O se­na­dor Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-​AL) co­me­mo­rou on­tem, por meio do Twit­ter, o ar­qui­va­men­to mais um inqué­ri­to que ha­via si­do aber­to con­tra ele no âm­bi­to da ope­ra­ção La­va Ja­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). O re­la­tor da La­va Ja­to no Su­pre­mo, mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, ar­qui­vou uma in­ves­ti­ga­ção con­tra ele e o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), por su­pos­to re­ce­bi­men­to de va­lo­res pa­ra apro­var me­di­das pro­vi­só­ri­as.

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Senador Renan Calheiros durante sessão de votação para escolha do novo presidente do Senado

Re­nan usou a men­sa­gem pa­ra ata­car o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da La­va Ja­to no Pa­ra­ná, e o ex-​procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not, que for­mu­lou a mai­o­ria das de­nún­ci­as da PGR con­tra de­ten­to­res de fo­ro pri­vi­le­gi­a­do. O ex-​presidente do Se­na­do já te­ve vá­ri­os inqué­ri­tos ar­qui­va­dos, ain­da res­pon­de a ou­tros, mas até o mo­men­to não tornou-​se réu no Su­pre­mo no âm­bi­to da La­va Ja­to “Acu­sa­ções ab­sur­das que es­tão sen­do cor­ri­gi­das. Es­tá ca­da vez mais evi­den­te que as in­ves­ti­ga­ções fo­ram fru­to de per­se­gui­ção de Ja­not e do pro­cu­ra­dor do power point, Del­lag­nol (sic)”, es­cre­veu o se­na­dor.

O ar­qui­va­men­to des­ta in­ves­ti­ga­ção foi pe­di­do pe­la atu­al PGR, Ra­quel Dod­ge, que não viu in­dí­ci­os que sus­ten­tas­sem a con­ti­nui­da­de das apurações.A sus­pei­ta, sur­gi­da na de­la­ção da Ode­bre­cht, era de que ele e Maia te­ri­am re­ce­bi­do R$ 7 mi­lhões da em­prei­tei­ra pa­ra apro­var, em 2013, que tra­tou de be­ne­fí­ci­os fis­cais ao eta­nol e à in­dús­tria quí­mi­ca.

Re­nan che­gou a ser de­nun­ci­a­do pe­la PGR, em 2016, jun­to com o ex-​deputado Aní­bal Go­mes (MDB-​CE), por su­pos­tos re­ce­bi­men­tos da em­prei­tei­ra Ser­veng, que ti­nha con­tra­tos com a di­re­to­ria de Abas­te­ci­men­to da Pe­tro­bras. A de­nún­cia, no en­tan­to, foi re­jei­ta­da pe­la Su­pre­ma Cor­te.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,