O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Gil­mar Men­des é o no­me mais re­cor­ren­te en­tre os per­so­na­gens que um gru­po de se­na­do­res quer in­ves­ti­gar com a Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI) dos tri­bu­nais su­pe­ri­o­res, a cha­ma­da CPI La­va To­ga. Das 13 su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des que o co­le­gi­a­do se pro­põe a apu­rar, cin­co têm re­la­ção com o mi­nis­tro, que es­tá em pé de guer­ra com pro­cu­ra­do­res da ope­ra­ção La­va Ja­to.

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


Para senador Alessandro Vieira, Mendes teve procedimentos irregulares dentro e fora do STF

O pe­di­do de CPI ain­da não foi pro­to­co­la­do na me­sa do Se­na­do, mas já ul­tra­pas­sou o mí­ni­mo de 27 as­si­na­tu­ras ne­ces­sá­ri­as. Na pri­mei­ra ten­ta­ti­va de em­pla­car o tex­to, o au­tor, se­na­dor Ales­san­dro Vi­ei­ra (PPS-​SE), viu o pe­di­do ser ar­qui­va­do. Dois co­le­gas, Ká­tia Abreu (PDT-​RO) e Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-​CE), re­ti­ra­ram su­as as­si­na­tu­ras de úl­ti­ma ho­ra com a jus­ti­fi­ca­ti­va de que o do­cu­men­to não elen­ca­va “fa­tos de­ter­mi­na­dos” a se­rem apu­ra­dos, co­mo man­da a Cons­ti­tui­ção.

Vi­ei­ra, en­tão, re­fez o tex­to pa­ra ex­pli­ci­tar quais são os 13 fa­tos. Se­gun­do o re­que­ri­men­to do se­na­dor, Gil­mar Men­des te­ve atu­a­ções com sus­pei­ta de con­fli­to de in­te­res­ses, jul­gou ca­sos nos quais es­ta­ria im­pe­di­do por ter re­la­ção com os in­ves­ti­ga­dos, abu­sou de pe­di­dos de vis­ta pa­ra re­tar­dar de­ci­sões do ple­ná­rio e to­mou de­ci­sões opos­tas com a mes­ma jus­ti­fi­ca­ti­va le­gal. O Con­gres­so em Fo­co pro­cu­rou Gil­mar Men­des por meio da as­ses­so­ria do STF, mas não te­ve res­pos­ta. O es­pa­ço es­tá aber­to pa­ra ma­ni­fes­ta­ção do mi­nis­tro.

Caso IDP - Bradesco

O si­te Buzz­fe­ed re­ve­lou, em se­tem­bro de 2017, que o Ins­ti­tu­to Bra­si­li­en­se de Di­rei­to Pú­bli­co (IDP), cu­jo do­no é Gil­mar Men­des, ha­via re­ce­bi­do em­prés­ti­mos de R$ 36,4 mi­lhões do ban­co Bra­des­co des­de 2011. Na­que­le pe­río­do, se­gun­do a re­por­ta­gem, o ban­co acei­tou pror­ro­gar co­bran­ças, re­du­zir ta­xas e até abriu mão de ga­nhar R$ 2,2 mi­lhões em ju­ros do ins­ti­tu­to.

No pe­río­do dos em­prés­ti­mos, Men­des atu­ou em 120 ca­sos no Su­pre­mo en­vol­ven­do o Bra­des­co. O mi­nis­tro tam­bém é, se­gun­do o pe­di­do de CPI, re­la­tor de dois dos cin­co re­cur­sos que re­sol­ve­rão a dis­pu­ta dos ban­cos com pou­pa­do­res le­sa­dos pe­los pla­nos econô­mi­cos cri­a­dos no fim dos anos 1980. O li­tí­gio é de quan­ti­as que va­ri­am en­tre R$ 20 bi­lhões a R$ 100 bi­lhões.

Ao Buzz­fe­ed, o mi­nis­tro afir­mou que não é e nun­ca foi ad­mi­nis­tra­dor do IDB, mas só­cio fun­da­dor da ins­ti­tui­ção de en­si­no, que hou­ve ape­nas re­ne­go­ci­a­ções de ju­ros pra­ti­ca­dos pe­lo mer­ca­do fi­nan­cei­ro e que “não há qual­quer con­fli­to de in­te­res­se” em sua atu­a­ção nos pro­ces­sos en­vol­ven­do o Bra­des­co.

Atuação em situação de impedimento

O pe­di­do de CPI ale­ga Gil­mar Men­des tra­ba­lhou, no Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), em pro­ces­sos em que de­ve­ria ter se de­cla­ra­do im­pe­di­do. O se­na­dor ci­ta cin­co pro­ces­sos em que uma das par­te era de­fen­di­da por Gui­lher­me Re­guei­ra Pit­ta, mem­bro do es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia de Sér­gio Ber­mu­des, do qual Gui­o­mar Men­des, es­po­sa do ma­gis­tra­do, é só­cia.

O mi­nis­tro já foi al­vo de ques­ti­o­na­men­tos da Procuradoria-​geral da Re­pú­bli­ca (PGR) por es­se mo­ti­vo, por de­ci­sões no âm­bi­to do pró­prio STF.

Caso Jacob Barata Filho

Em 17 de agos­to de 2017, Men­des con­ce­deu ha­be­as cor­pus pa­ra sol­tar o em­pre­sá­rio dos trans­por­tes Ja­cob Ba­ra­ta Fi­lho, que já con­fes­sou à Jus­ti­ça ter pa­go cer­ca de R$ 145 mi­lhões em pro­pi­nas ao ex-​governador do Rio Sér­gio Ca­bral (MDB), de 2010 a 2016.

No pe­di­do de CPI, o se­na­dor afir­ma que o mi­nis­tro de­ve­ria ter se de­cla­ra­do sus­pei­to, con­for­me di­ta o art. 254 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, por ter re­la­ção de pro­xi­mi­da­de com Ba­ra­ta - em 2013, Men­des foi pa­dri­nho de ca­sa­men­to de Be­a­triz Pe­ris­sé Ba­rat, fi­lha do em­pre­sá­rio. À épo­ca, o mi­nis­tro di­vul­gou via as­ses­so­ria de im­pren­sa ale­gan­do que a si­tu­a­ção não se en­qua­dra­va nas re­gras de im­pe­di­men­to e sus­pei­ção.

Decisões opostas

Vi­ei­ra ar­gu­men­ta, no pe­di­do de CPI, que Gil­mar Men­des te­ve “pro­ce­di­men­tos de­ci­só­ri­os di­a­me­tral­men­te opos­tos pa­ra si­tu­a­ções aná­lo­gas”. No dia 13 de fe­ve­rei­ro, te­ria fe­ri­do uma ju­ris­pru­dên­cia do STF (sú­mu­la 691) ao con­ce­der ha­be­as cor­pus a Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za, ex-​diretor da Der­sa, apon­ta­do co­mo ope­ra­dor do PSDB e con­de­na­do a 145 anos de pri­são. A sú­mu­la de­ter­mi­na que o Su­pre­mo não po­de con­ce­der ha­be­as cor­pus con­tra de­ci­são li­mi­nar de ins­tân­cia in­fe­ri­or (no ca­so, do STJ).

Vi­ei­ra afir­ma que Gil­mar Men­des usou a mes­ma jus­ti­fi­ca­ti­va (a sú­mu­la 691) pa­ra ne­gar, em agos­to de 2018, um ha­be­as cor­pus a Ro­ney Ra­ma­lho Se­re­no, um ho­mem acu­sa­do de ma­tar um ho­mem de 43 anos e o fi­lho de­le, de 21, du­ran­te uma bri­ga de vi­zi­nhos.

Uso abusivo de pedidos de vista

O se­na­dor acu­sa o ma­gis­tra­do de ter in­ten­ção “pro­te­la­tó­ria” ao se­gu­rar, por 14 me­ses, um jul­ga­men­to que de­fi­ni­ria a li­be­ra­ção ou não de do­a­ções de em­pre­sas a can­di­da­tos pa­ra as elei­ções 2014.

Em abril da­que­le ano, Men­des pe­diu vis­ta dos au­tos e só os li­be­rou ao ple­ná­rio 18 me­ses de­pois, em se­tem­bro de 2015. No fim das con­tas, o mi­nis­tro (que era fa­vo­rá­vel às do­a­ções em­pre­sa­ri­as) foi vo­to ven­ci­do, e os re­cur­sos de pes­so­as ju­rí­di­cas fo­ram bar­ra­dos a par­tir das elei­ções mu­ni­ci­pais de 2016.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,