Pa­ra co­me­mo­rar os 100 pri­mei­ros di­as de seu go­ver­no, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro man­dou or­ga­ni­zar uma ce­rimô­nia no Pa­lá­cio do Pla­nal­to na ma­nhã des­ta quinta-​feira (11) com di­rei­to a co­mu­ni­ca­dos es­pe­ci­ais pa­ra a da­ta.

Na ce­rimô­nia, anun­ci­ou o 13º sa­lá­rio pa­ra os cer­ca de 14 mi­lhões de be­ne­fi­ciá­ri­os do Bol­sa Fa­mí­lia, uma pro­mes­sa de cam­pa­nha. E exal­tou o fei­to em sua con­ta no Twit­ter.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


O presidente Jair Bolsonaro participa da cerimônia sobre os 100 dias de governo

O pre­si­den­te tam­bém lan­çou um sis­te­ma que uni­fi­ca­rá os por­tais do go­ver­no e per­mi­ti­rá o acom­pa­nha­men­to de trans­fe­rên­cia de re­cur­sos da União.

To­dos os seus 22 mi­nis­tros fo­ram con­vo­ca­dos pa­ra a ce­rimô­nia. Fo­ram as­si­na­dos 18 pro­je­tos e de­cre­tos re­la­ci­o­na­dos às 35 me­tas, to­das con­si­de­ra­das cum­pri­das pe­lo go­ver­no.

“Es­ta­mos bus­can­do ala­van­car nos­sa eco­no­mia com ge­ra­ção de em­pre­go e ren­da, com des­bu­ro­cra­ti­za­ção do Es­ta­do bra­si­lei­ro, com aper­fei­ço­a­men­to do pac­to fe­de­ra­ti­vo, com um go­ver­no trans­pa­ren­te e com cri­té­ri­os téc­ni­cos, com aus­te­ri­da­de dos gas­tos pú­bli­cos, sem com fo­co no me­lhor pa­ra o ci­da­dão bra­si­lei­ro”, dis­se.

Na ce­rimô­nia, o porta-​voz da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Otá­vio do Rê­go Bar­ros, elen­cou as prin­ci­pais ta­re­fas re­a­li­za­das pe­lo go­ver­no no pe­río­do. En­tre elas, a ex­tin­ção de 21 mil car­gos e fun­ções gra­ti­fi­ca­das; re­gras mais rí­gi­das pa­ra con­tra­ta­ção de ser­vi­do­res, com a pu­bli­ca­ção do de­cre­to que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “ban­co de ta­len­tos”; o acor­do de sal­va­guar­das tec­no­ló­gi­cas pa­ra Cen­tro Es­pa­ci­al de Al­cân­ta­ra; con­ces­sões e lei­lões de por­tos, ae­ro­por­tos, fer­ro­vi­as e ro­do­vi­as; a ins­ta­la­ção do cen­tro de des­sa­li­ni­za­ção; e a pro­mul­ga­ção da Me­di­da Pro­vi­só­ria con­tra frau­des no INSS.

100 dias

O 100º dia de go­ver­no, na ver­da­de, foi com­ple­ta­do nes­sa quar­ta (10). O pe­río­do é con­si­de­ra­do por ana­lis­tas e po­lí­ti­cos co­mo um tem­po de adap­ta­ção, mas tam­bém de “na­mo­ro” com o Con­gres­so.

Não foi, con­tu­do, o que o pre­si­den­te vi­veu. De cri­se em cri­se, al­gu­mas ge­ra­das por ele pró­prio, Bol­so­na­ro che­ga à co­me­mo­ra­ção dos seus pri­mei­ros 100 di­as co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, sua me­ni­na dos olhos de ou­ro, ain­da em fa­se ini­ci­al de tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

O gran­de fi­a­dor da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), dei­xou de la­do a ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pe­la apro­va­ção do tex­to de­vi­do ao des­gas­te de que vi­nha se res­sen­tin­do.

Sem saí­da, o pre­si­den­te se viu obri­ga­do a cha­mar os par­ti­dos pa­ra ro­da­das de con­ver­sa, o que vi­nha se ne­gan­do a fa­zer, ale­gan­do que não da­ria es­pa­ço à “ve­lha po­lí­ti­ca”. Con­tu­do, nem as­sim con­se­guiu da mai­o­ria de­les uma ga­ran­tia de que fe­cha­rão ques­tão pe­la apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

A ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca é al­vo cons­tan­te de crí­ti­cas - e até cha­co­tas - nos cor­re­do­res do Con­gres­so. Par­la­men­ta­res re­cla­mam não ape­nas de não te­rem de­man­das aten­di­das, mas de não se­rem aten­di­dos por te­le­fo­ne, res­pon­di­dos por men­sa­gens, ou de le­va­rem “chá de ca­dei­ra” em reu­niões.

Recuos

Nes­ses qua­se qua­tro me­ses, além da “fal­ta de tra­que­jo” com o Le­gis­la­ti­vo, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro tam­bém co­le­ci­o­nou re­cu­os e po­lê­mi­cas.

Por exem­plo, quan­do man­dou que se co­me­mo­ras­se nos quar­téis o gol­pe de 64. A re­per­cus­são ne­ga­ti­va ta­ma­nha o le­vou, di­as de­pois, a di­zer que não quis di­zer “co­me­mo­rar”, mas sim “re­me­mo­rar”.

Um ou­tro ca­so diz res­pei­to a uma fa­la do pre­si­den­te à emis­so­ra ame­ri­ca­na Fox News, quan­do ele es­te­ve nos Es­ta­dos Uni­dos, em mar­ço. Bol­so­na­ro dis­se que “a mai­o­ria dos imi­gran­tes não têm bo­as in­ten­ções”. Em se­gui­da, ques­ti­o­na­do por jor­na­lis­tas, dis­se ter co­me­ti­do um “equí­vo­co” e pe­diu des­cul­pas.

A trans­fe­rên­cia da em­bai­xa­da bra­si­lei­ra de Is­ra­el pa­ra Je­ru­sa­lém tam­bém é um as­sun­to em sus­pen­so. Na cam­pa­nha, ele ga­ran­tiu a mu­dan­ça, mas após elei­to, diz não ha­ver uma de­ci­são de­fi­ni­ti­va a res­pei­to.

Redes sociais

Gran­des res­pon­sá­veis pe­la elei­ção de Jair Bol­so­na­ro, as re­des so­ci­ais têm se man­ti­do ati­va na vi­da do pre­si­den­te nes­ses 100 pri­mei­ros di­as. E ge­ra­ram incô­mo­dos em ali­a­dos e in­ter­lo­cu­to­res pró­xi­mos no go­ver­no. Não ape­nas posts do pró­prio, mas tam­bém de seus fi­lhos.

O nú­cleo Bol­so­na­ro acostumou-​se a dar opi­niões por meio de seus per­fis. E con­quis­tou mi­lha­res de se­gui­do­res as­sim.

E foi as­sim que o pre­si­den­te ge­rou uma gran­de po­lê­mi­ca ao pos­tar um ví­deo por­no­grá­fi­co no Car­na­val pa­ra cri­ti­car a fes­ta po­pu­lar. A ima­gem ga­nhou o mun­do e ge­rou crí­ti­cas da mí­dia in­ter­na­ci­o­nal e des­con­for­to de ali­a­dos.

O mes­mo ocor­reu com in­di­re­tas de seu fi­lho Car­los Bol­so­na­ro ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), um dos mo­ti­vos pa­ra a saí­da de­le da ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca pe­la re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Após o in­ci­den­te, que ain­da se­guiu com tro­cas de far­pas en­tre o pró­prio Bol­so­na­ro e Maia por meio da im­pren­sa por al­guns di­as, o pre­si­den­te le­van­tou a ban­dei­ra bran­ca. Pes­so­as pró­xi­mas, con­tu­do, ad­mi­tem que não há, no go­ver­no, nin­guém ca­paz de “do­mar” os âni­mos de Jair Bol­so­na­ro, o ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to de 64 anos que che­gou ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to após 27 anos co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,