Oi­to en­ti­da­des ci­vis re­pre­sen­tan­tes de pro­fes­so­res, pro­fis­si­o­nais téc­ni­cos ad­mi­nis­tra­ti­vos e es­tu­dan­tes da edu­ca­ção bá­si­ca e do en­si­no su­pe­ri­or de­vem anun­ci­ar de for­ma con­jun­ta nes­ta segunda-​feira uma pa­ra­li­sa­ção de se­to­res da edu­ca­ção, pre­vis­ta pa­ra a pró­xi­ma quarta-​feira, 15 de maio. O mo­vi­men­to já es­ta­va sen­do pre­pa­ra­do des­de de abril, mas fo­ca­do na ne­go­ci­a­ção so­bre a me­di­da pro­vi­só­ria 873/​2019, que mu­da as re­gras pa­ra a con­tri­bui­ção sin­di­cal. A “Gre­ve Ge­ral da Edu­ca­ção”, co­mo es­tá sen­do cha­ma­da a pa­ra­li­sa­ção, ga­nhou ou­tra mo­ti­va­ção com as me­di­das de con­tin­gen­ci­a­men­to de or­ça­men­to ado­ta­dos na se­ma­na pas­sa­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


O ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado

“Es­se dia [15 de maio] foi ti­ra­do no co­me­ço de abril, a pri­o­ri não ti­nham acon­te­ci­do os cor­tes de 30%, mas com is­so evi­den­te­men­te aflo­rou nas en­ti­da­des de ba­se o pro­ces­so de mo­bi­li­za­ção, tan­to é que na se­ma­na quan­do hou­ve o cor­te, re­a­li­za­mos gran­des atos na Bahia, Rio de Ja­nei­ro e em São Pau­lo”, co­men­ta An­to­nio Ne­to, co­or­de­na­dor ge­ral da Fe­de­ra­ção de Sin­di­ca­tos de Tra­ba­lha­do­res Técnico-​administrativos em Ins­ti­tui­ções de En­si­no Su­pe­ri­or Pú­bli­cas do Bra­sil (Fa­su­bra).

Na pró­xi­ma quinta-​feira (16), o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, de­ve re­ce­ber re­pre­sen­tan­tes da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Di­ri­gen­tes das Ins­ti­tui­ções Fe­de­rais de En­si­no Su­pe­ri­or (An­di­fes), pre­si­di­da por Rei­nal­do Cen­to­du­cat­te, rei­tor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Es­pí­ri­to San­to (UFES). Na úl­ti­ma quarta-​feira, a en­ti­da­de que re­pre­sen­ta os rei­to­res di­vul­gou no­ta co­men­tan­do a si­tu­a­ção or­ça­men­tá­ria de 63 uni­ver­si­da­des fe­de­rais e dois cen­tros fe­de­rais de edu­ca­ção tec­no­ló­gi­ca. “Com es­sa or­dem de gran­de­za de blo­queio atu­al, as uni­ver­si­da­des pas­sa­rão, em bre­ve, a não ter mei­os de re­a­li­zar no­vas li­ci­ta­ções ou mes­mo de em­pe­nhar os re­cur­sos pa­ra efe­ti­var o pa­ga­men­to de seus con­tra­tos de ser­vi­ços”, diz a no­ta.

O anún­cio do blo­queio de or­ça­men­to co­me­çou a ser fei­to no dia 30 de abril, quan­do o mi­nis­tro afir­mou que Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia (UnB), Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (UFBA) e Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral Flu­mi­nen­se (UFF) es­ta­vam com o or­ça­men­to pa­ra es­sas des­pe­sas não obri­ga­tó­ri­as blo­que­a­do em 30%. Em en­tre­vis­ta ao jor­nal Es­ta­do de S.Paulo, o mi­nis­tro co­men­tou que as ins­ti­tui­ções que “es­ti­ve­rem fa­zen­do bal­búr­dia”, te­ri­am ver­bas re­du­zi­das. Di­as de­pois, já di­an­te da re­per­cus­são ne­ga­ti­va, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção di­vul­gou que o con­tin­gen­ci­a­men­to atin­gi­ria to­das as uni­ver­si­da­des fe­de­rais. A Edu­ca­ção Bá­si­ca tam­bém te­ve re­cur­sos blo­que­a­dos e a con­ces­são de no­vas bol­sas de mes­tra­do e dou­to­ra­do pe­la Co­or­de­na­ção de Pes­so­al de Ní­vel Su­pe­ri­or (Ca­pes) foi sus­pen­sa.

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção afir­ma que foi fei­to um blo­queio pre­ven­ti­vo, que atin­giu ape­nas 3,4% do or­ça­men­to to­tal das uni­ver­si­da­des fe­de­rais. E ex­pli­ca que os va­lo­res que es­tão con­si­de­ra­dos co­mo blo­queio, pa­ra o re­sul­ta­do de 30%, já es­ta­vam con­tin­gen­ci­a­das an­te­ri­or­men­te pe­lo Go­ver­no Fe­de­ral, co­mo o or­ça­men­to de emen­das par­la­men­ta­res dis­cri­ci­o­ná­ri­as.

Em car­ta aber­ta à so­ci­e­da­de, pu­bli­ca­da na sexta-​feira (10), en­ti­da­des da edu­ca­ção re­la­ci­o­nam a re­du­ção de or­ça­men­to com o que cha­mam de “viés pri­va­tis­ta do go­ver­no” e com a re­for­ma da pre­vi­dên­cia. Além da Fa­su­bra, as­si­nam o do­cu­men­to Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Do­cen­tes das Ins­ti­tui­ções de En­si­no Su­pe­ri­or (An­des), Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Ser­vi­do­res Fe­de­rais da Edu­ca­ção Bá­si­ca, Pro­fis­si­o­nal e Tec­no­ló­gi­ca (SINASEFE), Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res em Edu­ca­ção (CNTE), Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Es­tu­dan­tes em En­si­no Téc­ni­co (FENET), As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Pós-​graduandos (ANPG), União Bra­si­lei­ra dos Es­tu­dan­tes Se­cun­da­ris­tas (UBES) e União Na­ci­o­nal dos Es­tu­dan­tes (UNE). Ve­ja abai­xo a ín­te­gra na car­ta.

Carta aberta à Sociedade sobre os Ataques à Educação no Brasil!

A edu­ca­ção é par­te fun­da­men­tal da vi­da dos in­di­ví­du­os que vi­vem em so­ci­e­da­de. Es­ta não se res­trin­ge ape­nas a um pe­río­do es­pe­cí­fi­co da vi­da hu­ma­na que é pre­de­ter­mi­na­do pe­la for­ma de pen­sar da épo­ca, pe­lo con­trá­rio, é ex­tre­ma­men­te abran­gen­te no que diz res­pei­to à for­ma­ção da pró­pria so­ci­e­da­de; for­ma­ção no sen­ti­do do de­sen­vol­vi­men­to da cons­ci­ên­cia, da per­so­na­li­da­de, da mo­ra­li­da­de e na pró­pria va­lo­ra­ção das si­tu­a­ções e mo­men­tos de in­te­ra­ção des­tes in­di­ví­du­os uns com os ou­tros e com o mun­do a sua vol­ta.

Po­rém, nos úl­ti­mos anos a edu­ca­ção vem so­fren­do du­ros ata­ques que se apro­fun­da­ram com as­cen­são ul­tra­li­be­ral, com a elei­ção do atu­al pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de extrema-​direita, cu­jo in­te­res­se é res­pon­der aos an­sei­os do gran­de ca­pi­tal, des­qua­li­fi­can­do a Edu­ca­ção, reduzindo- a à for­ma­ção de “mão-​de-​obra” em de­tri­men­to das múl­ti­plas po­ten­ci­a­li­da­des que o ser hu­ma­no po­de de­sen­vol­ver atra­vés do pro­ces­so edu­ca­ci­o­nal.

Nes­ta es­tei­ra, o pre­si­den­te (Jair Bol­so­na­ro) e o Mi­nis­tro da Edu­ca­ção Abraham Wein­traub, anun­ci­a­ram no ini­cio do mês de Maio, o con­tin­gen­ci­a­men­to (cor­tes) nos or­ça­men­to das uni­ver­si­da­des, ins­ti­tu­tos fe­de­rais e es­co­las de apli­ca­ção. Com ape­lo mo­ral, con­cen­tra­ram seus ata­ques às ci­ên­ci­as hu­ma­nas e so­ci­ais, na fi­lo­so­fia e so­ci­o­lo­gia, “jus­ti­fi­can­do que es­sas áre­as não dão re­tor­no ime­di­a­to e me­lho­ri­as pa­ra a so­ci­e­da­de”. En­tre­tan­to, pre­ci­sa­mos des­ta­car que tal jus­ti­fi­ca­ti­va en­dos­sa os ata­ques ini­ci­a­dos em 2015 com os pro­je­tos de leis (Não à ide­o­lo­gia de gê­ne­ro; Re­for­mu­la­ção da BNCC; Com o Es­co­la sem par­ti­do).

Já na ques­tão fi­nan­cei­ra, o MEC tem apre­sen­ta­do su­ces­si­vos cor­tes de ver­bas pa­ra as ins­ti­tui­ções de en­si­no, con­ta­bi­li­zan­do um to­tal de 5,8 bi­lhões, o que in­ten­si­fi­ca a pre­ca­ri­e­da­de do en­si­no. Em­bo­ra as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas se­jam res­pon­sá­veis por 90% da pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to e da pes­qui­sa no Bra­sil, o cor­te de ver­bas na ci­ên­cia e tec­no­lo­gia de cer­ca de R$ 2,132 bi­lhões, su­bal­ter­ni­za a pes­qui­sa e a au­to­no­mia da pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to. O re­sul­ta­do des­tas po­lí­ti­cas de­sas­tro­sas se­rá a en­tre­ga das uni­ver­si­da­des à ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

Co­mo po­de­mos ver, tais ata­ques cer­cei­am o li­vre pen­sa­men­to e ata­cam a edu­ca­ção pú­bli­ca de qua­li­da­de. Tam­bém ata­cam a so­be­ra­nia e au­to­no­mia das Uni­ver­si­da­des. Mas, não se en­ga­nem! To­da es­sa ação ar­bi­trá­ria vi­sa de­sor­ga­ni­zar e des­mo­bi­li­zar um dos se­to­res pro­fis­si­o­nais que mais têm en­fren­ta­do a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a edu­ca­ção. Es­ta re­for­ma é al­ta­men­te pre­ju­di­ci­al pa­ra os mais po­bres, às mu­lhe­res, aos negros/​as, pa­ra os pro­fis­si­o­nais do ma­gis­té­rio e as trabalhadores/​as ru­rais.

Os su­ces­si­vos cor­tes nas po­lí­ti­cas edu­ca­ci­o­nais (en­si­no su­pe­ri­or e edu­ca­ção bá­si­ca) e a ame­a­ça de aca­bar com a vin­cu­la­ção cons­ti­tu­ci­o­nal que as­se­gu­ra re­cur­sos pa­ra a edu­ca­ção evi­den­ci­am o viés pri­va­tis­ta des­te go­ver­no. Um go­ver­no que quer en­tre­gar aos em­pre­sá­ri­os a edu­ca­ção do po­vo bra­si­lei­ro. Por is­so, fo­men­ta as po­lí­ti­cas de vou­chers e a edu­ca­ção do­mi­ci­li­ar, in­cen­ti­va a agres­são à ges­tão de­mo­crá­ti­ca e à au­to­no­mia das es­co­las, atra­vés da mi­li­ta­ri­za­ção es­co­lar; sus­ten­ta a ino­pe­rân­cia ines­cru­pu­lo­sa do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, que afe­ta a qua­li­da­de do aten­di­men­to pú­bli­co nas es­co­las, ins­ti­tu­tos fe­de­rais e uni­ver­si­da­des; de­fen­de a re­vo­ga­ção de inú­me­ros con­se­lhos de acom­pa­nha­men­to so­ci­al, im­pon­do re­tro­ces­sos à ges­tão de­mo­crá­ti­ca es­ta­tal.

As­sim co­mo vo­cês, nós lu­ta­mos pa­ra que os nos­sos di­rei­tos so­ci­ais, econô­mi­cos e po­lí­ti­cos per­ma­ne­çam as­sim re­co­nhe­ci­dos e man­ti­dos. Nos­sas en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas tam­bém têm so­fri­do du­ros ata­ques, pro­va dis­so é a MP 873 que ten­ta des­mon­tar e de­sor­ga­ni­zar as or­ga­ni­za­ções sin­di­cais. Sa­be­mos que o ob­je­ti­vo des­ta me­di­da é en­fra­que­cer a lu­ta so­ci­al con­tra es­ses des­man­dos pra­ti­ca­dos em pou­co mais de qua­tro me­ses.

Além das pau­tas re­tró­gra­das na edu­ca­ção, vá­ri­as ou­tras ações go­ver­na­men­tais têm co­lo­ca­do em ris­co a so­ci­e­da­de, o meio am­bi­en­te e o tra­ba­lho no Bra­sil, a exem­plo do que se­gue abai­xo:

• De­cre­to 9.685 re­vo­gou par­te do Es­ta­tu­to do De­sar­ma­men­to pa­ra per­mi­tir o por­te des­me­di­do de ar­mas de fo­go por ci­da­dãos co­muns;

• Pro­je­to de Lei “An­ti­cri­me”, do mi­nis­tro Sér­gio Mo­ro, pre­ten­de tor­nar inim­pu­tá­vel a for­ça po­li­ci­al con­tra ci­da­dãos, so­bre­tu­do jo­vens e ne­gros;

• Trans­fe­rên­cia da de­mar­ca­ção de ter­ras in­dí­ge­nas da Fu­nai pa­ra o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, am­pla­men­te con­tro­la­do pe­lo agro­ne­gó­cio;

• De­gra­da­ção do meio am­bi­en­te com a am­pli­a­ção do des­ma­ta­men­to e a li­be­ra­ção de de­fen­si­vos agrí­co­las nas la­vou­ras, com es­tí­mu­lo à ca­ça e à co­mer­ci­a­li­za­ção da fau­na e da flo­ra;

• Fim do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, tor­nan­do a clas­se tra­ba­lha­do­ra ain­da mais re­fém da ga­nân­cia do ca­pi­tal;

• Re­vo­ga­ção da po­lí­ti­ca de ga­nho re­al do sa­lá­rio mí­ni­mo e sus­pen­são de be­ne­fí­ci­os as­sis­ten­ci­ais e pre­vi­den­ciá­ri­os que atin­gem os mais ne­ces­si­ta­dos;

• Cor­tes na ba­se de aten­di­men­to do pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia, me­di­da ini­ci­a­da ain­da no go­ver­no Te­mer, en­tre tan­tas ou­tras (des)medidas que vi­sam ani­qui­lar di­rei­tos e ga­ran­ti­as as­se­gu­ra­dos na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral.

Di­an­te des­te qua­dro, con­vi­da­mos to­da so­ci­e­da­de a se jun­tar a nós na lu­ta pe­la Edu­ca­ção Pú­bli­ca, gra­tui­ta, lai­ca, de­mo­crá­ti­ca e so­ci­al­men­te re­fe­ren­ci­a­da. Na de­fe­sa da edu­ca­ção pú­bli­ca e gra­tui­ta, de ba­se, des­de o en­si­no fun­da­men­tal, pas­san­do pe­lo mé­dio e téc­ni­co até a gra­du­a­ção e pós-​graduação. Se jun­te tam­bém na lu­ta em de­fe­sa da ci­ên­cia e tec­no­lo­gia pú­bli­cas, da uni­ver­si­da­de pú­bli­ca em sua ar­ti­cu­la­ção ensino-​pesquisa e ex­ten­são!

As­si­nam: ANDES-​SN, Fa­su­bra, Si­na­se­fe, CNTE, FENET, ANPG, UBES e UNE.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,