A pre­sen­ça do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro no Con­gres­so nes­ta quarta-​feira (20) pa­ra en­tre­gar o pro­je­to de re­for­ma dos mi­li­ta­res não era ga­ran­ti­da até por vol­ta das 16h. Mas ele de­ci­diu ir pes­so­al­men­te ao en­con­tro do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), pa­ra não cor­rer o ris­co de sua equi­pe econô­mi­ca dar de ca­ra com a por­ta.

Ca­ro­li­na Antunes/​Agência Câ­ma­ra


Maia se irritou com a falta de retorno de Onyx aos seus telefonemas e se recusou a receber Paulo Guedes. Só mudou de ideia com a presença do presidente

No iní­cio da tar­de, Maia li­gou pa­ra o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, e pe­diu a ele que en­tre­gas­se a pro­pos­ta na se­ção de pro­to­co­lo da Câ­ma­ra e dis­se que não o re­ce­be­ria no ga­bi­ne­te da Pre­si­dên­cia da Ca­sa, co­mo es­ta­va pre­vis­to até en­tão.

Is­so ocor­reu após uma con­ver­sa com ali­a­dos que o aler­ta­ram so­bre os des­gas­tes ge­ra­dos com as ne­go­ci­a­ções da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, fru­to de in­cer­te­zas do go­ver­no, mas que já co­me­ça­ram a res­pin­gar no pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Co­mo prin­ci­pal fi­a­dor do tex­to na Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia tem se res­sen­ti­do, se­gun­do de­pu­ta­dos pró­xi­mos, de ser al­vo de ata­ques.

Pou­cos mi­nu­tos após a li­ga­ção pa­ra Gue­des, Bol­so­na­ro re­sol­veu ir à Câ­ma­ra. Des­ceu na cha­pe­la­ria do Con­gres­so, su­biu as es­ca­das em di­re­ção ao Sa­lão Ver­de e se­guiu pe­lo cor­re­dor que dá aces­so ao ga­bi­ne­te da Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra.

Maia não mu­dou o hu­mor após as 16h. Dei­xou o en­con­tro com Jair Bol­so­na­ro, on­de re­ce­beu das mãos do pró­prio pre­si­den­te o pro­je­to e pas­sou di­re­to pa­ra o ple­ná­rio da Ca­sa pa­ra dar con­ti­nui­da­de à ses­são or­di­ná­ria. Deu bron­ca em as­ses­so­res que lo­ta­vam o lo­cal on­de só de­pu­ta­dos po­dem tran­si­tar. E dei­xou, por vol­ta das 17h15, a Ca­sa ru­mo ao Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia.

Peça fundamental

Maia as­su­miu a fren­te das ne­go­ci­a­ções pe­la PEC des­de o iní­cio e é pe­ça fun­da­men­tal pa­ra o go­ver­no. Ten­tou ace­le­rar a tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra, com uma rá­pi­da ins­ta­la­ção da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), mas te­ve as in­ten­ções bre­ca­das por lí­de­res par­ti­dá­ri­os, in­sa­tis­fei­tos com o não en­vio do tre­cho que tra­ta dos mi­li­ta­res – a par­te que che­gou nes­ta quar­ta. Ele con­se­guiu acor­dar que, após a che­ga­da des­se pro­je­to, os tra­ba­lhos no co­le­gi­a­do co­me­ça­ri­am a an­dar.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra tra­ba­lhou nos bas­ti­do­res pa­ra con­se­guiu co­lo­car na re­la­to­ria um no­me de con­sen­so com o go­ver­no e, ao mes­mo tem­po, ex­pe­ri­en­te pa­ra as­su­mir a fun­ção. Com tan­tos des­gas­tes, po­rém, de­ci­diu la­var as mãos e dei­xar com o pre­si­den­te da CCJ, Fe­li­pe Fran­cis­chi­ni (PSL-​PR) o res­to das con­ver­sas. Ele, in­clu­si­ve, vai atra­sar em mais um dia o anún­cio, que fi­cou pa­ra es­ta quin­ta (21).

Sobram reclamações

A ba­se ali­a­da es­tá in­sa­tis­fei­ta com o go­ver­no e le­va re­cla­ma­ções cons­tan­tes a Ro­dri­go Maia, es­pe­ci­al­men­te so­bre car­gos. O de­cre­to com nor­mas pa­ra no­me­a­ções, edi­ta­do na se­gun­da (18), não ame­ni­zou o cli­ma. E Maia mais uma vez foi a voz que in­ter­ce­deu.

Os de­pu­ta­dos re­cla­mam que os car­gos que “so­bra­ram” são “in­sig­ni­fi­can­tes”. Após ter no­mes ve­ta­dos, têm de­vol­vi­do ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to lis­tas va­zi­as.

“A ba­se es­tá de­fla­gra­da. Nem mes­mo o PSL vai vo­tar es­sa re­for­ma”, afir­ma um de­pu­ta­do do MDB.

“O pre­si­den­te ofe­re­ce car­gos, num ges­to de po­lí­ti­ca dos ve­lhos tem­pos, mas pu­bli­ca­men­te diz ou­tra coi­sa. Es­tá nos ri­di­cu­la­ri­zan­do”, afir­mou ou­tro con­gres­sis­ta da ba­se, des­ta vez do par­ti­do do pró­prio Jair Bol­so­na­ro, o PSL.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,