O Ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou nes­ta quarta-​feira (29) um no­vo mar­co das agên­ci­as re­gu­la­do­ras, es­ta­tais que fis­ca­li­zam de­ter­mi­na­dos ser­vi­ços de in­te­res­se pú­bli­co. Par­te das mu­dan­ças que ha­vi­am si­do apro­va­das na pas­sa­gem do tex­to (PLS 52/​2013) pe­la Câ­ma­ra, os se­na­do­res re­jei­ta­ram a per­mis­são que ha­via si­do aber­ta pa­ra in­di­ca­ções po­lí­ti­cas em em­pre­sas es­ta­tais. O tex­to fi­nal se­gue ago­ra pa­ra san­ção do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro.

Wal­de­mir Barreto/​Agência Se­na­do


Senado derrubou decisão da Câmara que havia liberado nomeações

A Câ­ma­ra ha­via re­ti­ra­do um dis­po­si­ti­vo da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de das Es­ta­tais (Lei 13.303, de 2016) que proí­be a no­me­a­ção de di­ri­gen­tes par­ti­dá­ri­os e de pa­ren­tes de po­lí­ti­cos pa­ra os con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção e as di­re­to­ri­as de em­pre­sas pú­bli­cas. Por con­ta des­se tó­pi­co, a che­ga­da do subs­ti­tu­ti­vo da Câ­ma­ra, em de­zem­bro de 2018, foi tu­mul­tu­a­da e a pro­pos­ta não foi ime­di­a­ta­men­te pa­ra o Ple­ná­rio.

Pa­ra o pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-​AP), as nor­mas apro­va­das de­vem for­ta­le­cer o “pa­pel pre­cí­puo” das agên­ci­as, que é ser­vir ao ci­da­dão.

Pontos aceitos

Os se­na­do­res apro­va­ram o pa­re­cer da Co­mis­são de Trans­pa­rên­cia, Go­ver­nan­ça, Fis­ca­li­za­ção e Con­tro­le e De­fe­sa do Con­su­mi­dor (CTFC), as­si­na­do pe­lo se­na­dor Már­cio Bit­tar (MDB-​AC). O pa­re­cer in­cor­po­rou as se­guin­tes in­ter­ven­ções da Câ­ma­ra:

- In­clu­são da Agên­cia Na­ci­o­nal de Mi­ne­ra­ção (ANM) no rol dos ór­gãos atin­gi­dos pe­la lei;
- Ado­ção de prá­ti­cas de ges­tão de ris­cos e de pre­ven­ção da cor­rup­ção pe­las agên­ci­as;
- Re­du­ção dos man­da­tos de di­ri­gen­tes que não fo­rem in­di­ca­dos no mes­mo ano da va­cân­cia do car­go; - Per­da de man­da­to pa­ra di­re­to­res em ca­so de vi­o­la­ções pre­vis­tas na lei;
- Proi­bi­ção às agên­ci­as de de­le­ga­rem com­pe­tên­ci­as nor­ma­ti­vas pa­ra os ór­gãos re­gu­la­do­res es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais quan­do hou­ver co­o­pe­ra­ção en­tre eles;
- Ma­nu­ten­ção dos pra­zos pre­vis­tos pa­ra man­da­tos de pre­si­den­tes, di­re­to­res e con­se­lhei­ros que te­nham si­do no­me­a­dos an­tes da lei, com a per­mis­são de uma re­con­du­ção pa­ra aque­les que es­ti­ve­rem no pri­mei­ro man­da­to;
- Con­ces­são de au­to­no­mia or­ça­men­tá­ria pa­ra o Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de);
- Ex­ten­são de nor­mas da lei pa­ra o Ca­de (pres­ta­ção de con­tas, con­tro­le so­ci­al, pla­nos es­tra­té­gi­co e de ges­tão).

Os qua­tro pri­mei­ros pon­tos tam­bém cons­ta­vam do pa­re­cer da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia (CCJ), que foi a pri­mei­ra a ana­li­sar o subs­ti­tu­ti­vo. Bit­tar jus­ti­fi­cou a ex­clu­são da li­be­ra­ção de in­di­ca­ções po­lí­ti­cas nas es­ta­tais afir­man­do ser pre­ci­so “blin­dar” as em­pre­sas. Além dis­so, ele des­ta­cou que es­sa mu­dan­ça fu­gia ao es­co­po do pro­je­to ori­gi­nal.

Já os dis­po­si­ti­vos so­bre o Ca­de fo­ram man­ti­dos por­que, se­gun­do o se­na­dor, o ór­gão tem pa­pel si­mi­lar ao das agên­ci­as. “O Ca­de de­sem­pe­nha ati­vi­da­de es­sen­ci­al pa­ra a ga­ran­tia da con­cor­rên­cia e da li­vre ini­ci­a­ti­va atu­an­do, de al­gu­ma for­ma, na re­gu­la­ção do mer­ca­do, as­sim co­mo fa­zem as agên­ci­as re­gu­la­do­ras. Cre­mos na im­por­tân­cia e na re­le­vân­cia de man­ter o Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca no âm­bi­to da lei que se pre­ten­de cri­ar”, dis­se Bit­tar du­ran­te a vo­ta­ção do pro­je­to na Co­mis­são de Trans­pa­rên­cia, Fis­ca­li­za­ção e Con­tro­le.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,