O se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) dis­se ao Con­gres­so em Fo­co que não vê mais ne­nhu­ma chan­ce de apro­va­ção da me­di­da pro­vi­só­ria que re­du­ziu de 29 pa­ra 22 o nú­me­ro de mi­nis­té­ri­os e fez ou­tras al­te­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas na es­tru­tu­ra ad­mi­nis­tra­ti­va fe­de­ral. A MP 870/​2019 foi as­si­na­da pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro em seu pri­mei­ro dia de go­ver­no e per­de­rá a va­li­da­de em 3 de ju­nho, uma segunda-​feira, se não for apro­va­da an­tes tan­to na Câ­ma­ra quan­to no Se­na­do.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Senador Randolfe Rodrigues: “Mesmo que seja aprovada pela Câmara, não dará tempo de ser analisada pelos senadores e cairá”

Na prá­ti­ca, por­tan­to, a me­di­da pro­vi­só­ria de­ve ser vo­ta­da pe­lo ple­ná­rio de am­bas as ca­sas até a pró­xi­ma se­ma­na. Du­ran­te o lan­ça­men­to ofi­ci­al da 12ª edi­ção do Prê­mio Con­gres­so em Fo­co, Ran­dol­fe afir­mou que “nem por um mi­la­gre” ha­ve­rá tem­po pa­ra que ela se­ja apro­va­da. Em ou­tras pa­la­vras, o par­la­men­tar, que tem bom trân­si­to com pra­ti­ca­men­te to­das as ban­ca­das par­ti­dá­ri­as, an­te­vê a com­ple­ta anu­la­ção da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va de Bol­so­na­ro e a vol­ta do es­tru­tu­ra mi­nis­te­ri­al do ex-​presidente Mi­chel Te­mer.

Ran­dol­fe re­su­me a si­tu­a­ção: “Nes­ta se­ma­na os pre­si­den­tes da Câ­ma­ra e do Se­na­do não es­tão em Bra­sí­lia e o go­ver­no tem di­fi­cul­da­des de co­or­de­na­ção de sua pró­pria ba­se, que es­tá em um di­le­ma de es­fin­ge: se fi­ca ou aban­do­na o ve­lho Cen­trão. A MP 870 não se­rá vo­ta­da nes­ta se­ma­na pe­lo Ple­ná­rio da Câ­ma­ra. Co­mo há du­as ou­tras me­di­das pro­vi­só­ri­as que pre­ci­sam ser vo­ta­das na fren­te, mes­mo que se­ja apro­va­da pe­la Câ­ma­ra, não da­rá tem­po de ser ana­li­sa­da pe­los se­na­do­res e cai­rá”.

Em­bo­ra o dis­cur­so ofi­ci­al se­ja ou­tro, e os res­pon­sá­veis pe­la ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca do go­ver­no con­ti­nu­em a fa­zer de tu­do pa­ra de­mons­trar con­fi­an­ça na apro­va­ção da MP 870, a bu­ro­cra­cia do Exe­cu­ti­vo já co­me­ça a tra­ba­lhar com o ce­ná­rio de per­da de va­li­da­de da me­di­da pro­vi­só­ria. Nes­sa hi­pó­te­se, o go­ver­no es­ta­ria im­pe­di­do de en­vi­ar uma me­di­da pro­vi­só­ria com igual con­teú­do e de­ve­ria en­ca­mi­nhar um pro­je­to de lei re­gu­lan­do o as­sun­to. E, até que ele se trans­for­mas­se em lei, pre­va­le­ce­ria o sta­tus ad­mi­nis­tra­ti­vo an­te­ri­or. Ou se­ja, en­tre ou­tras mu­dan­ças, os mi­nis­té­ri­os da Cul­tu­ra e do Tra­ba­lho res­sus­ci­ta­ri­am e o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia se­ria des­mem­bra­do, vol­tan­do a ga­nhar vi­da os mi­nis­té­ri­os da Fa­zen­da e do Pla­ne­ja­men­to.

Nes­se no­vo or­ga­no­gra­ma, ob­vi­a­men­te, ha­ve­ria mais car­gos pa­ra no­me­a­ções po­lí­ti­cas, o que sem­pre so­a­rá ten­ta­dor pa­ra a mai­o­ria fi­si­o­ló­gi­ca do Con­gres­so e in­con­ve­ni­en­te pa­ra um pre­si­den­te que des­de a cam­pa­nha man­tém o dis­cur­so de não fa­zer con­ces­sões à “ve­lha po­lí­ti­ca”. Es­sa mai­o­ria, va­le lem­brar, é per­so­ni­fi­ca­da ho­je no Cen­trão. In­te­gra­do por PP, DEM, PR, PRB e SD, ele cos­tu­ma le­var de rol­dão, nas prin­ci­pais vo­ta­ções, boa par­te das ban­ca­das de ou­tros par­ti­dos, co­mo PSD, PTB e MDB.

Con­fir­ma­do o ce­ná­rio no qual Ran­dol­fe apos­ta, es­ta­ría­mos ain­da di­an­te de um oce­a­no de dú­vi­das ju­rí­di­cas. A mai­or de­las: va­lem os atos bai­xa­dos por mi­nis­tros cu­jos mi­nis­té­ri­os não ti­ve­ram a cri­a­ção chan­ce­la­da pe­lo Le­gis­la­ti­vo? O bom sen­so in­di­ca que sim. Mas, co­mo a sen­sa­tez não é sem­pre com­pa­nhei­ra das de­ci­sões na­ci­o­nais, a úni­ca res­pos­ta cer­tei­ra é que o as­sun­to se­ria de­fi­ni­do em úl­ti­ma aná­li­se pe­lo Ju­di­ciá­rio.

Tam­bém é cer­to que nin­guém, na ba­se go­ver­nis­ta ou na opo­si­ção, ima­gi­na­va que o Pa­lá­cio do Pla­nal­to en­fren­ta­ria tan­tas di­fi­cul­da­des pa­ra apro­var a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va. O te­ma foi ob­je­to da­que­la que foi, pro­va­vel­men­te, a mais im­por­tan­te de­li­be­ra­ção do Con­gres­so na atu­al le­gis­la­tu­ra: a su­ces­são de der­ro­tas so­fri­das pe­lo go­ver­no na co­mis­são es­pe­ci­al, com­pos­ta pa­ri­ta­ri­a­men­te por de­pu­ta­dos fe­de­rais e por se­na­do­res, que exa­mi­nou a MP

“Me senti no 7 a 1”

Quem me­lhor tra­du­ziu o que se pas­sou na co­mis­são es­pe­ci­al na úl­ti­ma quinta-​feira (9) foi o se­na­dor go­ver­nis­ta Ma­jor Olím­pio (PSL-​SP). “Es­tou me sen­tin­do o go­lei­ro do Bra­sil no 7x1 con­tra a Ale­ma­nha”, dis­se ele.

A der­ro­ta mais vis­to­sa afe­tou me­nos Jair Bol­so­na­ro do que o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro. Foi a re­ti­ra­da do Con­se­lho de Con­tro­le das Ati­vi­da­des Fi­nan­cei­ras (Co­af) do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, pa­ra in­te­grar a es­tru­tu­ra do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia. Na ten­ta­ti­va de re­du­zir os da­nos na co­mis­são es­pe­ci­al, o Pla­nal­to já ti­nha de­sis­ti­do de bri­gar por is­so, en­tre­gan­do os anéis pa­ra pre­ser­var os de­dos.

A in­ten­ção do go­ver­no era vo­tar a MP 870 na­que­la mes­ma quinta-​feira no Ple­ná­rio da Câ­ma­ra, o que não ocor­reu por­que Mo­ro se mo­vi­men­tou nos bas­ti­do­res pa­ra ten­tar re­ver­ter a de­ci­são da co­mis­são. A ideia ga­nhou o apoio do Cen­trão e do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), sen­do ava­li­za­da pe­lo pró­prio mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, que em su­ces­si­vas li­ga­ções a par­la­men­ta­res pe­diu: “Dei­xa pas­sar”.

Ir­ri­ta­do com a pres­são pró-​Moro, Maia vol­tou atrás e dis­se que, an­tes da MP 870, vo­ta­ria não ape­nas as du­as MPs ci­ta­das por Ran­dol­fe (a 863 e a 866), mas to­das as cin­co me­di­das pro­vi­só­ri­as que es­tão na fren­te da MP 870: MPs 863, 866, 867, 868 e 869. Não há acor­do so­bre ne­nhu­ma de­las. Em reu­nião de lí­de­res re­a­li­za­da on­tem (ter­ça, 14) à tar­de na Câ­ma­ra, decidiu-​se que ne­nhu­ma de­las irá ao ple­ná­rio nes­ta se­ma­na em que Ro­dri­go Maia es­tá au­sen­te do país. Ele foi a No­va York par­ti­ci­par de en­con­tros com in­ves­ti­do­res em ra­zão da de­ci­são de Bol­so­na­ro de can­ce­lar a vi­a­gem àque­la ci­da­de. Maia vi­a­ja jun­to com o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP). “Al­guém te­ria que dar al­gu­ma sa­tis­fa­ção a es­ses in­ves­ti­do­res, in­te­res­sa­dos em nos­so país. Não dá pa­ra cul­par o Maia e o Da­vi por is­so”, co­men­ta Ran­dol­fe.

Mo­ro saiu no pre­juí­zo com ou­tra mu­dan­ça fei­ta pe­la co­mis­são: a re­ti­ra­da da sua al­ça­da do po­der de re­gis­trar en­ti­da­des sin­di­cais. A co­mis­são tam­bém de­ci­diu de­vol­ver à Fun­da­ção Na­ci­o­nal do Ín­dio (Fu­nai) a com­pe­tên­cia pa­ra de­mar­car ter­ras in­dí­ge­nas, atri­bui­ção que a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va ha­via trans­fe­ri­do pa­ra o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra. E apro­vou a vol­ta da Fu­nai – que es­ta­va no Mi­nis­té­rio da Mu­lher, da Fa­mi­lia e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos – ao Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça.

O go­lei­ro men­ci­o­na­do pe­lo Ma­jor Olím­pio to­mou ou­tros gols: a re­cri­a­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Ali­men­tar (Con­sea); a ex­clu­são de ar­ti­gos que au­men­ta­vam o con­tro­le go­ver­na­men­tal so­bre ONGs e or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais; e a in­clu­são no tex­to de res­tri­ções à atu­a­ção dos au­di­to­res fis­cais da Re­cei­ta Fe­de­ral em in­ves­ti­ga­ções cri­mi­nais.

O “ja­bu­ti”, re­ve­la­do pe­lo Con­gres­so em Fo­co, foi in­cor­po­ra­do à ma­té­ria pe­lo pró­prio re­la­tor, nin­guém me­nos do que o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PB).

De que­bra, mais um anel fi­cou no ca­mi­nho. Por su­ges­tão da sua ba­se de apoio no Con­gres­so, o go­ver­no con­cor­dou em re­cri­ar os mi­nis­té­ri­os da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal e das Ci­da­des.

Res­ta ao go­ver­no tor­cer por “mi­la­gres” e sal­var a MP 870. “Es­tá di­fí­cil, mas não dá pa­ra di­zer que é ca­so per­di­do. Quan­do há diá­lo­go, sem­pre há chan­ce de apro­va­ção”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co o de­pu­ta­do Fá­bio Ra­ma­lho (MDB-​MG). Pa­ra que is­so acon­te­ça, afir­mou ele, Bol­so­na­ro pre­ci­sa mon­tar uma ban­ca­da pró­pria na Câ­ma­ra. “Ho­je ele não tem”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,