A in­sis­tên­cia dos in­te­gran­tes do cen­trão - blo­co for­ma­do por DEM, PP, PR, PRB e So­li­da­ri­e­de - em vo­tar a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção do or­ça­men­to im­po­si­ti­vo an­tes da PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia de­ve atra­sar o ca­len­dá­rio da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça da Câ­ma­ra. A apos­ta é que, an­tes do fe­ri­a­do da Pás­coa, as chan­ces de vo­ta­ção são pra­ti­ca­men­te nu­las.

Alex Ferreira/​Agência Câ­ma­ra


Reunião na CCJ em que foi lido o relatório pela constitucionalidade do texto foi marcada por tensão

In­ver­ter a pau­ta de vo­ta­ção no co­le­gi­a­do e avan­çar com a PEC que tor­na im­po­si­ti­va a li­be­ra­ção de emen­das par­la­men­ta­res de ban­ca­das tornou-​se uma exi­gên­cia des­se gru­po nes­sa se­ma­na. Os de­pu­ta­dos des­ses cin­co par­ti­dos ale­gam que há con­sen­so so­bre o as­sun­to, o que não acon­te­ce em tor­no da Pre­vi­dên­cia. “Se não hou­ver a vo­ta­ção do or­ça­men­to im­po­si­ti­vo, va­mos obs­truir a dis­cus­são da re­for­ma”, afir­mou o de­pu­ta­do Pau­li­nho da For­ça (SD-​SP).

Ou­tros par­ti­dos que não in­te­gram o blo­co, in­clu­si­ve, apoi­a­rão o mo­vi­men­to, co­mo o Po­de­mos. “O or­ça­men­to im­po­si­ti­vo per­ten­ce aos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os e quem faz é o Con­gres­so Na­ci­o­nal. Te­mos que mu­dar is­so. Va­mos apoi­ar que se vo­te an­tes da re­for­ma sim”, dis­se o lí­der da le­gen­da, Jo­sé Nel­ton (GO).

Os qua­tro de­pu­ta­dos do PSB que com­põem a CCJ - Da­ni­lo Ca­bral (PE), João Cam­pos (PE), Jú­lio Del­ga­do (MG) e Luiz Flá­vio Go­mes (SP) - tam­bém da­rão quó­rum ao mo­vi­men­to de in­ver­são de pau­ta. “É uma de­man­da de to­do mun­do. Não ve­jo co­mo não vo­tar. Tem to­da a van­ta­gem da ad­mis­si­bi­li­da­de. Se não in­ver­ter a pau­ta, o cen­trão se po­si­ci­o­na con­tra a re­for­ma e o go­ver­no não con­se­gue apro­var”, ava­li­ou Jú­lio Del­ga­do.

Até que se che­gue a um con­sen­so, mui­to tem­po se­rá gas­to com dis­cus­sões, ques­tões de or­dem, re­que­ri­men­tos. Tem­po que po­de­ria ser em­pre­ga­do no iní­cio dos trâ­mi­tes da PEC da re­for­ma. Mais atra­sos.

O pre­si­den­te da co­mis­são, Fe­li­pe Fran­cis­chi­ni (PSL-​PR), já se dis­se con­tra a in­ver­são de pau­ta. Nos bas­ti­do­res, tem si­do con­si­de­ra­do “fra­co” pe­lo go­ver­no, pa­ra quem o de­pu­ta­do em pri­mei­ro man­da­to tem dei­xa­do a opo­si­ção “do­mi­nar os de­ba­tes” e “dar o rit­mo” das dis­cus­sões.

Por ou­tro la­do, Fran­cis­chi­ni se res­sen­te da fal­ta de li­de­ran­ça do go­ver­no na co­mis­são e tem di­to a in­ter­lo­cu­to­res que o do­mí­nio dos em­ba­tes com a opo­si­ção “tem fi­ca­do em su­as cos­tas”.

Passo a passo

Além do em­bró­glio do or­ça­men­to im­po­si­ti­vo, há ain­da ques­tões pro­ce­di­men­tais da pró­pria ses­são da CCJ que atra­van­cam o pra­zo es­ta­be­le­ci­do pa­ra a vo­ta­ção da PEC da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A ideia era in­ci­ar as di­cus­sões na se­gun­da (15) e vo­tar na quar­ta (17), vés­pe­ra do fe­ri­a­do de Pás­coa.

A pró­xi­ma ses­são es­tá con­vo­ca­da pa­ra se­gun­da, às 14h. Na oca­sião, a ex­pec­ta­ti­va é que se in­cie a dis­cus­são do re­la­tó­rio do de­pu­ta­do de­le­ga­do Mar­ce­lo Frei­tas (PSL-​MG), apre­sen­ta­do na úl­ti­ma ter­ça (9).

Confirmando-​se a in­ver­são de pau­ta, não há cer­te­za se a dis­cus­são te­rá mes­mo iní­cio na se­gun­da ou só na ter­ça (16).

Além dis­so, há a quan­ti­da­de de de­pu­ta­dos in­te­res­sa­dos em fa­lar. Até es­ta quin­ta (11), ha­via 80 ins­cri­tos na lis­ta na CCJ. Com os tem­pos de fa­la acor­da­dos em reu­nião na quar­ta (10), o de­ba­te pas­sa de 27h.

Lem­bran­do, ain­da, da Pás­coa e da co­mum di­nâ­mi­ca do Con­gres­so de es­va­zi­a­men­to nas vés­pe­ras de fe­ri­a­dos. A apos­ta é que na quar­ta (17) à tar­de já não ha­ja quó­rum pa­ra de­li­be­ra­ções.

“É uma se­ma­na mui­to cur­ta. Não po­de sa­cri­fi­car os par­la­men­ta­res na se­ma­na do fe­ri­do. É uma se­ma­na de re­fle­xão. O go­ver­no tem que re­fle­tir seus pe­ca­dos”, iro­ni­zou o lí­der Jo­sé Nel­ton (Pode-​GO). “As chan­ces de vo­tar na quar­ta são pró­xi­mas de ze­ro”, ava­li­ou Del­ga­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,