O Se­na­do apro­vou na noi­te des­sa quarta-​feira (2) um pro­je­to que al­te­ra a Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses da Edu­ca­ção pa­ra au­to­ri­zar mu­ni­cí­pi­os e o Dis­tri­to Fe­de­ral a ins­ti­tuí­rem um “vale-​creche” pa­ra as fa­mí­li­as de bai­xa ren­da que não con­se­gui­rem ma­tri­cu­lar cri­an­ças de até cin­co anos em es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­cos ou con­ve­ni­a­dos. O tex­to se­gue pa­ra vo­ta­ção na Câ­ma­ra.

Agên­cia Bra­sil


O valor do auxílio será determinado pelo prefeito do município ou governador do DF, por decreto

De acor­do com o au­tor da pro­pos­ta, se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-​SP), a ini­ci­a­ti­va vi­sa com­ba­ter de­si­gual­da­des. “Ho­je, 34% das cri­an­ças de 0 a 3 anos mais po­bres, não fre­quen­tam es­co­la por­que não há va­gas em cre­ches pú­bli­cas pró­xi­mas ao seu lo­cal de mo­ra­dia ou ao lo­cal de tra­ba­lho dos seus pais”, de­fen­deu Ser­ra. “Pa­ra os 20% de ren­da mais al­ta, des­de lo­go, o per­cen­tu­al de cri­an­ças de 0 a 3 anos fo­ra da es­co­la é de ape­nas 6,9%. Ou se­ja, a cri­an­ça de ren­da mais al­ta vai pa­ra a cre­che, e a de ren­da mais bai­xa não vai pa­ra a cre­che”, jus­ti­fi­cou.

Se im­ple­men­ta­dos, os vou­chers de­ve­rão ser en­tre­gues a fa­mí­li­as be­ne­fi­ciá­ri­as do Bol­sa Fa­mí­lia. Os pais das cri­an­ças be­ne­fi­ci­a­das tam­bém não po­de­rão re­ce­ber auxílio-​creche ou pré-​escolar das em­pre­sas em que tra­ba­lham. O va­lor do au­xí­lio se­rá de­ter­mi­na­do pe­lo pre­fei­to do mu­ni­cí­pio ou go­ver­na­dor do DF, por de­cre­to.

Pa­ra a ma­nu­ten­ção do be­ne­fí­cio, os res­pon­sá­veis de­ve­rão com­pro­var men­sal­men­te o pa­ga­men­to da cre­che pri­va­da, por meio de re­ci­bos. A aju­da se­rá con­ce­di­da a no má­xi­mo três cri­an­ças por fa­mí­lia, com res­sal­vas pa­ra os ca­sos em que há gê­me­os. Não te­rão di­rei­to ao be­ne­fí­cio as fa­mí­li­as que re­ti­ra­rem os alu­nos de cre­ches ou pré-​escolas da re­de pú­bli­ca ou que re­si­di­rem pró­xi­mas a uni­da­des es­co­la­res pú­bli­cas ou con­ve­ni­a­das com va­gas.

Nos mu­ni­cí­pi­os com ca­rên­cia de va­gas, pas­sa a ser obri­ga­tó­ria a di­vul­ga­ção dos cri­té­ri­os ado­ta­dos pa­ra a ma­trí­cu­la, as­sim co­mo a lis­ta de es­pe­ra dos in­te­res­sa­dos, com or­dem de clas­si­fi­ca­ção e o cro­no­gra­ma pa­ra as cha­ma­das se­guin­tes.

O tex­to apro­va­do re­gu­la­men­ta a for­ma co­mo de­ve ser con­ce­di­do o be­ne­fí­cio, mas não des­ti­na re­cur­sos fe­de­rais pa­ra sua im­ple­men­ta­ção. Pa­ra ser ins­ti­tuí­do, o “vale-​creche” de­pen­de­rá da dis­po­ni­bi­li­da­de de re­cur­sos nos or­ça­men­tos das pre­fei­tu­ras, sem con­tar com as ver­bas já em­pre­ga­das na edu­ca­ção bá­si­ca pú­bli­ca. Na prá­ti­ca, is­so sig­ni­fi­ca que a cri­a­ção do pro­gra­ma de­pen­de­rá da atu­a­ção dos pre­fei­tos. Jo­sé Ser­ra res­sal­tou que o Se­na­do não po­de­ria, mes­mo que qui­ses­se, apro­var uma des­ti­na­ção de re­cur­sos fe­de­rais pa­ra a im­ple­men­ta­ção do pro­je­to. “Is­so se­ria in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Par­la­men­ta­res não po­dem cri­ar au­men­tos de gas­tos, mas po­dem sim cri­ar pro­gra­mas que se­jam um ins­tru­men­to de pres­são pa­ra que o exe­cu­ti­vo aten­da a es­sa de­man­da”, dis­se.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,