O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral de Lu­zi­â­nia, Goiás - ci­da­de a cer­ca de 60 quilô­me­tros de Bra­sí­lia -, pe­diu à Jus­ti­ça Elei­to­ral que abra pro­ces­so pa­ra in­ves­ti­gar a con­du­ta do po­li­ci­al mi­li­tar Io­nil­de de Oli­vei­ra, 50, por ter fei­to cam­pa­nha ile­gal no ano pas­sa­do pa­ra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, ca­pi­tão da re­ser­va do Exér­ci­to. Mi­li­ta­res da ati­va são proi­bi­dos por lei de se en­vol­ver em ati­vi­da­des político-​partidárias. O PM ne­ga a ini­ci­a­ti­va e se diz ví­ti­ma de “aná­li­se in­jus­ta” da Cor­re­ge­do­ria da co­or­po­ra­ção. O ca­so foi re­ve­la­do pe­lo Con­gres­so em Fo­co.

Reprodução/​Congresso em Fo­co

Confira o vídeo que motivou pedido de processo do Ministério Público Eleitoral de Luziânia

Con­for­me a re­pre­sen­ta­ção do MPE, Io­nil­de co­or­de­na­va um cur­so de for­ma­ção de pra­ças da co­or­po­ra­ção em 18 de ou­tu­bro. O even­to que ge­rou a acu­sa­ção ocor­reu du­ran­te uma cor­ri­da, em uma rua que fi­ca a cer­ca de 500 me­tros do 10º Ba­ta­lhão da Po­lí­cia Mi­li­tar. Em meio às can­ções mi­li­ta­res, foi pos­sí­vel ou­vir uma con­cla­ma­ção a vo­tar em Bol­so­na­ro: “Ei, ci­da­dão, por fa­vor, não se es­que­ça, dia 28 é Bol­so­na­ro na ca­be­ça. Ei, ci­da­dão, por fa­vor, fi­ca con­ten­te, ano que vem é Bol­so­na­ro pre­si­den­te”.

A con­du­ta é ve­ta­da pe­la Lei Elei­to­ral (ar­ti­go 73 da Lei 9.504/97), e fe­re tam­bém o Có­di­go de Éti­ca e Dis­ci­pli­nar dos Mi­li­ta­res do Es­ta­do de Goiás

No do­cu­men­to, o pro­mo­tor elei­to­ral Ju­li­mar Ale­xan­dro de Sil­va men­ci­o­na ain­da um tre­cho da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. “Pontue-​se que re­fe­ri­da con­du­ta de­ve ser in­ter­pre­ta­da em con­so­nân­cia com os Prin­cí­pi­os da Im­pes­so­a­li­da­de e da Mo­ra­li­da­de, am­bos pre­vis­tos no art. 37, ca­put, da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, pe­los quais se in­fe­re que é ve­da­do o uso de ma­te­ri­ais e ser­vi­ços pú­bli­cos pa­ra fins elei­to­rais, in­de­pen­den­te re­gi­men­tais”.

"Quando cheguei na tropa, determinei que parasse"

Io­nil­de se diz ino­cen­te. Em con­ver­sa com o Con­gres­so em Fo­co na ma­nhã des­te do­min­go (5), ele re­la­tou sua ver­são dos fa­tos da­que­le dia 18 de ou­tu­bro.

“Era o úl­ti­mo dia do cur­so e ia­mos in­clu­si­ve fa­zer uma fil­ma­gem pa­ra a for­ma­tu­ra dos alu­nos. Al­guns não fi­ca­ram pa­ra trás a uns 50, 60 me­tros de dis­tân­cia, e eu fui até eles retirá-​los do car­ro dos ba­te­do­res e di­zer que se­guis­sem an­dan­do e não cor­ren­do. Nes­se in­ter­va­lo, en­quan­to es­ta­va lon­ge, o pe­lo­tão co­me­çou a can­tar a can­ção [em apoio a Bol­so­na­ro]. Quan­do che­guei na tro­pa, en­ten­di a can­ção e de­ter­mi­nei que pa­ras­se”, con­tou.

Se­gun­do ele, foi fei­to um inqué­ri­to po­lí­ci­al mi­li­tar que “não foi jus­to”. “En­ten­do co­mo al­go pes­so­al. Não te­ve aná­li­se jus­ta da Cor­re­ge­do­ria [da PM]”, afir­mou.

Após o epi­só­dio, o PM foi afas­ta­do da co­or­de­na­ção dos cur­sos de for­ma­ção da PM da ci­da­de de Lu­zi­â­nia e trans­fe­ri­do pa­ra a ci­da­de de Cris­ta­li­na. Em fe­ve­rei­ro des­te ano, ele pe­gou uma li­cen­ça es­pe­ci­al de três me­ses e pre­ten­de se re­a­pre­sen­tar, de vol­ta em Lu­zi­nâ­nia, es­ta se­ma­na.

“Vo­tei no Bol­so­na­ro, mas sei das mi­nhas res­pon­sa­bi­li­da­des. Não usa­ria a má­qui­na pú­bli­ca pa­ra cam­pa­nha. Sei que ele pró­prio não apoi­a­ria is­so”, com­ple­tou Io­nil­de.

Legislação

O ar­ti­go 73 da Lei 9504/​1997 (Lei Elei­to­ral) es­ta­be­le­ce uma sé­rie de proi­bi­ções pa­ra a par­ti­ci­pa­ção de agen­tes pú­bli­cos em cam­pa­nhas elei­to­rais. En­tre elas, pra­ti­car quais­quer con­du­tas ten­den­tes a afe­tar a igual­da­de de opor­tu­ni­da­des en­tre can­di­da­tos nos plei­tos elei­to­rais, usar ma­te­ri­ais ou ser­vi­ços, cus­te­a­dos pe­los go­ver­nos ou Ca­sas le­gis­la­ti­vas, que ex­ce­dam as prer­ro­ga­ti­vas con­sig­na­das nos re­gi­men­tos e nor­mas dos ór­gãos que in­te­gram; uti­li­zar seus ser­vi­ços, pa­ra co­mi­tês de cam­pa­nha elei­to­ral de can­di­da­to, par­ti­do po­lí­ti­co ou co­li­ga­ção, du­ran­te o ho­rá­rio de ex­pe­di­en­te nor­mal, sal­vo se o ser­vi­dor ou em­pre­ga­do es­ti­ver li­cen­ci­a­do.

A Lei 19.969, de 11 de ja­nei­ro de 2018, que ins­ti­tui o Có­di­go de Éti­ca e Dis­ci­pli­na dos Mi­li­ta­res do Es­ta­do de Goiás, in­clui en­tre as in­fra­ções gra­ves a par­ti­ci­pa­ção de po­li­ci­ais mi­li­ta­res em “ati­vi­da­des político-​partidárias”: “Re­pre­sen­tar a OPM ou OBM ou a Cor­po­ra­ção em qual­quer ato, sem es­tar de­vi­da­men­te au­to­ri­za­do, bem co­mo manifestar-​se pu­bli­ca­men­te a res­pei­to de as­sun­tos fun­ci­o­nais, de se­gu­ran­ça pú­bli­ca ou po­lí­ti­co, es­tan­do far­da­do ou apresentando-​se co­mo mi­li­tar”.

A pu­ni­ção dis­ci­pli­nar do mi­li­tar não o exi­me da res­pon­sa­bi­li­da­de ci­vil e pe­nal pe­lo ato ilí­ci­to pra­ti­ca­do, diz a lei. A trans­gres­são gra­ve po­de ser pu­ni­da com a “pres­ta­ção de ser­vi­ços de na­tu­re­za pre­fe­ren­ci­al­men­te ope­ra­ci­o­nal”.

O De­cre­to 9.228, de 23 de maio de 2018, que tra­ta das con­du­tas ve­da­das aos agen­tes pú­bli­cos du­ran­te as elei­ções de 2018 em Goiás tam­bém é cla­ro na proi­bi­ção de atos po­lí­ti­cos e pra­ti­ca­men­te re­pro­duz a lei federal.Assim co­mo a PM, os mi­li­ta­res das For­ças Ar­ma­das tam­bém são proi­bi­dos de se ma­ni­fes­tar so­bre as­sun­tos político-​partidários.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,