O lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra, Ma­jor Vi­tor Hu­go (PSL-​GO), ga­ran­tiu ter uma es­tra­té­gia de atu­a­ção, in­clu­si­ve re­pas­sa­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, a quem se re­fe­riu em sua con­ta no Twit­ter co­mo “01”. Mas em pos­ta­gens na re­de so­ci­al nes­te sá­ba­do (20), ad­mi­tiu que o go­ver­no não con­ta com uma ba­se con­so­li­da­da no Con­gres­so. “As elei­ções fo­ram atí­pi­cas. Não hou­ve lo­te­a­men­to de mi­nis­té­ri­os, acer­ta­da­men­te. Dis­so tu­do, não re­sul­tou uma ba­se. Ela sim­ples­men­te não exis­te. É a re­a­li­da­de”.

Pa­blo Valadares/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Líder do governo vai ao Twitter, diz que tem estratégia, mas admite que governo não tem base

O de­pu­ta­do, al­vo de inú­me­ras crí­ti­cas e até mes­mo pi­a­das in­ter­nas não ape­nas por co­le­gas do pró­prio par­ti­do, PSL, mas por de­mais par­la­men­ta­res, dis­se re­ce­ber ori­en­ta­ções di­re­tas de Bol­so­na­ro. “Não pos­so fa­lar tu­do, cla­ro, pa­ra não abrir to­da a es­tra­té­gia e per­der a efei­ti­vi­da­de das ações”, des­ta­cou ao se com­pro­me­ter a usar mais o ca­nal pa­ra ex­pli­car o con­tex­to das ati­tu­des que tem to­ma­do.

Na úl­ti­ma se­ma­na, o go­ver­no so­freu du­as du­ras der­ro­tas na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Câ­ma­ra ao ten­tar vo­tar a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

A pri­mei­ra, na se­gun­da (15), quan­do não con­se­guiu se­quer bar­rar a lei­tu­ra da ata da reu­nião an­te­ri­or da reu­nião e, sem ce­der a um acor­do - o que o pró­prio Vi­tor Hu­go afir­mou que não quis fa­zer -, per­deu a tar­de in­tei­ra em um de­ba­te já se sa­ben­do der­ro­ta­do pa­ra ter, no fim da noi­te, con­fir­ma­da uma in­ver­são de pau­ta que re­sul­tou na apro­va­ção da PEC do or­ça­men­to im­po­si­ti­vo. Já na quar­ta (17), viu mais uma vez adi­a­da a vo­ta­ção da Pre­vi­dên­cia - a pre­vi­são é que ela se­ja vo­ta­da na ter­ça (23).

“A res­pon­sa­bi­li­da­de de cri­a­ção des­sa ba­se é com­par­ti­lha­da com vá­ri­os ato­res”, afir­mou Ma­jor Vi­tor Hu­go ain­da no Twit­ter, des­ta­can­do a Ca­sa Ci­vil e a Se­cre­ta­ria do Go­ver­no, mas sem dei­xar de la­do seu par­ti­do, o PSL, que men­ci­o­nou co­mo “pe­dra an­gu­lar” nes­sa for­ma­ção. Por fim, o lí­der go­ver­nis­ta pe­diu “con­fi­an­ça” e des­ta­cou par­te de sua tra­je­tó­ria.

Mais ce­do, o Con­gres­so em Fo­co con­ver­sou com o lí­der do PSL na Câ­ma­ra, De­le­ga­do Wal­dir (PSL-​GO), que de­mons­trou cha­te­a­ção com as co­bran­ças do go­ver­no em res­pon­sa­bi­li­zar o PSL pe­la for­ma­ção da ba­se.

“Eu não sou res­pon­sá­vel por for­mar ba­se. Ai é com Onyx [Lo­ren­zo­ni, mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil], os lí­de­res do go­ver­no, o pre­si­den­te [Jair Bol­so­na­ro]. Te­mos que co­lo­car os pin­gos nos ‘is’, co­lo­car a iden­ti­da­de no pai da cri­an­ça. É a pri­mei­ra vez, em 30 anos, que ou­ço que um go­ver­no não tem ba­se. Es­ta­mos sen­do res­pon­sa­bi­li­za­dos por al­go de que não te­mos cul­pa, e te­mos fei­to mais do que de­ve­mos pa­ra aju­dar o go­ver­no”, de­sa­ba­fou o lí­der do PSL.

De­le­ga­do Wal­dir des­ta­cou a de­ci­são do pre­si­den­te da le­gen­da, Lu­ci­a­no Bi­var, de apoi­ar a re­e­lei­ção do de­pu­ta­do Ro­dri­go Maia à Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra e con­clui: “Se não ti­vés­se­mos fei­to is­so lá atrás, se­ría­mos mais es­cra­vos do que es­ta­mos sen­do”.

Se­gun­do ele, hou­ve co­bran­ças do go­ver­no pra que a le­gen­da fe­chas­se ques­tão em tor­no da PEC da Pre­vi­dên­cia. “As­sim fi­ze­mos”. Fa­lou tam­bém das di­fi­cul­da­des de en­con­trar um de­pu­ta­do dis­pos­to a re­la­tar a pro­pos­ta na CCJ. “Nin­guém que­ria. Fo­mos e ar­ru­ma­mos um de­pu­ta­do”. “O que mais as pes­so­as que­rem que fa­ça­mos? Me dê uma ba­se que eu aju­do o go­ver­no”, fi­na­li­zou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,