se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-​RJ), fi­lho mais ve­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, co­men­tou a in­ves­ti­ga­ção em an­da­men­to no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio de Ja­nei­ro so­bre seu ex-​assessor de ga­bi­ne­te, Fa­brí­cio Quei­roz. O ca­so apu­ra a sus­pei­ta de que Quei­roz ope­ra­va a prá­ti­ca co­nhe­ci­da com ‘ra­cha­di­nha’, quan­do os fun­ci­o­ná­ri­os de­vol­vem par­te dos sa­lá­ri­os pa­ra o ga­bi­ne­te em­pre­ga­dor. “Mi­nha cha­te­a­ção é com al­guns pouquís­si­mos in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que es­tão ten­tan­do ata­car mi­nha ima­gem pa­ra ata­car o go­ver­no Jair Bol­so­na­ro. In­fe­liz­men­te, tem mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca em tu­do quan­to é ins­ti­tui­ção e no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não é di­fe­ren­te”, dis­se o se­na­dor, em en­tre­vis­ta ao jor­nal Es­ta­do de S.Paulo.

Ro­que de Sá/​Agência Se­na­do


Em pronunciamento, à bancada, na Comissão de Relações Exteriores do Senado, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)

Flá­vio dis­se que não tem con­ta­to com o ex-​assessor, com quem tra­ba­lhou du­ran­te dez anos, des­de que ele pas­sou por pro­ces­so mé­di­co em de­cor­rên­cia de um cân­cer. O se­na­dor afir­ma que tam­bém per­deu con­ta­to os de­mais fun­ci­o­ná­ri­os de seu ga­bi­ne­te que ti­ve­ram os no­mes ci­ta­dos nas sus­pei­tas de ‘ra­cha­di­nha’. Fla­vio Bol­so­na­ro men­ci­o­na que seu er­ro te­ria si­do “con­fi­ar de­mais” no ex-​assessor. Ve­ja abai­xo tre­chos da en­tre­vis­ta do se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro ao jor­nal Es­ta­do de S. Pau­lo.

On­de es­tá Fa­brí­cio Quei­roz?

Co­mo é que eu vou sa­ber? Ele tem um CPF e eu te­nho ou­tro. A úl­ti­ma vez que fa­lei com Quei­roz, foi quan­do ele te­ve ci­rur­gia do cân­cer e li­guei pa­ra sa­ber se es­ta­va tu­do bem. E nun­ca mais fa­lei com ele. Não sei on­de ele es­tá, não te­nho in­for­ma­ção da fa­mí­lia, não sei na­da.

Por que não pro­cu­rar, por exem­plo, a Nathá­lia Quei­roz, que tam­bém foi sua fun­ci­o­ná­ria, pa­ra que ela ex­pli­cas­se pe­lo pai, já que ele es­ta­va do­en­te?

O Quei­roz ti­nha mui­ta au­to­no­mia den­tro do ga­bi­ne­te pa­ra es­co­lher as pes­so­as, prin­ci­pal­men­te as equi­pes que eu cha­mo de equi­pe de rua. Ele que ge­ria is­so tu­do. Tal­vez te­nha si­do meu er­ro con­fi­ar de­mais ne­le. Ele me pe­dia: “Po­xa, dá pa­ra co­lo­car mi­nha fi­lha pa­ra tra­ba­lhar?”. Meu ga­bi­ne­te sem­pre foi mui­to en­xu­to. Mi­nha cam­pa­nha sem­pre mui­to ba­ra­ta. Abria es­pa­ço no meu ga­bi­ne­te e eu, na con­fi­an­ça, di­zia: “Po­de co­lo­car, mon­ta is­so aí, não tem pro­ble­ma”. Quem tem que co­brar ago­ra ex­pli­ca­ções é o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Ób­vio que co­brei tam­bém, mas ele não me deu as ex­pli­ca­ções pre­ci­sas à épo­ca, me deu de for­ma ge­né­ri­ca. Ago­ra é o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que tem de apu­rar. Tal­vez meu er­ro te­nha si­do es­se: con­fi­ar de­mais ne­le, sem dú­vi­da.

É cor­re­to ter­cei­ri­zar des­sa ma­nei­ra, sem olhar aten­ta­men­te, sem in­ves­ti­gar me­lhor al­guém tão cen­tral em sua equi­pe?

Não tem sen­ti­do. Vou fi­car des­con­fi­an­do, in­ves­ti­gan­do to­do mun­do que tra­ba­lha co­mi­go? Ago­ra é fá­cil fa­lar. Na épo­ca, co­mo sa­ber?

Ele ti­nha con­fi­an­ça do seu pai?

Com cer­te­za, ou não te­ria vin­do tra­ba­lhar co­mi­go. Ele con­vi­via mais co­mi­go. Mais de dez anos tra­ba­lhan­do co­mi­go qua­se to­do dia. Eu es­ta­va mais jun­to com o Quei­roz al­gu­mas ve­zes do que com a mi­nha fa­mí­lia. A re­la­ção foi sen­do cons­truí­da, de con­fi­an­ça. Mas eu não ti­nha co­mo pre­ver, co­mo ain­da não há pos­so ter con­vic­ção de que hou­ve ile­ga­li­da­de. Foi um pa­pel mui­to su­jo do pro­cu­ra­dor de Jus­ti­ça do Rio.

O prin­ci­pal pon­to des­sa his­tó­ria é sa­ber se hou­ve ou não a “ra­cha­di­nha”, que é a de­vo­lu­ção de par­te do sa­lá­rio do ser­vi­dor.

Cla­ro que não hou­ve. Não ti­nha is­so no meu ga­bi­ne­te. Quei­roz se sen­tou co­mi­go na me­sa quan­do em­pre­sá­ri­os que­ri­am do­ar al­guns mi­lhões de re­ais na cam­pa­nha. Ne­guei na fren­te de to­do mun­do.

Mas o que is­so tem a ver com de­vol­ver par­te do di­nhei­ro dos fun­ci­o­ná­ri­os?

Ele es­ta­va ven­do qual era a mi­nha pos­tu­ra. Se eu qui­ses­se di­nhei­ro, eu acei­ta­va. Es­sa his­tó­ria de ra­cha­di­nha não tem li­ga com o his­tó­ri­co do no­me Bol­so­na­ro. Se eu qui­ses­se es­se di­nhei­ro, eu es­ta­va ri­co. Tal­vez es­ti­ves­se pre­so. Não tem por que o Quei­roz ter fei­to is­so. Se fez, o que eu não acre­di­to, foi ob­vi­a­men­te sem o meu con­sen­ti­men­to. Ou eu se­ria o pri­mei­ro a cor­tar a ca­be­ça de­le.

Por que o se­nhor de­ci­diu fa­lar ago­ra?

Ve­jo que há gran­de in­ten­ção de al­guns do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de me sa­ca­ne­ar, de mais uma vez co­lo­car em evi­dên­cia coi­sas que não fiz. Es­tou pre­fe­rin­do me an­te­ci­par, por­que meu pro­ces­so cor­re em si­gi­lo de Jus­ti­ça, mas sem­pre que vai pa­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co os ca­ras va­zam tu­do.

Mas, se­na­dor, não era de se es­pe­rar que o ca­so avan­ças­se? O Ju­di­ciá­rio es­tá en­ten­den­do que o ca­so de­ve pros­se­guir no Rio.

É de se es­pe­rar que se avan­ças­se den­tro da lei. Sou in­ves­ti­ga­do há qua­se um ano e meio e, até on­tem, o che­fe do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co es­ta­va fa­lan­do que eu não era in­ves­ti­ga­do. En­tão, ele quer a ver­da­de ou ele quer me pre­ju­di­car? É ób­vio que tem de an­dar, sou a fa­vor de qual­quer in­ves­ti­ga­ção, sem­pre es­ti­ve aber­to pa­ra pres­tar quais­quer in­for­ma­ções. Só que, a par­tir do mo­men­to que to­mo co­nhe­ci­men­to do que es­tão fa­zen­do co­mi­go… Que­bra­ram meu si­gi­lo ban­cá­rio sem au­to­ri­za­ção da Jus­ti­ça e ex­pu­se­ram is­so em re­de na­ci­o­nal. Co­mo eu me de­fen­do dis­so? Mi­nha in­ti­mi­da­de nin­guém res­pei­ta? Mi­nha cha­te­a­ção é com al­guns pouquís­si­mos in­te­gran­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co que es­tão ten­tan­do ata­car mi­nha ima­gem pa­ra ata­car o go­ver­no Jair Bol­so­na­ro. In­fe­liz­men­te, tem mi­li­tân­cia po­lí­ti­ca em tu­do quan­to é ins­ti­tui­ção e no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co não é di­fe­ren­te. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co es­tá es­cu­la­chan­do o Ju­di­ciá­rio to­da ho­ra em meu ca­so e o Ju­di­ciá­rio não faz na­da.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,