As ne­go­ci­a­ções do go­ver­no com lí­de­res do Cen­trão - PP, PR, PRB, DEM e So­li­da­ri­e­da­de - em tor­no de um no­vo tex­to pa­ra a pro­pos­ta de emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia têm dei­xa­do cla­ro quem “dá as car­tas” e qual se­rá o mo­de­lo pre­vi­den­ciá­rio que sai­rá do ple­ná­rio da Câ­ma­ra, após to­das as fa­ses da tra­mi­ta­ção por lá. É a opi­nião do lí­der do PSL na Ca­sa, par­ti­do do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, De­le­ga­do Wal­dir (GO). “A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia se­rá apro­va­da do jei­to que o Ro­dri­go Maia e o Cen­trão qui­se­rem. São eles que dão as car­tas ago­ra”, ava­li­ou o de­pu­ta­do na tar­de des­te sá­ba­do (20) ao Con­gres­so em Fo­co.

Cleia Viana/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Líder do PSL, Delegado Waldir, defende negociações do governo com o Centrão em torno da reforma da Previdência para garantir aprovação da proposta

Des­de quar­ta (17), o se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Pre­vi­dên­cia, Ro­gé­rio Ma­ri­nho, con­ver­sa com lí­de­res do Cen­trão pa­ra che­gar a um acor­do so­bre o tex­to que de­ve ser apro­va­do na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) - a ses­são foi con­vo­ca­da pa­ra a pró­xi­ma quar­ta (23), às 14h30. Até o mo­men­to, há en­ten­di­men­to so­bre a re­ti­ra­da de três pon­tos: mu­dan­ças nas re­gras de pa­ga­men­to do Fun­do de Ga­ran­tia por Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS), o fo­ro pa­ra jul­ga­men­to de ações con­tra a União, e o que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo PEC da Ben­ga­la, que é for­ma de de­fi­nir a apo­sen­ta­do­ria com­pul­só­ria de ser­vi­do­res pú­bli­cos.

Pa­ra o lí­der do PSL, as con­ces­sões no tex­to da PEC já de­ve­ri­am ter si­do im­ple­men­ta­das an­tes. “Ou acei­ta­mos as al­te­ra­ções do cen­tro, ou so­mos der­ro­ta­dos na CCJ. O go­ver­no de­mo­rou a per­ce­ber is­so”.

Na­da do que sai­rá da pro­pos­ta no co­le­gi­a­do de­ve ge­rar im­pac­to na eco­no­mia es­pe­ra­da com a re­for­ma, de R$ 1,1 tri­lhão e, con­for­me dis­se Ma­ri­nho não mu­da a “es­pi­nha dor­sal” da PEC. Na se­gun­da, po­rém, ha­ve­rá mais con­ver­sas. Is­so por­que o se­cre­tá­rio pro­me­teu apre­sen­tar itens de des­cons­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção que po­dem ser ve­ta­dos do tex­to ain­da na co­mis­são de Jus­ti­ça. Ao to­do, a PEC traz 61 de­les.

Pa­ra a co­mis­são es­pe­ci­al, pas­so se­guin­te à co­mis­são de Jus­ti­ça, mais al­te­ra­ções já es­tão na lis­ta do Cen­trão, co­mo a re­ti­ra­da do tex­to das al­te­ra­ções su­ge­ri­das na apo­sen­ta­do­ria ru­ral e no Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da (BPC). “O cen­tro tem cer­ca de 320 par­la­men­ta­res e já si­na­li­zou con­tra es­ses pon­tos. Eu não vou acei­tar is­so? O Par­la­men­to é fei­to de diá­lo­go. Se es­se diá­lo­go não avan­çar, o go­ver­no se­rá der­ro­ta­do, com cer­te­za. Se não con­ver­gir com o cen­tro, não pas­sa a re­for­ma”, des­ta­cou Wal­dir.

Ressentimentos

O re­la­tó­rio do de­pu­ta­do Mar­ce­lo Frei­tas (PSL-​MG), apre­sen­ta­do no dia 9 de abril na CCJ, foi pe­la cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de ple­na da PEC en­vi­a­da pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so em 20 de fe­ve­rei­ro. Há dois me­ses tra­mi­tan­do na Ca­sa, a pro­pos­ta tem en­fren­ta­do di­fi­cul­da­des até mes­mo en­tre ali­a­dos. Do Pla­nal­to, sa­em crí­ti­cas pa­ra to­dos os la­dos. Já se res­pon­sa­bi­li­zou Maia e o pre­si­den­te da CCJ, Fe­li­pe Fran­cis­chi­ni. E so­bra in­clu­si­ve pa­ra a ba­se do PSL.

“Eu não sou res­pon­sá­vel por for­mar ba­se. Ai é com Onyx [Lo­ren­zo­ni, mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil], os lí­de­res do go­ver­no, o pre­si­den­te [Jair Bol­so­na­ro]. Te­mos que co­lo­car os pin­gos nos ‘is’, co­lo­car a iden­ti­da­de no pai da cri­an­ça. É a pri­mei­ra vez, em 30 anos, que ou­ço que um go­ver­no não tem ba­se. Es­ta­mos sen­do res­pon­sa­bi­li­za­dos por al­go de que não te­mos cul­pa, e te­mos fei­to mais do que de­ve­mos pa­ra aju­dar o go­ver­no”, de­sa­ba­fou o lí­der do PSL.

De­le­ga­do Wal­dir des­ta­ca a de­ci­são do pre­si­den­te da le­gen­da, Lu­ci­a­no Bi­var, de apoi­ar a re­e­lei­ção do de­pu­ta­do Ro­dri­go Maia à Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra e con­clui: “Se não ti­vés­se­mos fei­to is­so lá atrás, se­ría­mos mais es­cra­vos do que es­ta­mos sen­do”.

Se­gun­do ele, hou­ve co­bran­ças do go­ver­no pra que a le­gen­da fe­chas­se ques­tão em tor­no da PEC da Pre­vi­dên­cia. “As­sim fi­ze­mos”. Fa­lou tam­bém das di­fi­cul­da­des de en­con­trar um de­pu­ta­do dis­pos­to a re­la­tar a pro­pos­ta na CCJ. “Nin­guém que­ria. Fo­mos e ar­ru­ma­mos um de­pu­ta­do”. “O que mais as pes­so­as que­rem que fa­ça­mos? Me dê uma ba­se que eu aju­do o go­ver­no”, fi­na­li­zou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,