O ex-​presidente da Re­pú­bli­ca Mi­chel Te­mer (MDB) foi pre­so na ma­nhã des­ta quinta-​feira (21), em São Pau­lo, por de­ter­mi­na­ção do juiz Mar­ce­lo Bre­tas, que con­duz a Ope­ra­ção La­va Ja­to no Rio de Ja­nei­ro. Já no fim da ma­nhã ou­tro eme­de­bis­ta de pe­so foi pre­so, o ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co, um dos no­mes mais for­tes do go­ver­no Te­mer. O ex-​presidente de­ve ser trans­fe­ri­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra o Rio. As pri­sões têm co­mo ba­se de­la­ção pre­mi­a­da do em­pre­sá­rio Jo­sé An­tu­nes So­bri­nho, do­no da En­ge­vix.

Lu­la Mar­ques


Ex-presidente já respondia a processo da Lava Jato

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) no Rio afir­ma que o ex-​presidente Mi­chel Te­mer li­de­ra uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa que, se­gun­do os pro­cu­ra­do­res, “pra­ti­cou di­ver­sos cri­mes en­vol­ven­do va­ri­a­dos ór­gãos pú­bli­cos e em­pre­sas es­ta­tais, ten­do si­do pro­me­ti­do, pa­go ou des­vi­a­do pa­ra o gru­po mais de R$ 1 bi­lhão e 800 mi­lhões”.

A pe­di­do da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR), es­sa in­ves­ti­ga­ção foi le­va­da à Jus­ti­ça Fe­de­ral do Rio. Os fa­tos que ela apu­ra­va fo­ram des­mem­bra­dos do cha­ma­do inqué­ri­to dos por­tos, em que Te­mer foi de­nun­ci­a­do ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) com mais cin­co pes­so­as por mo­vi­men­tar R$ 32,6 mi­lhões em va­lo­res ile­gais.

Du­ran­te a in­ves­ti­ga­ção dos por­tos, Jo­sé An­tu­nes So­bri­nho, do­no da En­ge­vix, dis­se à força-​tarefa da La­va Ja­to ter usa­do uma em­pre­sa sob con­tro­le da em­prei­tei­ra, Alu­mi Pu­bli­ci­da­de, pa­ra re­pas­sar os va­lo­res à PDA Pro­je­to e Di­re­ção Ar­qui­tetô­ni­ca, do co­ro­nel João Ba­tis­ta Li­ma Fi­lho. Co­nhe­ci­do co­mo co­ro­nel Li­ma, o em­pre­sá­rio é ami­go de Te­mer e já co­nhe­ci­do das in­ves­ti­ga­ções.

A pro­pi­na, se­gun­do a acu­sa­ção, foi pa­ga em con­tra­par­ti­da a con­tra­tos da usi­na nu­cle­ar de An­gra 3. As in­ves­ti­ga­ções apon­tam que uma em­pre­sa do co­ro­nel Li­ma, a Ar­ge­plan, ga­nhou o prin­ci­pal con­tra­to de cons­tru­ção da usi­na An­gra 3 com a Ele­tro­nu­cle­ar e se com­pro­me­teu a sub­con­tra­tar a En­ge­vix pa­ra fa­zer a obra. O pa­ga­men­to a Te­mer, con­for­me as in­ves­ti­ga­ções, é par­te des­se acor­do.

Pa­ra a procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, as pro­vas en­con­tra­das mos­tram que Mi­chel Te­mer é o re­al do­no da Ar­ge­plan e que a em­pre­sa era usa­da pa­ra “cap­tar re­cur­sos ilí­ci­tos, in­clu­si­ve do ni­cho econô­mi­co do se­tor por­tuá­rio, des­ti­na­dos a Mi­chel Te­mer”.

O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral Luís Ro­ber­to Bar­ro­so aco­lheu um pe­di­do da PGR pa­ra des­mem­brar es­se inqué­ri­to de ou­tros aos quais es­ta­va atre­la­do, e en­vi­ar o ca­so à pri­mei­ra ins­tân­cia. Co­mo Mar­ce­lo Bre­tas já ana­li­sa­va acu­sa­ções en­vol­ven­do a Ele­tro­nu­cle­ar, o ca­so foi en­vi­a­do pa­ra ele.

Em no­ta, o MDB saiu em de­fe­sa de Te­mer e Mo­rei­ra Fran­co e cri­ti­cou o que cha­mou de “aço­da­men­to” do juiz. Diz o co­mu­ni­ca­do: “O MDB la­men­ta a pos­tu­ra aço­da­da da Jus­ti­ça à re­ve­lia do an­da­men­to de um inqué­ri­to em que foi de­mons­tra­do que não há ir­re­gu­la­ri­da­de por par­te do ex-​presidente da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer e do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co. O MDB es­pe­ra que a Jus­ti­ça res­ta­be­le­ça as li­ber­da­des in­di­vi­du­ais, a pre­sun­ção de ino­cên­cia, o di­rei­to ao con­tra­di­tó­rio e o di­rei­to de de­fe­sa”.

Te­mer é o se­gun­do ex-​presidente pre­so por cor­rup­ção em me­nos de um ano. Em 7 de abril, Lu­la foi pre­so em de­cor­rên­cia da con­de­na­ção, em se­gun­da ins­tân­cia, a 12 anos na pró­pria La­va Ja­to. O pe­tis­ta é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do um apar­ta­men­to da OAS, além de re­for­mas, em tro­ca de fa­vo­re­ci­men­to em con­tra­to pa­ra a em­prei­tei­ra na Pe­tro­bras. A de­fe­sa ne­ga e diz que o imó­vel ja­mais per­ten­ceu ao ex-​presidente e que ele nun­ca in­ter­veio em fa­vor da em­pre­sa.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,