A Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) apro­vou nes­ta quarta-​feira (22), por 20 vo­tos a 1, um re­la­tó­rio fa­vo­rá­vel a um pro­je­to de lei que cri­mi­na­li­za a ho­mo­fo­bia. A pro­pos­ta, de au­to­ria do se­na­dor We­ver­ton (PDT-​MA), in­clui a dis­cri­mi­na­ção por ori­en­ta­ção se­xu­al ou iden­ti­da­de de gê­ne­ro na Lei 7716/​89, que ti­pi­fi­ca o cri­me de ra­cis­mo. A co­mis­são apro­vou o re­la­tó­rio do se­na­dor Ales­san­dro Vi­ei­ra (Cidadania-​SE) que é fa­vo­rá­vel ao tex­to.

Ge­ral­do Magela/​Agência Se­na­do


Audiência pública sobre LGBTIfobia na Comissão de Direitos Humanos do Senado

O pro­je­to é ter­mi­na­ti­vo, ou se­ja, de­ve­rá ir di­re­ta­men­te pa­ra aná­li­se da Câ­ma­ra, sal­vo se al­gum se­na­dor apre­sen­tar um re­cur­so pa­ra que a pro­pos­ta se­ja le­va­da ao ple­ná­rio. A lei atu­al ti­pi­fi­ca os cri­mes “re­sul­tan­tes de pre­con­cei­to de ra­ça ou de cor”. A re­da­ção pro­pos­ta pe­lo Se­na­do am­plia o es­co­po da cri­mi­na­li­za­ção pa­ra “ra­ça, cor, et­nia, re­li­gião, pro­ce­dên­cia na­ci­o­nal, se­xo, ori­en­ta­ção se­xu­al ou iden­ti­da­de de gê­ne­ro”.

Se­gun­do o pro­je­to, co­me­te o cri­me de ho­mo­fo­bia a pes­soa que, “por mo­ti­vo de in­to­le­rân­cia, dis­cri­mi­na­ção ou pre­con­cei­to”, ne­gar uma pro­mo­ção pro­fis­si­o­nal à ví­ti­ma; im­pe­dir o aces­so ou re­cu­sar aten­di­men­to à ví­ti­ma em es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e, ain­da, res­trin­gir “ma­ni­fes­ta­ção ra­zoá­vel de afe­ti­vi­da­de de qual­quer pes­soa”, em lo­cais de aces­so pú­bli­co, ex­ce­to tem­plos re­li­gi­o­sos. As pe­nas va­ri­am de um a cin­co anos de pri­são.

Se­gun­do Vi­ei­ra, o que o Se­na­do bus­cou foi dar uma res­pos­ta à omis­são do Con­gres­so so­bre o te­ma. Es­te en­ten­di­men­to – de que a ho­mo­fo­bia de­ve ser en­qua­dra­da no cri­me de ra­cis­mo – tem pre­do­mi­na­do, até o mo­men­to, em um jul­ga­men­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) mar­ca­do pa­ra ser re­to­ma­do nes­ta quinta-​feira (23). Qua­tro mi­nis­tros já vo­ta­ram des­sa for­ma: Cel­so de Mel­lo (o re­la­tor do ca­so), Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ed­son Fa­chin e Luís Ro­ber­to Bar­ro­so.

“[Es­ta­mos] mo­der­ni­zan­do a nos­sa le­gis­la­ção e im­pe­din­do e evi­tan­do que ou­tros Po­de­res, co­mo é o ca­so do Po­der Ju­di­ciá­rio, se­jam obri­ga­dos a le­gis­lar no nos­so lu­gar. [O pro­je­to] su­pre uma omis­são que já vai pa­ra du­as dé­ca­das”, afir­ma Vi­ei­ra.

Lei Dandara

Na jus­ti­fi­ca­ti­va do pro­je­to, o se­na­dor We­ver­ton pe­de que a le­gis­la­ção, se apro­va­da, se­ja cha­ma­da de Lei Dan­da­ra. Trata-​se de uma ho­me­na­gem a Dan­da­ra dos San­tos, tran­se­xu­al mor­ta em fe­ve­rei­ro de 2017 com um ti­ro no ros­to após ter si­do agre­di­da com chu­tes e gol­pes de pe­dra e pau. O ca­so cor­reu em For­ta­le­za (CE). Na oca­sião, os as­sas­si­nos fi­ze­ram ima­gens do cri­me e as di­vul­ga­ram nas re­des so­ci­ais.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,