Um ví­deo com­par­ti­lha­do pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em seu ca­nal no You­tu­be, ao lon­go de to­do es­se do­min­go (22), au­men­tou a ten­são na dis­pu­ta por es­pa­ço den­tro de seu go­ver­no en­tre os apoi­a­do­res do es­cri­tor Ola­vo de Car­va­lho e os mi­li­ta­res. Na gra­va­ção com­par­ti­lha­da pe­lo pre­si­den­te, Ola­vo diz que os “mi­li­cos” só fi­ze­ram “ca­ga­da” nas úl­ti­mas dé­ca­das e que “en­tre­ga­ram o país ao co­mu­nis­mo”. A pu­bli­ca­ção só foi apa­ga­da on­tem à noi­te.

Reprodução/​Twitter/​Eduardo Bol­so­na­ro


Em março Olavo chamou Mourão de “um cara idiota”. O vice respondeu, ao ser questionado sobre a declaração por jornalistas, mandando um “beijinho” para o polêmico influenciador intelectual dos filhos de Bolsonaro

A ex­clu­são do ma­te­ri­al coin­ci­diu com um post fei­to qua­se no mes­mo ho­rá­rio pe­lo ve­re­a­dor ca­ri­o­ca Car­los Bol­so­na­ro (PSC), fi­lho do pre­si­den­te, no Twit­ter. “Co­me­ço uma no­va fa­se em mi­nha vi­da. Lon­ge de to­dos que de per­to na­da fa­zem a não ser pa­ra si mes­mos. O que me im­por­tou ja­mais foi o po­der. Quem sou eu nes­te mon­te de gen­te es­tre­la­da?”, es­cre­veu Car­los, tam­bém on­tem à noi­te, em men­sa­gem que su­ge­re seu afas­ta­men­to do con­tro­le das re­des so­ci­ais do pai e a sua par­ti­ci­pa­ção no com­par­ti­lha­men­to do ví­deo.

Na gra­va­ção, Ola­vo con­tes­ta o prin­ci­pal ar­gu­men­to uti­li­za­do pe­los mi­li­ta­res pa­ra jus­ti­fi­car a to­ma­da do po­der em 1964, com a des­ti­tui­ção do en­tão pre­si­den­te João Gou­lart. “Es­se pes­so­al su­biu ao po­der em 1964, des­truiu os po­lí­ti­cos de di­rei­ta e so­brou o quê? Os co­mu­nis­tas, que to­ma­ram o po­der. Eles di­zem: ‘Li­vra­mos o país dos co­mu­nis­tas’. Não, eles en­tre­ga­ram o país ao co­mu­nis­mo”, diz o es­cri­tor em tre­cho do ví­deo.

“Se ti­ves­sem ver­go­nha na ca­ra, con­fes­sa­ri­am seu er­ro, mas é só vai­da­de pes­so­al, vai­da­de gru­pal e vai­da­de eso­té­ri­ca. Os mi­li­cos têm que co­me­çar a con­fes­sar os seus er­ros”, afir­ma. “Es­sa é a lei de Cris­to. Pri­mei­ro, os seus pe­ca­dos. De­pois, os dos ou­tros. Cri­a­ram o PT e não têm co­ra­gem de con­fes­sar.”

Ola­vo tam­bém su­ge­re que o in­te­res­se dos mi­li­ta­res não é pa­trió­ti­co. “To­dos que­rem en­trar na eli­te, não der­ru­bar a eli­te. Tu­do o que que­rem é fi­car em Bra­sí­lia, bri­lhar e em­bol­sar o di­nhei­ro do go­ver­no.”

No iní­cio do mês, Bol­so­na­ro dis­se em ca­fé da ma­nhã com jor­na­lis­tas que era res­pon­sá­vel por tu­do o que en­tra­va em su­as re­des so­ci­ais, mes­mo que não ti­ves­se si­do o au­tor da pu­bli­ca­ção, já que ape­nas pes­so­as de sua “to­tal con­fi­an­ça” têm aces­so às res­pec­ti­vas se­nhas.

Car­los, que sem­pre apon­tou Ola­vo de Car­va­lho, co­mo seu prin­ci­pal men­tor in­te­lec­tu­al, é vis­to co­mo de­sa­fe­to do vice-​presidente Ha­mil­ton Mou­rão, que tem si­do ata­ca­do pe­lo es­cri­tor gaú­cho ra­di­ca­do nos Es­ta­dos Uni­dos. Na se­ma­na pas­sa­da, após en­con­tro com Ola­vo, o vice-​líder do go­ver­no no Con­gres­so Pas­tor Mar­co Fe­li­ci­a­no (Podemos-​SP), en­trou com pe­di­do de im­pe­a­ch­ment con­tra o vice-​presidente. Fe­li­ci­a­no acu­sa Mou­rão de des­le­al­da­de e de “cons­pi­rar” con­tra Bol­so­na­ro. Ele ci­ta, en­tre su­as jus­ti­fi­ca­ti­vas, o fa­to de o vi­ce ter cur­ti­do um co­men­tá­rio crí­ti­co fei­to pe­la jor­na­lis­ta Ra­chel Shehe­ra­za­de ao pre­si­den­te.

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção é o prin­ci­pal fo­co de atri­to en­tre os cha­ma­dos ola­va­tes, se­gui­do­res do es­cri­tor, e o nú­cleo mi­li­tar. In­di­ca­do por Ola­vo pa­ra o car­go, Ri­car­do Vé­lez Ro­drí­guez dei­xou a pas­ta no iní­cio do mês após cer­ca de três me­ses de pa­ra­li­sia ge­ren­ci­al e tro­cas cons­tan­tes em car­gos im­por­tan­tes do mi­nis­té­rio.

O seu subs­ti­tu­to, o eco­no­mis­ta Abraham Wein­traub, tam­bém é adep­to das idei­as do po­le­mis­ta gaú­cho e tem tra­zi­do de vol­ta ao go­ver­no ou­tros no­mes li­ga­dos a Ola­vo de Car­va­lho. Ou­tro mi­nis­tro que che­gou ao car­go sob as bên­çãos de­le é o ti­tu­lar das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Er­nes­to Araú­jo. Bol­so­na­ro, Er­nes­to e o de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-​SP), fi­lho do pre­si­den­te, ofe­re­ce­ram um jan­tar em ho­me­na­gem a Ola­vo du­ran­te a pas­sa­gem da co­mi­ti­va pre­si­den­ci­al pe­los Es­ta­dos Uni­dos em mar­ço.

No mes­mo mês o es­cri­tor cha­mou Mou­rão de “um ca­ra idi­o­ta”. O vice-​presidente res­pon­deu, ao ser ques­ti­o­na­do so­bre a de­cla­ra­ção por jor­na­lis­tas, man­dan­do um “bei­ji­nho” pa­ra o po­lê­mi­co in­flu­en­ci­a­dor in­te­lec­tu­al dos fi­lhos de Bol­so­na­ro.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,