Na se­ma­na se­guin­te ao en­cer­ra­men­to abrup­to da au­di­ên­cia com o mi­nis­tro Pau­lo Gue­des na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) após um bate-​boca, os in­te­gran­tes do co­le­gi­a­do têm um no­vo de­sa­fio: ou­vir, na pró­xi­ma terça-​feira (9), o pa­re­cer do re­la­tor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, De­le­ga­do Mar­ce­lo Frei­tas (PSL-​MG). Pa­ra o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), a po­ei­ra ten­de a bai­xar nos pró­xi­mos di­as por uma ques­tão de cons­ci­ên­cia dos pró­pri­os par­la­men­ta­res. “Acho que o am­bi­en­te vai me­lho­rar. Ca­da um vai com­pre­en­der a im­por­tân­cia de seus atos pa­ra o for­ta­le­ci­men­to dos seus pró­pri­os man­da­tos”, dis­se o pre­si­den­te da Ca­sa.

Luis Macedo/​Agência Câ­ma­ra


Apesar de atritos com o governo, Maia ainda é o principal articulador para aprovação da reforma da Previdência

Mar­ce­lo Frei­tas de­ve re­co­men­dar a apro­va­ção in­te­gral do tex­to en­vi­a­do pe­lo go­ver­no. O ar­gu­men­to uti­li­za­do por ele é de que to­da a pro­pos­ta aten­de aos pres­su­pos­tos cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais. As dis­cus­sões des­ta ter­ça tam­bém de­vem ser quen­tes. O re­la­tor vai dei­xar a aná­li­se de pon­tos po­lê­mi­cos, co­mo a mu­dan­ça nas re­gras do Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC), ga­ran­ti­do a ido­sos e de­fi­ci­en­tes de bai­xa ren­da, e da apo­sen­ta­do­ria ru­ral, pa­ra a co­mis­são es­pe­ci­al, pró­xi­ma eta­pa da tra­mi­ta­ção.

Es­sas du­as mo­di­fi­ca­ções fo­ram an­te­ci­pa­das pe­lo Con­gres­so em Fo­co. Se­gun­do Frei­tas, qual­quer al­te­ra­ção no con­teú­do da pro­pos­ta que não es­te­ja em­ba­sa­do em in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de se­rá uma in­tro­mis­são nas atri­bui­ções do co­le­gi­a­do res­pon­sá­vel pe­lo exa­me do mé­ri­to da pro­po­si­ção.
“Es­sas ques­tões se­rão man­ti­das em nos­so re­la­tó­rio, mas com en­fren­ta­men­to ex­clu­si­va­men­te da ques­tão da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de. Al­gu­mas ques­tões a res­pei­to de re­ti­ra­da ou não des­ses itens de­ve­rão por en­vol­ver o mé­ri­to ser en­fren­ta­dos na co­mis­são es­pe­ci­al”, afir­mou. Os de­pu­ta­dos pau­lis­tas Vi­ní­cius Poit (No­vo) e Edu­ar­do Cury (PSDB) são os mais co­ta­dos pa­ra re­la­tar o mé­ri­to da PEC em sua pró­xi­ma pa­ra­da.

Pes­qui­sa do Pai­nel do Po­der, fer­ra­men­ta de pes­qui­sa do Con­gres­so em Fo­co com os lí­de­res mais in­flu­en­tes da Câ­ma­ra e do Se­na­do, re­ve­la que o am­bi­en­te é mais fa­vo­rá­vel à apro­va­ção da re­for­ma do que era em 2017, quan­do o en­tão pre­si­den­te Mi­chel Te­mer en­ca­mi­nhou sua ver­são. Ain­da as­sim, as li­de­ran­ças acre­di­tam que ha­ve­rá mu­dan­ças no tex­to en­tre­gue pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Discussões antecipadas

O pre­si­den­te da co­mis­são, Fe­li­pe Fran­cis­chi­ni (PSL-​PR), pre­ten­de an­te­ci­par as dis­cus­sões so­bre o re­la­tó­rio de Frei­tas pa­ra o pró­xi­mo dia 15. Ini­ci­al­men­te a ex­pec­ta­ti­va era de que is­so só ocor­res­se no dia 17. Com a es­tra­té­gia, o de­pu­ta­do es­pe­ra con­cluir a vo­ta­ção após três di­as de de­ba­tes. Ele an­te­vê um cli­ma ten­so e mui­to ba­ru­lho por par­te dos opo­si­ci­o­nis­tas que in­te­gram a CCJ. Na au­di­ên­cia com Gue­des, a ba­se go­ver­nis­ta foi co­bra­da por não ter cons­ti­tuí­do uma tro­pa de cho­que pa­ra en­fren­tar a opo­si­ção, res­pon­sá­vel pe­la mai­o­ria dos ques­ti­o­na­men­tos ao mi­nis­tro.

A reu­nião foi mar­ca­da pe­las pro­vo­ca­ções da opo­si­ção e pe­la re­a­ção, em vá­ri­os mo­men­tos, de Pau­lo Gue­des. O cal­do en­tor­nou quan­do o pe­tis­ta Ze­ca Dir­ceu (PR) dis­se que o mi­nis­tro era “ti­grão” con­tra os ido­sos, “por­ta­do­res de ne­ces­si­da­des”, agri­cul­to­res e pro­fes­so­res, mas uma “tchut­chu­ca” (sic) “quan­do me­xe com a tur­ma mais pri­vi­le­gi­a­da” do país (ve­ja o ví­deo). Di­an­te do in­sul­to, Pau­lo Gue­des re­a­giu: “Olha, des­res­pei­to não. Eu não vim aqui pra ser des­res­pei­ta­do não. Vo­cê não fal­te com res­pei­to co­mi­go não. Tchut­chu­ca é a mãe, é a avó!”, dis­pa­rou. Lo­go em se­gui­da ao en­cer­ra­men­to da reu­nião, hou­ve empurra-​empurra e tro­ca de ofen­sas en­tre as­ses­so­res do mi­nis­tro e de­pu­ta­dos.

Pa­ra ga­ran­tir que a PEC avan­ce com mais for­ça, de­pu­ta­dos ali­nha­dos com o go­ver­no que­rem ga­ran­tir boa mar­gem de fol­ga na apro­va­ção da pro­pos­ta. A re­for­ma en­ca­mi­nha­da pe­lo ex-​presidente Mi­chel Te­mer foi apro­va­da por 31 vo­tos a 20 no co­le­gi­a­do. O tex­to ain­da pas­sou pe­la co­mis­são es­pe­ci­al, mas não ha­via vo­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra apro­va­ção em ple­ná­rio, on­de eram exi­gi­dos pe­lo me­nos 308 vo­tos. A re­for­ma de Te­mer aca­bou en­ga­ve­ta­da. Na CCJ, bas­ta o apoio da mai­o­ria dos pre­sen­tes. O co­le­gi­a­do é com­pos­to por 66 de­pu­ta­dos.

Rejeições encaminhadas

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), já dá co­mo cer­ta a re­jei­ção das mu­dan­ças pro­pos­tas pe­lo go­ver­no ao BPC e à apo­sen­ta­do­ria ru­ral, con­si­de­ra­das des­fa­vo­rá­veis à po­pu­la­ção mais po­bre. Um ter­cei­ro pon­to que tem cau­sa­do con­tro­vér­sia é o dis­po­si­ti­vo da PEC que re­ti­ra da Cons­ti­tui­ção as re­gras pa­ra apo­sen­ta­do­ria e per­mi­te que elas se­jam tra­ta­das por pro­je­to de lei com­ple­men­tar, que exi­ge me­nos vo­tos.

“Nós não acei­ta­mos es­se pon­to. Is­so é um che­que em bran­co pa­ra o go­ver­no e vai pre­ju­di­car quem ga­nha me­nos”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co o lí­der do Po­de­mos, Jo­sé Nel­to (GO). “Es­ses pon­tos, pra gen­te, são ine­go­ciá­veis”, acres­cen­tou. Se­gun­do ele, a re­for­ma ain­da di­vi­de qua­se ao meio a ban­ca­da, com­pos­ta na Câ­ma­ra por 11 de­pu­ta­dos.

Lí­de­res de 13 par­ti­dos - PR, SD, PPS, DEM, MDB, PRB, PSD, PTB, PP, PSDB, Pa­tri­o­tas, Pros e Po­de­mos - já as­si­na­rem um ma­ni­fes­to em que se de­cla­ram a fa­vor da re­for­ma, mas afir­mam que vão bar­rar as pro­pos­tas da equi­pe do mi­nis­tro Pau­lo Gue­des pa­ra o BPC e a apo­sen­ta­do­ria ru­ral.

Se­gun­do o ma­ni­fes­to dos par­ti­dos, a re­for­ma nes­ses dois pon­tos “tra­ta de for­ma igual os de­si­guais e pe­na­li­za quem mais pre­ci­sa”. Os de­pu­ta­dos tam­bém afir­mam que “não per­mi­ti­rão a des­cons­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção ge­ne­ra­li­za­da”. Ou se­ja, com­ba­te­rão as pro­pos­tas de Gue­des que re­ti­ram di­re­tri­zes do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio da Cons­ti­tui­ção e as trans­fe­rem pa­ra as leis.

Lí­de­res par­ti­dá­ri­os ava­li­am que a ideia do go­ver­no de in­cluir es­sas mu­dan­ças na re­for­ma foi um er­ro de cál­cu­lo, por­que a re­sis­tên­cia era pre­vi­sí­vel. Os con­gres­sis­tas cri­ti­cam tam­bém o fa­to de que o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia ain­da não abriu os nú­me­ros da re­for­ma: os de­pu­ta­dos não sa­bem quan­to o go­ver­no pre­ten­de eco­no­mi­zar es­pe­ci­fi­ca­men­te com ca­da mu­dan­ça pre­vis­ta no tex­to.

BPC e aposentadoria rural

O Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nui­da­de é as­se­gu­ra­do atu­al­men­te a pes­so­as com mais de 65 anos em si­tu­a­ção de mi­se­ra­bi­li­da­de, com ren­da fa­mi­li­ar per ca­pi­ta de um quar­to de sa­lá­rio mí­ni­mo, e a de­fi­ci­en­tes. O go­ver­no pro­põe a ma­nu­ten­ção das re­gras pa­ra os de­fi­ci­en­tes fí­si­cos, mas mu­dan­ças pa­ra os ido­sos.

A re­for­ma pro­põe que o be­ne­fí­cio pas­se a ser de R$ 400 pa­ra quem tem 60 anos. E su­bi­ria pa­ra um sa­lá­rio mí­ni­mo ape­nas quan­do o be­ne­fi­ciá­rio atin­gir os 70 anos.

No ca­so dos tra­ba­lha­do­res ru­rais, a pro­pos­ta pre­vê o au­men­to do tem­po de con­tri­bui­ção e da ida­de mí­ni­ma pa­ra mu­lhe­res, que pas­sa a ser igual à dos ho­mens, 60 anos. Ho­je elas po­dem se apo­sen­tar a par­tir dos 55 anos.

O go­ver­no tam­bém pre­ten­de exi­gir 20 anos de con­tri­bui­ção dos tra­ba­lha­do­res ru­rais. Atu­al­men­te há um tem­po mí­ni­mo de ati­vi­da­de ru­ral exi­gi­do de 15 anos. Tam­bém pas­sa a ser co­bra­do um va­lor mí­ni­mo anu­al de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria do gru­po fa­mi­li­ar, de R$ 600, re­gra que não exis­te ho­je.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,