa­lá­rio pa­ra ho­mens e mu­lhe­res que exer­cem a mes­ma fun­ção. A pro­pos­ta, que al­te­ra a Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT), se­gue pa­ra a Câ­ma­ra. Ca­so se­ja apro­va­da pe­los de­pu­ta­dos, se­rá en­vi­a­da ao Pla­nal­to pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al.

Shut­ters­tock


Em médias e grandes empresas, distorção salarial entre homens e mulheres que exercem as mesmas funções passa dos 40%

De acor­do com o pro­je­to (PLS 88/​2015), do se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra (MDB-​PE), a em­pre­sa que des­cum­prir a re­gra se­rá mul­ta­da em va­lor cor­res­pon­den­te ao do­bro da di­fe­ren­ça sa­la­ri­al cons­ta­ta­da, mul­ti­pli­ca­da pe­lo nú­me­ro de me­ses em que per­du­rou a dis­tor­ção. Ca­da ca­so, po­rém, pre­ci­sa­rá ser apu­ra­do em ação na Jus­ti­ça. O va­lor ar­re­ca­da­do com a mul­ta se­rá re­ver­ti­do à ví­ti­ma da dis­cri­mi­na­ção.

Em­bo­ra es­te­ja pre­vis­ta na CLT, a igual­da­de sa­la­ri­al en­tre ho­mens e mu­lhe­res que exer­cem a mes­ma fun­ção ain­da es­tá dis­tan­te de ser re­a­li­da­de no Bra­sil. Es­sa di­fe­ren­ça che­ga a 23% em mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas e a 44,5% em mé­di­as e gran­des em­pre­sas, se­gun­do da­dos do Anuá­rio das Mu­lhe­res Em­pre­en­de­do­ras e Tra­ba­lha­do­ras e em Mi­cro e Pe­que­nas Em­pre­sas de 2014 ci­ta­dos por Fer­nan­do Be­zer­ra.

“A di­fe­ren­ça sa­la­ri­al en­tre ho­mem e mu­lher fe­re o prin­cí­pio da iso­no­mia con­sa­gra­do em nos­sa Cons­ti­tui­ção e le­gis­la­ção vi­gen­te. Con­tu­do, e ape­sar das inú­me­ras po­lí­ti­cas de igual­da­de de gê­ne­ro pro­mo­vi­das pe­las mais di­ver­sas or­ga­ni­za­ções, se­jam pú­bli­cas ou pri­va­das, ain­da se re­gis­tram ca­sos de dis­cri­mi­na­ção con­tra a mu­lher no que se re­fe­re a re­mu­ne­ra­ção”, ale­ga o au­tor do pro­je­to.

Pe­la pro­pos­ta, tam­bém se­rá apli­ca­da mul­ta ao em­pre­ga­dor que con­si­de­rar a ida­de, o se­xo, a cor ou si­tu­a­ção fa­mi­li­ar co­mo va­riá­vel de­ter­mi­nan­te pa­ra fins de re­mu­ne­ra­ção, for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e opor­tu­ni­da­des de as­cen­são pro­fis­si­o­nal. A apro­va­ção do pro­je­to faz par­te de acor­do de lí­de­res pa­ra vo­tar pro­po­si­ções apon­ta­das co­mo pri­o­ri­tá­ri­as pe­la ban­ca­da fe­mi­ni­na.

(Com in­for­ma­ções da Agên­cia Se­na­do)

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,