Lí­de­res go­ver­nis­tas co­bra­ram do mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, um pe­di­do de des­cul­pas for­mal do go­ver­no ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ). Mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, par­tin­do do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. A exi­gên­cia foi fei­ta na ter­ça (26) em uma reu­nião com os de­pu­ta­dos da ba­se. Onyx não pro­me­teu na­da. Fi­cou de le­var a de­man­da ao che­fe.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Após troca de farpas, líderes da base cobram que Jair Bolsonaro se desculpe com Rodrigo Maia

“Co­bra­mos me­nos ata­ques do pre­si­den­te [Jair Bol­so­na­ro] ao Ro­dri­go [Maia]. A si­tu­a­ção não po­de fi­car co­mo es­tá. O Onyx [Lo­ren­zo­ni] saiu de lá com a pro­mes­sa de que vai con­ver­sar com Bol­so­na­ro”, afir­mou o lí­der do PSL, de­le­ga­do Wal­dir.

O en­con­tro veio após uma se­ma­na em que a ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca, que já era al­vo de crí­ti­cas na pró­pria ba­se há se­ma­nas, de­grin­go­lou. E a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, pri­o­ri­da­de má­xi­ma de Jair Bol­so­na­ro nes­se pri­mei­ro se­mes­tre, es­tag­nou de vez na Câ­ma­ra. A pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC), que che­gou à Ca­sa em 20 de fe­ve­rei­ro, es­tá na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) ain­da sem re­la­tor de­fi­ni­do - o que, por si­nal, ain­da não tem pre­vi­são de ser de­fi­ni­do.

Se­ma­na pas­sa­da, um cli­ma bé­li­co to­mou con­ta dos cor­re­do­res da Ca­sa, com bate-​boca pe­la im­pren­sa en­tre Maia e mi­nis­tros de Bol­so­na­ro. O ápi­ce pa­re­cia ter vin­do na sex­ta (22), quan­do o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, prin­ci­pal fi­a­dor da re­for­ma, ar­ti­cu­la­dor má­xi­mo da PEC, de­ci­diu dei­xar as ne­go­ci­a­ções em prol do tex­to.

Po­rém, o mo­men­to de mai­or ten­são ocor­reu no fim de se­ma­na, quan­do Ro­dri­go Maia afir­mou que não há go­ver­no, que a atu­al ges­tão é um “de­ser­to de idei­as” e tra­ba­lhou con­tra sua re­e­lei­ção ao car­go. E, ago­ra, se­gun­do ele, jo­ga to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la apro­va­ção da re­for­ma em su­as cos­tas.

Jair Bol­so­na­ro re­tru­cou: dis­se que não deu mo­ti­vo pa­ra in­sa­tis­fa­ção, ten­tou as­so­ci­ar o de­pu­ta­do à “ve­lha po­lí­ti­ca” e su­ge­riu que ele es­ta­va ner­vo­so por cau­sa da pri­são do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co, pa­dras­to de sua es­po­sa, que ha­via si­do pre­so na ope­ra­ção que tam­bém pren­deu o ex-​presidente Mi­chel Te­mer se­ma­na pas­sa­da. Afir­mou ain­da que já cum­priu seu pa­pel ao man­dar a pro­pos­ta ao Con­gres­so.

Cobranças

“O Ro­dri­go é o mai­or e me­lhor ar­ti­cu­la­dor da PEC da re­for­ma aqui de den­tro e o go­ver­no pre­ci­sa respeitá-​lo”, con­cluiu o de­le­ga­do Wal­dir.

Um lí­der de um par­ti­do do cen­trão (blo­co for­ma­do por DEM, PRB, PR, PP e SD) que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car, con­tou que a reu­nião pa­re­ceu tran­qui­la, mas ha­via um “sen­sa­ção de ca­os” no ar. “Eles sa­bem que a si­tu­a­ção es­tá mui­to ruim pa­ra eles aqui. Pre­ci­sam cons­truir, a es­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, al­go que já de­vi­am es­tar fa­zen­do há mui­to tem­po. Es­tão al­can­çan­do os 100 di­as sem na­da pa­ra apre­sen­tar. Ao con­trá­rio. Ten­do que apa­gar in­cên­dio”.

“O Onyx ou­viu mui­to, fa­lou pou­co. Mas pro­me­teu coi­sas que já ha­via pro­me­ti­do an­tes. A li­be­ra­ção de car­gos. Va­mos ver se ago­ra, com es­sa si­tu­a­ção to­da, eles fi­nal­men­te ace­le­ram as coi­sas”, afir­mou ou­tro lí­der do cen­trão.

Mais desavenças

Nem bem aca­ba­va a reu­nião de Onyx com os lí­de­res, um post de um no­me bas­tan­te pró­xi­mo do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro agi­tou as re­des so­ci­ais. Era o es­cri­tor Ola­vo de Car­va­lho que man­da­va mais uma in­di­re­ta a Ro­dri­go Maia.

A in­ter­lo­cu­to­res, Maia ten­tou le­var na es­por­ti­va: “Ain­da bem que eu en­tro com a pi­ro­ca”, brin­cou, con­for­me re­la­tos.

No Con­gres­so, po­rém, a pos­ta­gem do es­cri­tor, que é pró­xi­mo do go­ver­no e com gran­de in­fluên­cia so­bre o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, to­mou ou­tros con­tor­nos. Hou­ve co­bran­ça no ple­ná­rio.

O de­pu­ta­do Luiz Flá­vio Go­mes (PSB-​SP) pe­diu a pa­la­vra mi­nu­tos após o tui­te de Ola­vo de Car­va­lho: “É in­crí­vel a ofen­sa à ins­ti­tui­ção. Ago­ra não é uma ques­tão do pre­si­den­te Ro­dri­go Maia, é uma ques­tão da ins­ti­tui­ção, do Par­la­men­to, que não po­de ad­mi­tir es­se ti­po de ata­que con­tí­nuo. Nós te­mos que pe­dir pro­vi­dên­ci­as ao Go­ver­no pa­ra que en­qua­dre quem dis­ser es­se ti­po de pa­la­vrões e fi­zer es­ses ata­ques, por­que é a ins­ti­tui­ção que es­tá em jo­go, e não a pes­soa de Ro­dri­go Maia”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,