O mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), sus­pen­deu por meio de li­mi­nar (de­ci­são pro­vi­só­ria) o tre­cho da re­for­ma tra­ba­lhis­ta que abria a pos­si­bi­li­da­de de ges­tan­tes tra­ba­lha­rem em ati­vi­da­des in­sa­lu­bres.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


O ministro do STF Alexandre de Moraes suspendeu com liminar trecho da reforma trabalhista que abria a possibilidade de gestantes trabalharem em atividades insalubres

Pe­lo ar­ti­go 379-​A da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT), cu­ja re­da­ção foi da­da pe­la re­for­ma apro­va­da em 2017, as ges­tan­tes de­ve­ri­am ser afas­ta­das de ati­vi­da­des in­sa­lu­bres so­men­te “quan­do apre­sen­tar ates­ta­do de saú­de, emi­ti­do por mé­di­co de con­fi­an­ça da mu­lher, que re­co­men­de o afas­ta­men­to du­ran­te a ges­ta­ção”.

Mo­ra­es tor­nou sem efei­to o tre­cho da lei, o que tor­na obri­ga­tó­rio o afas­ta­men­to da ges­tan­te de ati­vi­da­des in­sa­lu­bres de qual­quer grau. Pa­ra o mi­nis­tro “a pro­te­ção da mu­lher grá­vi­da ou da lac­tan­te em re­la­ção ao tra­ba­lho in­sa­lu­bre, caracteriza-​se co­mo im­por­tan­te di­rei­to so­ci­al ins­tru­men­tal pro­te­ti­vo tan­to da mu­lher quan­to da cri­an­ça”.

Ele acres­cen­tou que o ob­je­ti­vo da nor­ma que pre­vê o afas­ta­men­to “não só é sal­va­guar­dar di­rei­tos so­ci­ais da mu­lher, mas tam­bém, efe­ti­var a in­te­gral pro­te­ção ao recém-​nascido”.

O mi­nis­tro aten­deu a um pe­di­do fei­to em ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (ADI) pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal de Tra­ba­lha­do­res Me­ta­lúr­gi­cos. Ele aca­tou tam­bém pa­re­cer da procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, que opi­nou pe­la con­ces­são da li­mi­nar. Pa­ra ela, a exi­gên­cia de ates­ta­do mé­di­co pa­ra o afas­ta­men­to da ges­tan­te, con­for­me pre­vis­to na re­for­ma tra­ba­lhis­ta, trans­for­ma­va “em re­gra a ex­po­si­ção ao ris­co”.

Em ma­ni­fes­ta­ção no pro­ces­so, a Advocacia-​Geral da União (AGU) ha­via de­fen­di­do o tex­to da re­for­ma. O ór­gão ar­gu­men­tou que o no­vo tex­to da CLT bus­cou pro­por­ci­o­nar um me­lhor tra­ta­men­to da mu­lher nas re­la­ções de tra­ba­lho, evi­tan­do a dis­cri­mi­na­ção de­las no mo­men­to da con­tra­ta­ção.

Mo­ra­es de­ter­mi­nou que sua de­ci­são se­ja co­mu­ni­ca­da ao Con­gres­so e à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. A me­di­da de­le de­ve ser ago­ra ana­li­sa­da pe­los de­mais mi­nis­tros do Su­pre­mo, que de­ve­rão vo­tar se se­rá man­ti­da ou não. Ain­da não há pra­zo pa­ra que is­so ocor­ra.

O mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es des­ta­cou que o ca­so es­tá pron­to pa­ra ser jul­ga­do em ple­ná­rio des­de 18 de de­zem­bro. A in­clu­são da ADI em pau­ta de­pen­de do pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li.

Fon­te: Agên­cia Brasil/​EBC

, ,