O pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co, anun­ci­ou au­men­to de R$ 0,10 por li­tro de di­e­sel nas re­fi­na­ri­as. Se­gun­do ele, a po­lí­ti­ca de pre­ços da es­ta­tal acom­pa­nha­rá a va­ri­a­ção do com­bus­tí­vel no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, mas a pe­ri­o­di­ci­da­de dos re­a­jus­tes não se­rá ime­di­a­ta.

Fer­nan­do Fra­zão­A­gên­cia Bra­sil


O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, fala à imprensa na sede da companhia, no Rio de Janeiro

O va­lor do di­e­sel su­bi­rá dos atu­ais R$ 2,14 pa­ra R$ 2,24, em mé­dia, nos 35 pon­tos de dis­tri­bui­ção no país. Cas­tel­lo Bran­co anun­ci­ou o re­a­jus­te em en­tre­vis­ta à im­pren­sa às 18h50 des­ta quarta-​feira (17), na se­de da com­pa­nhia, no cen­tro do Rio. Ele afir­mou que nem o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro sa­bia com an­te­ce­dên­cia do re­a­jus­te.

“Eu con­fio mui­to no pre­si­den­te Bol­so­na­ro. Não hou­ve in­ter­fe­rên­cia, por mí­ni­ma que se­ja. Não so­fri in­ter­fe­rên­cia ne­nhu­ma, ze­ro”, ga­ran­tiu Cas­tel­lo Bran­co. Ele rei­te­rou não ter ha­vi­do qual­quer in­ge­rên­cia do Exe­cu­ti­vo no adi­a­men­to do re­a­jus­te do di­e­sel, que che­gou a ser anun­ci­a­do na se­ma­na pas­sa­da, mas de­pois a com­pa­nhia adi­ou o au­men­to.

“O pre­si­den­te Bol­so­na­ro não pe­diu na­da. Ape­nas me aler­tou so­bre os ris­cos que re­pre­sen­ta­va uma gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros. Fiz uma reu­nião com os di­re­to­res pa­ra sus­pen­der o re­a­jus­te de pre­ços pa­ra uma re­a­va­li­a­ção. To­dos nós so­fre­mos com a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros. Fui fa­vo­rá­vel a sus­tar o re­a­jus­te dos pre­ços”, con­tou o pre­si­den­te da es­ta­tal.

Cas­tel­lo Bran­co dis­se que o re­a­jus­te em R$ 0,10 nas re­fi­na­ri­as não sig­ni­fi­ca que o va­lor se­rá au­to­ma­ti­ca­men­te acres­ci­do nas bom­bas, pois o pre­ço do di­e­sel ven­di­do pe­la Pe­tro­bras re­pre­sen­ta ape­nas 54% do va­lor fi­nal do pro­du­to, ao qual é acres­ci­do mar­gens de lu­cro das dis­tri­bui­do­ras, das re­ven­das, dos im­pos­tos e da mão-​de-​obra.

“A ex­pec­ta­ti­va é que a va­ri­a­ção na bom­ba se­ja me­nor que R$ 0,10”, dis­se ele, que con­si­de­rou bai­xo o ris­co de ha­ver uma gre­ve de ca­mi­nho­nei­ros no país: “Não exis­te eli­mi­na­ção de ris­co [de gre­ve]. Sem­pre exis­te o ris­co. Acho que o ris­co de uma gre­ve é bai­xo”.

Periodicidade

Cas­tel­lo Bran­co dis­se que a pe­ri­o­di­ci­da­de dos re­a­jus­tes nos pre­ços do di­e­sel, pa­ra ci­ma ou pa­ra bai­xo, em mé­dia a ca­da 15 di­as, não se­rá al­te­ra­da e que po­de ser até mes­mo su­pe­ri­or, sen­do que o úl­ti­mo re­a­jus­te ocor­reu há 24 di­as.

“A pe­ri­o­di­ci­da­de es­tá man­ti­da. Por exem­plo, ago­ra nós le­va­mos 24 di­as do úl­ti­mo re­a­jus­te. Nós não va­mos fa­zer re­a­jus­tes diá­ri­os, eu sou con­trá­rio a es­sa po­lí­ti­ca.” O pre­si­den­te da es­ta­tal dis­se que o mai­or in­te­res­sa­do em que a Pe­tro­bras te­nha bons re­sul­ta­dos é a pró­pria so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, per­mi­tin­do que o go­ver­no te­nha re­cur­sos pa­ra in­ves­tir nas áre­as so­ci­ais.

“Eu sou re­pre­sen­tan­te dos in­te­res­ses dos aci­o­nis­tas. E quem é o mai­or aci­o­nis­ta? É a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Qual a mi­nha obri­ga­ção? Pro­du­zir e ge­rar va­lor pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Ge­ran­do va­lor, vai pro­por­ci­o­nar ao go­ver­no bra­si­lei­ro re­cur­sos pa­ra fa­zer in­ves­ti­men­tos na área so­ci­al, pa­ra in­ves­tir em saú­de, edu­ca­ção, se­gu­ran­ça pú­bli­ca. É es­te o meu in­te­res­se. Eu não vou pri­vi­le­gi­ar um gru­po ou ou­tro, pre­pa­ran­do um sub­sí­dio pa­ra um, pre­pa­ran­do um sub­sí­dio pa­ra ou­tro. Por­que aí é que acon­te­cem os pro­ble­mas. Lembrem-​se de 2011 a 2014. Re­sul­tou em per­da de US$ 40 bi­lhões, que im­pac­tou em to­dos nós bra­si­lei­ros e na fa­lên­cia de mais de uma cen­te­na de usi­nas de eta­nol”.

Modelo de governança

O di­re­tor Fi­nan­cei­ro e de Re­la­ções com In­ves­ti­do­res da Pe­tro­bras, Ra­fa­el Gri­so­lia, dis­se ho­je (17), na ca­pi­tal pau­lis­ta, que o mo­de­lo de go­ver­nan­ça ado­ta­do nas es­ta­tais é uma ga­ran­tia de não in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca nas em­pre­sas pú­bli­cas.

“Exis­te lei fe­de­ral que, in­clu­si­ve, dá re­gras mui­to cla­ras de quem po­de ser, ou não, ad­mi­nis­tra­dor da em­pre­sa. E uma mu­dan­ça fun­da­men­tal é que não tem mem­bros do go­ver­no no con­se­lho da com­pa­nhia. Ho­je o con­se­lho tem uma in­de­pen­dên­cia gran­de, pes­so­as que vêm do mer­ca­do”, afir­mou, referindo-​se à Lei das Es­ta­tais, de 2016. Ele des­ta­cou os an­sei­os de go­ver­nos de­vem se tra­du­zir com a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de no Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa.

“As de­ci­sões são den­tro da di­re­to­ria, den­tro do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção. Não tem co­mo ne­nhum en­te do go­ver­no, o pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, co­mo re­pre­sen­tan­te do po­vo bra­si­lei­ro, tem to­do di­re­to de per­gun­tar al­gu­ma coi­sa, mas não tem co­mo de­li­be­rar le­gal­men­te, for­mal­men­te e de fa­to is­so não acon­te­ce”, de­cla­rou ao par­ti­ci­par do 5° Fó­rum Anu­al de Cor­po­ra­tes Bra­sil, pro­mo­vi­do pe­la Fit­ch Ra­tings, na ca­pi­tal pau­lis­ta.

O fó­rum tam­bém con­tou com a par­ti­ci­pa­ção do di­re­tor pre­si­den­te da Ele­tro­bras, Wil­son Fer­rei­ra Jú­ni­or, que re­a­fir­mou que o mo­de­lo de pri­va­ti­za­ção da com­pa­nhia de­ve ser anun­ci­a­do em ju­nho des­te ano. A em­pre­sa va­le, atu­al­men­te, R$ 50 bi­lhões na Bol­sa de Va­lo­res de São Pau­lo, con­for­me o di­re­tor.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,