O porta-​voz da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, ge­ne­ral Otá­vio Rê­go Bar­ros, afir­mou ho­je (16) que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro dis­se que “não quer” e “não po­de” in­ter­vir nos pre­ços pra­ti­ca­dos pe­la Pe­tro­bras. A de­cla­ra­ção do pre­si­den­te foi da­da du­ran­te reu­nião com mi­nis­tros pa­ra de­ba­ter co­mo fun­ci­o­na o pro­ces­so de for­ma­ção de pre­ços dos com­bus­tí­veis.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Bolsonaro "ainda estuda medidas" para atender caminhoneiros, diz porta-voz

“Uma fra­se que o nos­so pre­si­den­te dis­se lo­go no iní­cio da reu­nião, ou se­ja: ‘eu não que­ro e não te­nho di­rei­to de in­ter­vir na Pe­tro­bras. Eu não que­ro e não pos­so in­ter­vir na Pe­tro­bras’ ”, re­la­tou o porta-​voz. Se­gun­do ele, Bol­so­na­ro acres­cen­tou que não po­de in­ter­fe­rir nos pre­ços da es­ta­tal por ques­tões le­gais e po­lí­ti­cas.

Na se­ma­na pas­sa­da, a Pe­tro­bras ha­via anun­ci­a­do um re­a­jus­te de 5,74% do no pre­ço do óleo di­e­sel nas re­fi­na­ri­as, mas a me­di­da foi sus­pen­sa. Se­gun­do o go­ver­no, Bol­so­na­ro que­ria en­ten­der as­pec­tos téc­ni­cos da de­ci­são da Pe­tro­bras. Após a de­ci­são de sus­pen­der o re­a­jus­te do di­e­sel, ocor­ri­da na úl­ti­ma sexta-​feira (12), hou­ve que­da das ações da pe­tro­lei­ra na Bol­sa de Va­lo­res de São Pau­lo, que re­gis­tra­ram des­va­lo­ri­za­ção de 8,54%.

Se­gun­do o porta-​voz, o go­ver­no ain­da es­tu­da me­di­das pa­ra aten­der o se­tor do trans­por­te de car­ga, que vai além do im­pac­to do pre­ço do di­e­sel. A lis­ta de de­man­das do se­tor pas­sa por ques­tões co­mo pi­so mí­ni­mo (ta­be­la­men­to do fre­te), pon­tos de pa­ra­da e des­can­so, trans­por­te de car­gas pe­ri­go­sas, fis­ca­li­za­ção do pi­so, in­fra­ções, mar­co re­gu­la­tó­rio do trans­por­te de car­gas, re­no­va­ção e ma­nu­ten­ção da fro­ta, apo­sen­ta­do­ria, co­o­pe­ra­ti­vis­mo, con­di­ções das ro­do­vi­as e se­gu­ran­ça.

Em maio do ano pas­sa­do, a al­ta no pre­ço do di­e­sel le­vou à pa­ra­li­sa­ção da ca­te­go­ria, afe­tan­do a dis­tri­bui­ção de ali­men­tos e ou­tros in­su­mos, o que cau­sou pre­juí­zos a di­ver­sos se­to­res pro­du­ti­vos. Em co­le­ti­va de im­pren­sa ho­je, o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gue­des, re­for­çou que o go­ver­no es­tá com­pro­me­ti­do em não ma­ni­pu­lar pre­ços.

O go­ver­no anun­ci­ou, mais ce­do, um pa­co­te de me­di­das pa­ra aten­der o se­tor de trans­por­te de car­gas do país. Uma de­las é a ofer­ta, pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES), de uma li­nha de cré­di­to es­pe­ci­al pa­ra ca­mi­nho­nei­ros autô­no­mos, no va­lor to­tal de R$ 500 mi­lhões. Os re­cur­sos de­ve­rão ser usa­dos pa­ra aqui­si­ção de pneus e ma­nu­ten­ção dos veí­cu­los. Ou­tra me­di­da anun­ci­a­da pe­lo go­ver­no foi a re­com­po­si­ção de R$ 2 bi­lhões do or­ça­men­to do Mi­nis­té­rio da In­fra­es­tru­tu­ra pa­ra a con­clu­são de obras de pa­vi­men­ta­ção e ma­nu­ten­ção de ro­do­vi­as.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,