O re­pre­sen­tan­te dos ca­mi­nho­nei­ros Wan­der­lei Al­vez, o De­de­co, não pou­pa crí­ti­cas à for­ma co­mo o go­ver­no tem con­du­zi­do as ne­go­ci­a­ções com a clas­se e aos anún­ci­os de be­ne­fí­ci­os fei­tos na úl­ti­ma se­ma­na, es­pe­ci­al­men­te após o au­men­to no óleo di­e­sel. Foi seu gru­po que con­vo­cou uma gre­ve da ca­te­go­ria pa­ra o pró­xi­mo dia 29. Eles se res­sen­tem de não se­rem re­ce­bi­dos pa­ra as con­ver­sas que o Pa­lá­cio do Pla­nal­to tem con­du­zi­do jun­to à “ala mo­de­ra­da”, em opo­si­ção a eles, cha­ma­dos de “ra­di­cais”. Mas De­de­co ga­ran­te que, en­quan­to is­so, ele tem re­ce­bi­do ca­da vez mais apoio pa­ra a pa­ra­li­sa­ção.

EBC


Promessa é de greve em 29 de abril

“Re­ce­bi li­ga­ções da ci­da­de de um de­les que tem ido lá con­ver­sar com o go­ver­no di­zen­do pra eu to­car o bar­co, que es­tão co­mi­go. Os es­ta­dos do Nor­te, do Nor­des­te tam­bém di­zem que vão pa­rar. O go­ver­no re­ce­be a ala que eles cha­mam de mo­de­ra­da no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, e o mo­vi­men­to que eu re­pre­sen­to só cres­ce. Es­tá mo­lhan­do a le­nha se­ca na ga­so­li­na e jo­gan­do na fo­guei­ra”, afir­mou o ca­mi­nho­nei­ro de Cu­ri­ti­ba que foi, ao la­do de vá­ri­os apoi­a­do­res, um dos mo­bi­li­za­do­res da pa­ra­li­sa­ção do ano pas­sa­do.

De­de­co, co­mo é co­nhe­ci­do, re­co­nhe­ce a di­fi­cul­da­de de uni­fi­car a ca­te­go­ria em uma li­de­ran­ça. Mas te­ce crí­ti­cas tam­bém às atu­ais vo­zes que têm se di­to lí­de­res da clas­se. “É tu­do um jo­go po­lí­ti­co. Eles vão lá pa­ra de­fen­der um in­te­res­se es­pe­cí­fi­co. Acho que um re­pre­sen­tan­te tem que de­fen­der to­da a ca­te­go­ria. Não in­te­res­sa se tra­ba­lha com tan­que, baú, car­ga se­ca, ca­da um pu­xan­do o seu trans­por­te”.

Pa­ra ele, se­ria ne­ces­sá­rio que ca­da es­ta­do ti­ves­se um co­man­do, que fa­las­se das de­man­das lo­cais. “Mas sem en­trar nes­sa coi­sa de co­o­pe­ra­ti­va, de re­ce­ber au­xí­lio do go­ver­no. Por­que ai vi­ra um jo­go de in­te­res­ses. Vo­cê vai ba­ter em Bra­sí­lia pa­ra pe­dir fa­vor. Não ele­gi nin­guém pa­ra ba­ter na por­ta e pe­dir fa­vor, mas sim pa­ra exi­gir di­rei­tos”, de­sa­ba­fa.

O re­pre­sen­tan­te da clas­se con­ta que ti­nha con­ver­sas re­cor­ren­tes com o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, na épo­ca que ele de­pu­ta­do fe­de­ral, mas foi re­cen­te­men­te blo­que­a­do no Waht­sApp por ele, após cri­ti­car as me­di­das anun­ci­a­das pe­lo Pla­nal­to. Pro­cu­ra­do via as­ses­so­ria de im­pren­sa, o mi­nis­tro pre­fe­riu não se pro­nun­ci­ar a res­pei­to.

Em de­cor­rên­cia des­se dis­tan­ci­a­men­to, De­de­co de­ci­diu ba­ti­zar a pa­ra­li­sa­ção do pró­xi­mo dia 29 de “Lo­ren­zo­ni”.

Ape­sar de, con­for­me o ca­mi­nho­nei­ro, Onyx não respondê-​lo mais, o atu­al mi­nis­tro men­ci­o­nou De­de­co em um dis­cur­so no ple­ná­rio da Câ­ma­ra, em agos­to de 2017, no iní­cio da cam­pa­nha elei­to­ral. “O mo­vi­men­to que atin­ge se­te es­ta­dos é le­gí­ti­mo. Bus­ca mos­trar ao go­ver­no que não é pos­sí­vel con­ti­nu­ar jo­gan­do a con­ta pa­ra o ci­da­dão e a ci­da­dã bra­si­lei­ra, pa­ra o tra­ba­lha­dor e tra­ba­lha­do­ra pa­ga­rem. Ofe­re­ço to­da a mi­nha so­li­da­ri­e­da­de ao mo­vi­men­to dos ca­mi­nho­nei­ros bra­si­lei­ros. Que­ro man­dar um abra­ço es­pe­ci­al ao Wan­der­lei De­de­co, um dos lí­de­res do mo­vi­men­to, lem­bran­do que a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos es­tá so­li­dá­ria nes­te mo­men­to”.

Acordos

Na quar­ta (17), Onyx anun­ci­ou, em co­le­ti­va à im­pren­sa, a aber­tu­ra de uma li­nha de cré­di­to no va­lor de R$ 500 mi­lhões pa­ra ca­mi­nho­nei­ros autô­no­mos man­te­rem seus veí­cu­los. A me­di­da é par­te dos acor­dos de­li­ne­a­dos com as li­de­ran­ças com as quais o Pla­nal­to tem con­ver­sa­do. Em se­gui­da, o mi­nis­tro da In­fra­es­tru­tu­ra, Tar­cí­sio Go­mes de Frei­tas, dis­se que se­rão em­pre­ga­dos R$ 2 bi­lhões no tér­mi­no de obras e ma­nu­ten­ção de ro­do­vi­as.

“Es­ses R$ 30 mil que eles li­be­ra­ram por ca­mi­nho­nei­ro até que é uma boa me­di­da. Mas ve­ja bem… A mai­or par­te da ca­te­go­ria es­tá com o no­me no Se­ra­sa. Vai ter con­di­ções de pe­gar o cré­di­to? E pe­gar até al­guns con­se­guem. Mas eu mes­mo não ia con­se­guir pa­gar”, pon­de­rou De­de­co que com­ple­tou: “Obra em ro­do­via? Is­so é obri­ga­ção do go­ver­no. Co­lo­car is­so em pa­co­te de be­ne­fí­cio pra di­zer que con­quis­tou um ta­pa bu­ra­cos é um ab­sur­do. Com R$ 2 bi­lhões não ter­mi­na nem a du­pli­ca­ção da R$ 381, que é uma das mais pe­ri­go­sas do país.”

Pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na, o go­ver­no cha­mou uma no­va ro­da­da de con­ver­sas com a clas­se. Se­gun­da, Tar­cí­sio e a mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, Te­re­za Cris­ti­na, re­ce­bem re­pre­sen­tan­tes. Na ava­li­a­ção de De­de­co, os pon­tos ne­go­ci­a­dos, po­rém, es­tão er­ra­dos. “As gran­des ques­tões são o ta­be­la­men­to do fre­te e o pre­ço do com­bus­tí­vel”.

Ele con­ta ter abas­te­ci­do no mes­mo pos­to em 14 de abril e nes­te sá­ba­do (20) já com o re­a­jus­te anun­ci­a­do no pre­ço do óleo di­e­sel de R$ 0,10. “O va­lor do fre­te não mu­da, o pi­so mí­ni­mo não en­tra em vi­gor, por­que tem in­te­res­ses em­pre­sa­ri­ais e da agri­cul­tu­ra que não dei­xam, a ala di­ta mo­de­ra­da vem em­pur­ran­do as ne­go­ci­a­ções e não re­sol­ve na­da”, de­sa­ba­fou.

Com 90 gru­pos no What­sApp, ca­da um com mais de 150 in­te­gran­tes, ca­da um de­les com ou­tros gru­pos tam­bém por trás, De­de­co acre­di­ta que, se na­da mu­dar na pró­xi­ma se­ma­na na for­ma co­mo o go­ver­no tra­tar de fa­to os ca­mi­nho­nei­ros autô­no­mos, o país vol­ta­rá a pa­rar no fim de abril.
“To­do dia ama­nhe­ce­mos, abri­mos gru­pos, e ve­mos uma no­va no­tí­cia de ne­go­ci­a­ções do go­ver­no com li­de­ran­ças que não so­mos nós, os re­ais ca­mi­nho­nei­ros. Pa­re­ce que é de pro­pó­si­to, cu­tu­can­do”, en­cer­rou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,