O no­vo au­men­to no pre­ço do óleo di­e­sel, de 2,57%, anun­ci­a­do pe­la Pe­tro­bras na sexta-​feira (3), ge­rou uma no­va on­da de in­sa­tis­fa­ção en­tre os ca­mi­nho­nei­ros autô­no­mos. Um dos prin­ci­pais re­pre­sen­tan­tes da ca­te­go­ria, Wan­der­lei Al­vez, diz que “te­me uma re­vol­ta”, mas ten­ta acal­mar os âni­mos.

To­maz Silva/​Agência Bra­sil


Caminhoneiros entraram em greve no ano passado

“Te­nho con­ver­sa­do com o mi­nis­tro Tar­cí­sio [Go­mes, da In­fra­es­tru­tu­ra], e ele tem se mos­tra­do com­pro­me­ti­do com a fis­ca­li­za­ção da ta­be­la de fre­te, cum­pri­do com a pro­mes­sa de­le. Eu es­tou mos­tran­do is­so pa­ra os co­le­gas. Mas é mui­ta in­dig­na­ção. O mi­nis­tro es­tá se es­for­çan­do, dá pra no­tar. Mas não sei até quan­do o pes­so­al vai se con­tro­lar”, afir­mou De­de­co, co­mo é co­nhe­ci­do, ao Con­gres­so em Fo­co, em con­ver­sas pe­lo What­sApp en­tre a noi­te sexta-​feira (3) e es­te sá­ba­do (4).

“Vão pa­rar?”, per­gun­tou a re­por­ta­gem. “O que a clas­se, que já se re­vol­tou, de­ci­dir, es­ta­re­mos jun­tos. Não é fá­cil se­gu­rar a in­sa­tis­fa­ção de mi­lha­res de pro­fis­si­o­nais. Os ca­mi­nho­nei­ros es­tão im­pul­si­vos”, res­pon­deu ele.

De for­ma re­cor­ren­te, De­de­co diz que o go­ver­no Bol­so­na­ro “er­ra” ao não “agra­dar os ca­mi­nho­nei­ros” e afir­ma que é “pe­ri­go­so a si­tu­a­ção sair do con­tro­le”. Ele tem mais de 90 gru­pos no What­sApp, ca­da um com mais de 150 in­te­gran­tes, ca­da um de­les com ou­tros gru­pos tam­bém por trás. Um dos gran­des se­gre­dos do seu po­der de mo­bi­li­za­ção.

Aos co­le­gas, po­rém, ele tem di­to que, ao de­cre­tar uma gre­ve, a ca­te­go­ria fe­cha as por­tas de diá­lo­go que con­se­gui­ram abrir com o go­ver­no. “O que va­mos fa­zer? Boa par­te da ca­te­go­ria não fez cam­pa­nha e co­lo­cou o [Jair] Bol­so­na­ro lá co­mo pre­si­den­te? Va­mos se­gu­rar um pou­co, gen­te”, afir­mou em áu­dio en­ca­mi­nha­do aos gru­pos, em que re­la­ta as con­ver­sas com o mi­nis­tro da In­fra­es­tru­tu­ra e as me­di­das de in­ten­si­fi­ca­ção da fis­ca­li­za­ção do fre­te mí­ni­mo nas es­tra­das.

De­de­co é o prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te do gru­po que ha­via con­vo­ca­do a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros pa­ra o úl­ti­mo dia 29 de abril. Ele fi­cou co­nhe­ci­do na gre­ve ge­ral que pa­rou o país no ano pas­sa­do e ge­rou trans­tor­no em to­dos os es­ta­dos, com cor­ri­das a su­per­mer­ca­dos, pos­tos de com­bus­tí­veis e lon­gas fi­las em to­dos os can­tos.

A clas­se vol­tou atrás da de­ci­são após uma reu­nião no Mi­nis­té­rio da In­fra­es­tru­tu­ra em 22 de abril quan­do o pró­prio che­fe da pas­ta, Tar­cí­sio Go­mes, ga­ran­tiu uma mai­or fis­ca­li­za­ção nas es­tra­das so­bre a ta­be­la do fre­te mí­ni­mo, uma das re­cla­ma­ções da ca­te­go­ria.

Na oca­sião, fo­ram fir­ma­dos os se­guin­tes com­pro­mis­sos: es­tu­dar a eli­mi­na­ção de mul­tas des­ne­ces­sá­ri­as aos ca­mi­nho­nei­ros; trans­fe­rir o cus­to do di­e­sel pa­ra a ta­be­la do fre­te; fis­ca­li­za­ção efe­ti­va da re­fe­rên­cia de cus­to do pi­so mí­ni­mo do fre­te; ce­le­bra­ção de um ter­mo de com­pro­mis­so com as en­ti­da­des re­pre­sen­tan­tes da ca­te­go­ria pa­ra tor­nar mais efe­ti­va a fis­ca­li­za­ção.

No dia 30 de abril, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Trans­por­tes Ter­res­tres (ANTT) apro­vou uma re­so­lu­ção em que al­te­rou a re­so­lu­ção que tra­ta da Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Pi­sos Mí­ni­mos do Trans­por­te Ro­do­viá­rio de Car­gas, a ta­be­la de fre­te proi­bin­do que autô­no­mos se­jam mul­ta­dos por car­re­ga­rem car­gas no va­lor abai­xo do pi­so mí­ni­mo de fre­te es­ta­be­le­ci­do.

No meio de abril, o go­ver­no anun­ci­ou a aber­tu­ra de uma li­nha de cré­di­to no va­lor de R$ 500 mi­lhões pa­ra ca­mi­nho­nei­ros autô­no­mos man­te­rem seus veí­cu­los e o em­pre­go de R$ 2 bi­lhões no tér­mi­no de obras e ma­nu­ten­ção de ro­do­vi­as.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,