O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, te­rá du­as opor­tu­ni­da­des nes­ta se­ma­na de ten­tar re­du­zir a re­sis­tên­cia de de­pu­ta­dos e se­na­do­res às du­as pro­pos­tas de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a ge­ral e a dos mi­li­ta­res. A mis­são te­rá de ser de paz. Não se­rá fá­cil. O cli­ma po­lí­ti­co é o pi­or pos­sí­vel des­de que ele as­su­miu o car­go, em ja­nei­ro, com a que­da de bra­ço en­tre o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ) e um gran­de nú­me­ro de par­la­men­ta­res, de um la­do; e do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e seus pou­cos ali­a­dos, de ou­tro.

Ca­ro­li­na Antunes/​PR


Paulo Guedes, à esquerda, vê seu principal aliado na aprovação da reforma, Rodrigo Maia, abrir fogo contra Bolsonaro

Gue­des se­rá ou­vi­do nes­ta terça-​feira, a par­tir das 14h, na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra, pri­mei­ra pa­ra­da da re­for­ma no Con­gres­so. Na quar­ta, no mes­mo ho­rá­rio, se­rá a vez de o mi­nis­tro pas­sar a tar­de em reu­nião con­jun­ta das co­mis­sões de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE) e de Di­rei­tos Hu­ma­nos e Le­gis­la­ção Le­gis­la­ti­va do Se­na­do.

O mi­nis­tro tem evi­ta­do se ma­ni­fes­tar pu­bli­ca­men­te so­bre po­lí­ti­ca. Pa­ra o pú­bli­co ex­ter­no, tem pas­sa­do o dis­cur­so de con­fi­an­ça na apro­va­ção da re­for­ma, uma es­tra­té­gia tam­bém pa­ra acal­mar o mer­ca­do, que re­a­giu ne­ga­ti­va­men­te aos acon­te­ci­men­tos da úl­ti­ma se­ma­na.

Na sexta-​feira, no Rio, o mi­nis­tro ten­tou trans­mi­tir oti­mis­mo ao di­zer que o Con­gres­so te­rá de ata­car de fren­te a re­for­ma. “Es­tou mui­to se­re­no, acho que a ta­re­fa é di­fí­cil pe­la fren­te, mas te­nho cer­te­za ab­so­lu­ta que to­dos vão fa­zer sua par­te. Te­nho cer­te­za que o Con­gres­so vai exa­mi­nar o pro­je­to da Pre­vi­dên­cia, sa­be quão fun­da­men­tal é is­so, não é no­vi­da­de.”

Ele apon­tou os pre­si­den­tes da Re­pú­bli­ca, da Câ­ma­ra, do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), e do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li, co­mo os prin­ci­pais agen­tes da re­for­ma. “Eles sa­bem da im­por­tân­cia e quão crí­ti­ca é es­sa re­for­ma”, afir­mou.

O mes­mo oti­mis­mo, po­rém, não é de­mons­tra­do por ele em con­ver­sas com in­ter­lo­cu­to­res mais pró­xi­mos. O tom é de des­con­ten­ta­men­to com o ru­mo to­ma­do pe­las dis­cus­sões e a fal­ta de ar­ti­cu­la­ção do go­ver­no. Ce­ná­rio agra­va­do pe­las de­cla­ra­ções re­cen­tes de Ro­dri­go Maia, seu mai­or ali­a­do, de que es­tá se afas­tan­do do pa­pel de ar­ti­cu­la­dor po­lí­ti­co da pro­pos­ta. A res­pon­sa­bi­li­da­de de bus­car vo­tos a par­tir de ago­ra, avi­sou ele, é do go­ver­no, que não con­se­guiu, pas­sa­dos mais de 80 di­as des­de seu iní­cio, se­quer mon­tar uma ba­se par­la­men­tar.

Clima hostil

Os mo­men­tos de mai­or ten­são são aguar­da­dos na Câ­ma­ra. Des­de a se­ma­na pas­sa­da de­pu­ta­dos do cha­ma­do Cen­trão (gru­po en­ca­be­ça­do pe­lo DEM, o PRB, o PR, o PP e o So­li­da­ri­e­da­de) ame­a­çam es­va­zi­ar a au­di­ên­cia em pro­tes­to, se­gun­do eles, ao tra­ta­men­to dis­pen­sa­do pe­lo go­ver­no aos par­la­men­ta­res, se­ja na de­mo­ra na dis­tri­bui­ção dos car­gos, se­ja no tra­ta­men­to dis­pen­sa­do pe­los mi­nis­tros. A Ca­sa Ci­vil pro­me­te des­tra­var a li­be­ra­ção dos car­gos ain­da nes­ta se­ma­na.

Eles tam­bém se ir­ri­ta­ram com o pro­je­to de re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e re­es­tru­tu­ra­ção da car­rei­ra dos mi­li­ta­res, en­vi­a­do na úl­ti­ma quar­ta (20), com re­gras mais ge­ne­ro­sas do que as pre­vis­tas pa­ra o res­tan­te da po­pu­la­ção. A eco­no­mia, que de­ve­ria gi­rar na ca­sa dos R$ 90 bi­lhões pe­los pró­xi­mos dez anos, caiu pa­ra R$ 10 bi­lhões, com ma re­es­tru­tu­ra­ção da car­rei­ra mi­li­tar. Pe­la pri­mei­ra vez na pre­sen­ça do mi­nis­tro, a opo­si­ção for­ma­da por par­ti­dos de es­quer­da pro­me­te en­du­re­cer as crí­ti­cas à re­for­ma.

Discussão pública

A cri­se se agra­vou nes­te fim de se­ma­na, com a tro­ca de crí­ti­cas en­tre os dois pre­si­den­tes. Maia de­mons­trou gran­de ir­ri­ta­ção com o go­ver­no nos úl­ti­mos di­as. Con­si­de­ra que tem se sa­cri­fi­ca­do co­mo ar­ti­cu­la­dor po­lí­ti­co pa­ra apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, res­pon­sa­bi­li­da­de que, no en­ten­di­men­to de­le, não tem si­do as­su­mi­da por Bol­so­na­ro. E, mes­mo as­sim, en­ten­de que tem si­do ata­ca­do por ali­a­dos do Pla­nal­to nas re­des so­ci­ais. O prin­ci­pal des­ti­na­tá­rio da re­cla­ma­ção do de­pu­ta­do é o ve­re­a­dor ca­ri­o­ca Car­los Bol­so­na­ro (PSC), fi­lho do pre­si­den­te. Car­los cui­da das re­des do pai, exer­ce for­te in­fluên­cia so­bre os se­gui­do­res de Bol­so­na­ro e fez pro­vo­ca­ções ao de­pu­ta­do.

Maia ele­vou o tom de voz pe­la im­pren­sa. Che­gou a di­zer que o “go­ver­no não exis­te”, não tem pro­je­to pa­ra o país, é um “de­ser­to de idei­as”, tra­ba­lhou con­tra sua re­e­lei­ção na Câ­ma­ra e é in­com­pe­ten­te até pa­ra for­mar uma ba­se par­la­men­tar. Além dis­so, co­brou li­de­ran­ça e pro­ta­go­nis­mo de Bol­so­na­ro e re­co­men­dou que o pre­si­den­te saia do Twit­ter e go­ver­ne de ver­da­de.

Bol­so­na­ro res­pon­deu que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ago­ra, é de res­pon­sa­bi­li­da­de do Con­gres­so e in­si­nu­ou que Maia faz par­te da “ve­lha po­lí­ti­ca”, ao apon­tar a ve­lha prá­ti­ca do “to­ma lá, dá cá” co­mo prin­ci­pal mo­ti­vo da in­sa­tis­fa­ção dos par­la­men­ta­res. Não pa­rou por aí. “Até per­doo o Ro­dri­go Maia pe­la si­tu­a­ção pes­so­al que ele es­tá vi­ven­do”, dis­se ele, em re­fe­rên­cia à pri­são do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co, na Ope­ra­ção La­va Ja­to na úl­ti­ma quinta-​feira, jun­to com o ex-​presidente Mi­chel Te­mer. Mo­rei­ra é pa­dras­to da es­po­sa de Maia.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,