A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos fi­na­li­zou nes­ta ter­ça (2) a vo­ta­ção do Pro­je­to de Lei 1321/​19, que tra­ta da au­to­no­mia dos par­ti­dos po­lí­ti­cos, man­ten­do o tex­to apro­va­do na se­ma­na pas­sa­da, com anis­tia a si­glas que não te­nham apli­ca­do 5% dos re­cur­sos anu­ais do Fun­do Par­ti­dá­rio no in­cen­ti­vo à par­ti­ci­pa­ção das mu­lhe­res na po­lí­ti­ca até 2018. Uma emen­da apre­sen­ta­da pe­lo PT bus­ca­va re­ver­ter a re­da­ção.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


"Se mais da metade da população brasileira é formada por mulheres, está mais do que na hora de ocuparmos representação correspondente no Parlamento"

De acor­do com o tex­to apro­va­do, os par­ti­dos que des­cum­pri­ram a apli­ca­ção mas di­re­ci­o­na­ram o di­nhei­ro pa­ra fi­nan­ci­ar cam­pa­nhas elei­to­rais de mu­lhe­res fi­cam isen­tos de pu­ni­ção. A apli­ca­ção ir­re­gu­lar da co­ta fe­mi­ni­na na des­ti­na­ção do Fun­dão Elei­to­ral nas úl­ti­mas elei­ções é jus­ta­men­te o fo­co do es­cân­da­lo das can­di­da­tu­ras la­ran­jas do PSL.

Um le­van­ta­men­to pu­bli­ca­do no ano pas­sa­do pe­la Fo­lha de S. Pau­lo mos­tra que os par­ti­dos in­ves­tem, em mé­dia, ape­nas 3,5% das co­tas re­ce­bi­das do Fun­do Par­ti­dá­rio na pro­mo­ção da par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na na po­lí­ti­ca. “Se­gun­do a pres­ta­ção de con­tas par­ti­dá­ri­as, 33 das 35 le­gen­das re­gis­tra­das no TSE de­cla­ra­ram al­gum gas­to com mu­lhe­res. Des­sas 33, ape­nas oi­to atin­gi­ram ou su­pe­ra­ram os 5%: PTC, PPL, Pa­tri­o­ta, PDT, DC, PT, PMB e PSOL”, apon­ta­ram as re­pór­te­res Ga­bri­e­la Sá Pes­soa e Ma­ri­na Mer­lo.

“Pacote de bondades”

De au­to­ria do de­pu­ta­do El­mar Nas­ci­men­to (DEM-​BA), lí­der do par­ti­do na Câ­ma­ra, o PL pre­vê, en­tre ou­tros pon­tos, a au­to­no­mia a pre­si­den­tes de di­re­tó­ri­os na­ci­o­nais e es­ta­du­ais pa­ra tro­car di­ri­gen­tes mu­ni­ci­pais ou es­ta­du­ais li­vre­men­te, por meio das cha­ma­das “co­mis­sões pro­vi­só­ri­as”.

O Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) ha­via pre­vis­to que es­se be­ne­fí­cio te­ria que ser ex­tin­to em 180 di­as a par­tir de 1º de ja­nei­ro de 2019, mas o tex­to apro­va­do am­plia o pra­zo pa­ra oi­to anos. Os de­pu­ta­dos re­jei­ta­ram emen­das dos de­pu­ta­dos Hen­ri­que Fon­ta­na (PT-​RS) e Enio Ver­ri (PT-​PR), que pre­ten­di­am li­mi­tar o pra­zo de vi­gên­cia dos ór­gãos par­ti­dá­ri­os pro­vi­só­ri­os a qua­tro e dois anos, res­pec­ti­va­men­te.

Na se­ma­na pas­sa­da, es­tes pon­tos já ha­vi­am si­do cri­ti­ca­dos pe­lo Mo­vi­men­to de Com­ba­te à Cor­rup­ção Elei­to­ral, que di­vul­gou uma no­ta de re­pú­dio à apro­va­ção do pro­je­to e do subs­ti­tu­ti­vo do de­pu­ta­do Pau­li­nho Pe­rei­ra da Sil­va (SD-​SP), o Pau­li­nho da For­ça, que é re­la­tor da pro­pos­ta.

“Aí também já é demais!”

Por ou­tro la­do, sob a li­de­ran­ça do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), os de­pu­ta­dos apro­va­ram des­ta­que do PSB pa­ra re­ti­rar do tex­to a per­mis­são pa­ra o par­ti­do po­lí­ti­co que não apre­sen­tas­se as con­tas à Jus­ti­ça Elei­to­ral par­ti­ci­pas­se de elei­ções. O tre­cho re­ti­ra­do do pro­je­to tam­bém per­mi­tia que par­ti­dos com con­tas re­pro­va­das pu­des­sem apre­sen­tar can­di­da­tu­ras.

“Eu vou fa­zer um ape­lo ao Ple­ná­rio. De fa­to, no tex­to que es­tá aqui — eu não sei, se to­do mun­do viu com aten­ção —, es­tá se pro­pon­do que quem re­ce­beu di­nhei­ro pú­bli­co, não pres­tou con­tas e dis­pu­ta o pro­ces­so elei­to­ral”, ape­lou Maia.

“Não dá. Aí tam­bém é de­mais! Vo­cê po­de re­ce­ber o di­nhei­ro pú­bli­co, vo­cê não é obri­ga­do a pres­tar con­tas, en­tão… se al­guém re­ce­beu di­nhei­ro pú­bli­co e não pres­tou con­ta, não me­re­ce par­ti­ci­par do pro­ces­so elei­to­ral mes­mo”, indignou-​se o pre­si­den­te da ca­sa. “Aí, vi­ra a ca­sa do Lo­re­ga, um lar­ga e ou­tro pe­ga”, com­ple­men­tou o de­pu­ta­do Pom­peo de Mat­tos (PDT-​RS).

A re­da­ção fi­nal apro­va­da pe­la Câ­ma­ra so­be ago­ra pa­ra a apre­ci­a­ção do Se­na­do Fe­de­ral.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,