O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­fir­mou nes­ta terça-​feira (2) que de­vol­veu o pas­sa­por­te do ho­je de­pu­ta­do Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG), re­co­lhi­do em 2017 pe­la cor­te na Ação Cau­te­lar 4327, que le­vou ao afas­ta­men­to do man­da­to do en­tão se­na­dor, na es­tei­ra do es­cân­da­lo da JBS. A res­ti­tui­ção do do­cu­men­to cum­pre de­ci­são do re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, que sus­pen­deu a me­di­da em 2017, após vo­ta­ção do Se­na­do que re­con­du­ziu Aé­cio ao man­da­to.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Candidato a presidente quatro anos atrás, Aécio caiu em desgraça, inclusive no próprio partido, após as denúncias e gravações comprometedoras de Joesley Batista

Em no­ta, a as­ses­so­ria do de­pu­ta­do mi­nei­ro afir­mou que, ape­sar de o do­cu­men­to es­tar li­be­ra­do des­de 2017, seus ad­vo­ga­dos de­ci­di­ram retirá-​lo ape­nas no úl­ti­mo 20 de mar­ço, um dia an­tes da pri­são do ex-​presidente Mi­chel Te­mer e do ex-​ministro Mo­rei­ra Fran­co (MDB). Ques­ti­o­na­da, a de­fe­sa de Aé­cio de­cla­rou ao Con­gres­so em Fo­co que não há ne­nhu­ma ra­zão es­pe­cí­fi­ca pa­ra a de­mo­ra na re­ti­ra­da do pas­sa­por­te e que es­ta foi ape­nas uma de­ci­são dos ad­vo­ga­dos do ca­so. No pro­ces­so, o de­pu­ta­do é re­pre­sen­ta­do por Al­ber­to Za­cha­ri­as To­ron. Nes­se pe­río­do, na prá­ti­ca, ele fi­cou im­pe­di­do de vo­ar pa­ra o ex­te­ri­or.

No mês pas­sa­do a Pri­mei­ra Tur­ma do Su­pre­mo de­ter­mi­nou o blo­queio de R$ 1,7 mi­lhão em bens de Aé­cio de sua ir­mã, An­drea Ne­ves, no pro­ces­so que am­bos res­pon­dem no ca­so JBS, al­vo da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Relembre o caso

Em mar­ço de 2017, Aé­cio se en­vol­veu no es­cân­da­lo da JBS quan­do ain­da era pre­si­den­te na­ci­o­nal do PSDB. O se­na­dor foi gra­va­do pe­din­do R$ 2 mi­lhões ao do­no do fri­go­rí­fi­co, Jo­es­ley Ba­tis­ta. Em um dos áu­di­os do diá­lo­go, re­ple­to de xin­ga­men­tos, o tu­ca­no jus­ti­fi­ca que pre­ci­sa­va pa­gar des­pe­sas com sua de­fe­sa na Ope­ra­ção La­va Ja­to e que por is­so pe­diu o di­nhei­ro.

De­nun­ci­a­do por cor­rup­ção pas­si­va e obs­tru­ção de Jus­ti­ça, o se­na­dor foi acu­sa­do de pe­dir e re­ce­ber es­se va­lor co­mo pro­pi­na de Jo­es­ley, que vi­rou de­la­tor da JBS e che­gou a ser pre­so por vi­o­lar os ter­mos de sua de­la­ção pre­mi­a­da. Em maio da­que­le ano, Aé­cio foi afas­ta­do de seu man­da­to por uma li­mi­nar do mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, mas a me­di­da foi der­ru­ba­da pos­te­ri­or­men­te por Mar­co Au­ré­lio, em ju­nho.

Em se­tem­bro de 2017, a Pri­mei­ra Tur­ma do STF, de­ci­diu por três vo­tos a dois, afas­tar no­va­men­te Aé­cio do man­da­to. O co­le­gi­a­do tam­bém ne­gou, por una­ni­mi­da­de, a pri­são do par­la­men­tar mi­nei­ro. Mes­mo ten­do ne­ga­do a re­clu­são, os mi­nis­tros im­pu­se­ram re­co­lhi­men­to no­tur­no a Aé­cio e de­ter­mi­na­ram a apre­en­são de seu pas­sa­por­te.

Cer­ca de um mês de­pois, o Se­na­do de­ci­diu, por 44 vo­tos a 26, re­con­du­zir o se­na­dor mi­nei­ro ao seu man­da­to, re­ver­ten­do a de­ci­são da Pri­mei­ra Tur­ma do STF.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,