O Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) abriu uma re­pre­sen­ta­ção pa­ra apu­rar as po­lí­ti­cas que o mi­nis­tro do Meio Am­bi­en­te, Ri­car­do Sal­les, tem ado­ta­do à fren­te da pas­ta. A ave­ri­gua­ção se­rá fei­ta a pe­di­do do subprocurador-​geral do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co jun­to ao TCU, Lu­cas Fur­ta­do.

Fa­bio Pozzebom/​Agência Bra­sil


TCU vai apurar gestão de Salles relativa a desmatamento, agrotóxicos e ao Fundo Amazônia

Fur­ta­do apon­ta no do­cu­men­to uma “pos­sí­vel ine­fi­ci­ên­cia e de­fi­ci­en­te fis­ca­li­za­ção dos ór­gãos pú­bli­cos” pa­ra a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te. O sub­pro­cu­ra­dor pe­de apu­ra­ção so­bre três pon­tos: o tra­ba­lho do mi­nis­té­rio no com­ba­te ao des­ma­ta­men­to, a li­be­ra­ção de agro­tó­xi­cos e a ale­ga­ção da pas­ta de que há “in­con­sis­tên­cia” em re­pas­ses ao Fun­do Amazô­nia, ins­tru­men­to de cap­ta­ção de do­a­ções es­tran­gei­ras pa­ra a pro­te­ção da flo­res­ta.

O pro­ces­so foi aber­to no dia 27 de maio com a fi­na­li­da­de de apu­rar “po­lí­ti­cas pú­bli­cas e pro­gra­mas de go­ver­no vol­ta­dos pa­ra pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te”. A re­la­to­ria fi­cou com o mi­nis­tro An­dré de Car­va­lho, res­pon­sá­vel por ações li­ga­das a meio am­bi­en­te e agri­cul­tu­ra no TCU du­ran­te o bi­ê­nio 2019/​2020. A apu­ra­ção ain­da es­tá em uma fa­se ini­ci­al, an­te­ri­or à de co­le­ta de in­for­ma­ções.

O Con­gres­so em Fo­co pro­cu­rou a as­ses­so­ria do mi­nis­té­rio no iní­cio da tar­de des­ta segunda-​feira (3), mas ain­da não hou­ve res­pos­ta. O es­pa­ço se­gue aber­to a ma­ni­fes­ta­ção.

Fundo Amazônia

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co jun­to ao TCU quer “ave­ri­guar a pro­ce­dên­cia” das afir­ma­ções da­das pe­lo mi­nis­tro Ri­car­do Sal­les, no mês pas­sa­do, de que ha­ve­ria in­dí­ci­os de ir­re­gu­la­ri­da­des em cer­ca de 30% de 103 con­tra­tos do Fun­do Amazô­nia ana­li­sa­dos pe­lo mi­nis­té­rio, de for­ma amos­tral, que fo­ram fir­ma­dos pe­lo fun­do des­de a sua cri­a­ção, em 2008.

O Fun­do Amazô­nia re­ce­be do­a­ções, es­pe­ci­al­men­te do ex­te­ri­or, pa­ra apoi­ar pro­je­tos de com­ba­te ao des­ma­ta­men­to e uso sus­ten­tá­vel da flo­res­ta amazô­ni­ca. Se­gun­do o mi­nis­té­rio, os apor­tes pa­ra o fun­do fo­ram de cer­ca de R$ 1,5 bi­lhão nes­se pe­río­do, sen­do R$ 800 mi­lhões pa­ra or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais (ONGs).

A ale­ga­ção de Sal­les, se­gun­do ano­ta o sub­pro­cu­ra­dor, “con­fron­ta re­sul­ta­do” de uma au­di­to­ria fei­ta pe­lo TCU em 2018, a pe­di­do do Con­gres­so. A in­ves­ti­ga­ção do tri­bu­nal apon­tou “sa­tis­fa­tó­ria exe­cu­ção do pro­gra­ma”, ou se­ja, não iden­ti­fi­cou os pro­ble­mas apon­ta­dos por Sal­les no Fun­do. Pa­ra o pro­cu­ra­dor Fur­ta­do, as de­cla­ra­ções do mi­nis­tro po­dem pre­ju­di­car a en­tra­da de re­cur­sos des­ti­na­dos à pro­te­ção da flo­res­ta amazô­ni­ca.

Desmatamento

O TCU vai apu­rar tam­bém “pos­sí­vel de­clí­nio na efe­ti­vi­da­de da fis­ca­li­za­ção con­tra o des­ma­ta­men­to” por par­te do mi­nis­té­rio. A pre­o­cu­pa­ção de Fur­ta­do re­cai es­pe­ci­al­men­te so­bre a Amazô­nia Le­gal, área que abran­ge to­dos os es­ta­dos da Re­gião Nor­te, além do Ma­to Gros­so e da mai­or par­te do Ma­ra­nhão.

No tex­to em que pe­de as apu­ra­ções ao TCU, o subprocurador-​geral Fur­ta­do ci­ta da­dos que in­di­cam au­men­to do des­ma­ta­men­to na ges­tão Sal­les. Se­gun­do o Sis­te­ma de Aler­ta de Des­ma­ta­men­to (SAD), uma fer­ra­men­ta de mo­ni­to­ra­men­to de­sen­vol­vi­da pe­lo ins­ti­tu­to de pes­qui­sa Ima­zon.

Es­te mo­ni­to­ra­men­to apon­ta que o des­ma­ta­men­to na Amazô­nia Le­gal au­men­tou 24% en­tre agos­to de 2018 e mar­ço de 2019 em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do um ano an­tes (agosto/​2017 a março/​2018). A di­fe­ren­ça de de­flo­res­ta­men­to, se­gun­do o le­van­ta­men­to ci­ta­do no do­cu­men­to, foi de 342 km². Fur­ta­do vê “pos­sí­vel de­clí­nio na efe­ti­vi­da­de da fis­ca­li­za­ção” con­tra o des­ma­ta­men­to na ges­tão Sal­les.

Agrotóxicos

Ou­tro nú­me­ro que au­men­tou com Sal­les à fren­te do Meio Am­bi­en­te, se­gun­do o MP jun­to ao TCU, foi o da li­be­ra­ção de agro­tó­xi­cos. As au­to­ri­za­ções, se­gun­do uma re­por­ta­gem ci­ta­da pe­lo sub­pro­cu­ra­dor Fur­ta­do, hou­ve 166 li­be­ra­ções de de­fen­si­vos agrí­co­las nos pri­mei­ros qua­tro me­ses do ano, 42% a mais que o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Fur­ta­do pe­diu ao TCU que ve­ri­fi­que o “cum­pri­men­to das exi­gên­ci­as téc­ni­cas e le­gais que vêm ocor­ren­do” por par­te do Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,