As di­fi­cul­da­des do go­ver­no em uni­fi­car sua ba­se de apoio no Con­gres­so o obri­gou a ce­der ao Cen­trão - gru­po for­ma­do por PP, PR, PRB, DEM e So­li­da­ri­e­da­de - e abrir es­pa­ço pa­ra ne­go­ci­ar mu­dan­ças no tex­to da pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O gru­po, nú­cleo mais pró­xi­mo ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), tem da­do as car­tas e de­ci­di­do os ru­mos da PEC. Vi­de o que acon­te­ceu nos úl­ti­mos di­as na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça da Ca­sa.

Lu­cio Ber­nar­do Junior/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Líder do PP negocia com governo alterações no texto da reforma da Previdência

Na tar­de des­ta quarta-​feira (17), após o adi­a­men­to da vo­ta­ção da pro­pos­ta na CCJ pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na, foi con­vo­ca­da uma reu­nião com o se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Pre­vi­dên­cia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, pa­ra tra­tar de al­te­ra­ções no tex­to, sem as quais, já se sa­be que ele não se­rá apro­va­do. En­tre os con­vi­da­dos, destaca-​se a pre­sen­ça do lí­der do PP, Arthur Li­ra (AL). O de­pu­ta­do foi cha­ma­do jus­ta­men­te pa­ra le­var as exi­gên­ci­as do Cen­trão.

Des­de ter­ça (16), em uma ar­ti­cu­la­ção que te­ve iní­cio li­de­ra­da por Ro­dri­go Maia, o Cen­trão ga­ran­tiu vo­tar a fa­vor da Pre­vi­dên­cia na CCJ, con­tan­to que o re­la­tó­rio do De­le­ga­do Mar­ce­lo Frei­tas (PSL-​MG) so­fres­se al­te­ra­ções. O gru­po pe­diu mu­dan­ças em cin­co pon­tos: o fim da mul­ta do FGTS pa­ga a quem já é apo­sen­ta­do no ca­so de de­mis­são; o abo­no sa­la­ri­al; a ques­tão do Fo­ro Na­ci­o­nal do Dis­tri­to Fe­de­ral pa­ra a pro­po­si­tu­ra de ações con­tra a União; a pos­si­bi­li­da­de de se al­te­rar a ida­de má­xi­ma dos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) por meio de pro­je­to de lei com­ple­men­tar; além da des­cons­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção da Pre­vi­dên­cia.

Lo­go após a reu­nião da CCJ des­ta quar­ta, Frei­tas ne­gou que mu­dar seu re­la­tó­rio re­pre­sen­tas­se der­ro­ta ao go­ver­no. “Não en­xer­go, ab­so­lu­ta­men­te, ne­nhu­ma der­ro­ta pa­ra o go­ver­no. Ao con­trá­rio, es­ta­mos ob­ser­van­do um go­ver­no que es­tá dis­pos­to ao diá­lo­go com o par­la­men­to”, dis­se e com­ple­tou: “Con­ti­nu­a­mos a en­ten­der que a pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­lo go­ver­no é ab­so­lu­ta­men­te cons­ti­tu­ci­o­nal, mas va­mos dis­cu­tir com os lí­de­res.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,