Sem pos­tar crí­ti­cas nas re­des so­ci­ais des­de quin­ta pas­sa­da, o ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro (PSC) vol­tou à car­ga na noi­te des­sa segunda-​feira (25). Em­bo­ra não te­nha ci­ta­do no­mes, ele in­si­nu­ou pe­lo Twit­ter que o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), quer chan­ta­ge­ar seu pai, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Car­los usou o ter­mo pa­ra se re­fe­rir ao ob­je­ti­vo fi­nal de quem, a exem­plo de Maia, quer que o pre­si­den­te use me­nos o Twit­ter. A in­ten­ção por trás des­se ti­po de su­ges­tão, se­gun­do ele, é dei­xar Bol­so­na­ro “fra­co e sem apoio po­pu­lar” pa­ra po­der “chantageá-​lo”. Na se­ma­na pas­sa­da, o de­pu­ta­do re­co­men­dou, em en­tre­vis­tas, que o pre­si­den­te se afas­te das re­des so­ci­ais pa­ra go­ver­nar e ar­ti­cu­lar a apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Re­pro­du­ção


Carlos cuida das redes sociais do pai e exerce grande influência sobre os seguidores do pai na internet

A men­sa­gem foi pu­bli­ca­da no mes­mo dia em que Bol­so­na­ro de­fen­deu, em reu­nião com mi­nis­tros e de­pu­ta­dos, uma re­la­ção harmô­ni­ca com o Le­gis­la­ti­vo, so­bre­tu­do com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra.

Provocação

Car­los ir­ri­tou Maia na se­ma­na pas­sa­da ao su­ge­rir que ele não ti­nha in­te­res­se em com­ba­ter a cor­rup­ção, ao ci­tar a de­ci­são do de­pu­ta­do de pos­ter­gar a tra­mi­ta­ção do pro­je­to an­ti­cri­me apre­sen­ta­do pe­lo mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro (Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca). O ve­re­a­dor de­fen­deu o mi­nis­tro de­pois das crí­ti­cas di­ri­gi­das a ele pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra na úl­ti­ma quarta-​feira. Na quin­ta, após a pri­são do ex-​presidente Mi­chel Te­mer e do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co, Car­los foi ao Ins­ta­gram per­gun­tar por que Maia an­da­va tão ner­vo­so. Mo­rei­ra, que foi sol­to ho­je, é pa­dras­to da es­po­sa do pre­si­den­te da Câ­ma­ra.

A tro­ca de far­pas en­tre Maia e Bol­so­na­ro se in­ten­si­fi­cou no fim de se­ma­na. Na sex­ta, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal Na­ci­o­nal, o de­pu­ta­do co­brou mais en­vol­vi­men­to do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com a vo­ta­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Se­gun­do ele, o pre­si­den­te pre­ci­sa “ter mais tem­po pa­ra cui­dar da Pre­vi­dên­cia e me­nos tem­po cui­dan­do do Twit­ter, por­que se­não a re­for­ma não vai avan­çar”. Na­que­le dia, ho­ras an­tes, o pre­si­den­te ha­via di­to que Maia era co­mo uma “na­mo­ra­da que quer ir em­bo­ra” ao co­men­tar a ame­a­ça do de­pu­ta­do de aban­do­nar a ar­ti­cu­la­ção da re­for­ma.

Crise agravada

A cri­se se agra­vou nes­te fim de se­ma­na. Maia con­si­de­ra que tem se sa­cri­fi­ca­do co­mo ar­ti­cu­la­dor po­lí­ti­co, res­pon­sa­bi­li­da­de que, no en­ten­di­men­to de­le, não tem si­do as­su­mi­da por Bol­so­na­ro. E, mes­mo as­sim, en­ten­de que tem si­do ata­ca­do por ali­a­dos do Pla­nal­to nas re­des so­ci­ais, prin­ci­pal­men­te por Car­los Bol­so­na­ro, que cui­da das re­des do pai e exer­ce for­te in­fluên­cia so­bre os se­gui­do­res do pre­si­den­te.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra che­gou a di­zer que o “go­ver­no não exis­te”, não tem pro­je­to pa­ra o país, é um “de­ser­to de idei­as”, tra­ba­lhou con­tra sua re­e­lei­ção na Câ­ma­ra e é in­com­pe­ten­te até pa­ra for­mar uma ba­se par­la­men­tar. Além dis­so, co­brou li­de­ran­ça e pro­ta­go­nis­mo de Bol­so­na­ro.

O pre­si­den­te res­pon­deu que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ago­ra, é de res­pon­sa­bi­li­da­de do Con­gres­so e in­si­nu­ou que Maia faz par­te da “ve­lha po­lí­ti­ca”, ao apon­tar a his­tó­ri­ca prá­ti­ca do “to­ma lá, dá cá” co­mo prin­ci­pal mo­ti­vo da in­sa­tis­fa­ção dos par­la­men­ta­res. Não pa­rou por aí. “Até per­doo o Ro­dri­go Maia pe­la si­tu­a­ção pes­so­al que ele es­tá vi­ven­do”, dis­se ele, em re­fe­rên­cia à pri­são do so­gro do de­pu­ta­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,