A Jus­ti­ça Fe­de­ral em Sal­va­dor, na Bahia, de­ter­mi­nou na úl­ti­ma sexta-​feira (7) a sus­pen­são dos blo­quei­os fei­tos pe­lo Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) nas ver­bas dis­cri­ci­o­ná­ri­as (não obri­ga­tó­ri­as) do or­ça­men­to das uni­ver­si­da­des fe­de­rais. O go­ver­no po­de re­cor­rer da de­ci­são. O des­pa­cho da juí­za fe­de­ral Re­na­ta Al­mei­da de Mou­ra Isa­ac res­pon­deu a qua­tro ações po­pu­la­res, in­cluin­do uma da De­fen­so­ria Pú­bli­ca da União (DPU).

Luis Fontes/​MEC


Ministro da Educação, Abraham Weintraub

Ao de­ter­mi­nar a sus­pen­são dos con­tin­gen­ci­a­men­tos, a ma­gis­tra­da afir­ma que a de­ci­são do MEC não po­de­ria ter si­do to­ma­da sem “pré­vio es­tu­do téc­ni­co e mi­nu­ci­o­so, in­clu­si­ve com a par­ti­ci­pa­ção dos re­pre­sen­tan­tes des­tas ins­ti­tui­ções [as uni­ver­si­da­des]”, pa­ra que se ga­ran­ta que não ha­ve­rá pre­juí­zo à con­ti­nui­da­de das ati­vi­da­des aca­dê­mi­cas.

Des­de que foi anun­ci­a­do, no fi­nal de abril, o cor­te des­tes re­cur­sos (que re­pre­sen­tam 30% dos gas­tos dis­cri­ci­o­ná­ri­os das uni­ver­si­da­des, ou se­ja, que não es­tão “ca­rim­ba­dos” a gas­tos fi­xos co­mo a fo­lha sa­la­ri­al) pro­vo­cou dois pro­tes­tos pe­lo país. No mes­mo dia em que ocor­reu o pri­mei­ro de­les, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Wein­traub, foi à Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos dar ex­pli­ca­ções após ter si­do con­vo­ca­do pe­la mai­o­ria dos de­pu­ta­dos.

“O cor­te na for­ma re­a­li­za­da pe­lo MEC, ti­do por li­ne­ar e isonô­mi­co, lan­ça os di­ri­gen­tes das ins­ti­tui­ções de en­si­no fe­de­rais a sua pró­pria sor­te, fi­can­do à mer­cê da boa von­ta­de do al­to es­ca­lão mi­nis­te­ri­al. Não res­ta dú­vi­da, por­tan­to, se tra­tar de hi­pó­te­se de abu­so de di­rei­to”, ano­tou a juí­za Re­na­ta Isa­ac na de­ci­são.

No dia 16 de maio, Wein­traub re­ce­beu a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Di­ri­gen­tes das Ins­ti­tui­ções Fe­de­rais de En­si­no Su­pe­ri­or (An­di­fes), en­ti­da­de que reú­ne os rei­to­res das uni­ver­si­da­des, e dis­se que não ha­via ex­pec­ta­ti­va de re­ver o con­tin­gen­ci­a­men­to em cur­to pra­zo. No úl­ti­mo dia 22, no en­tan­to, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção in­for­mou que, após ne­go­ci­a­ções com o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, não se­ria mais ne­ces­sá­rio “apli­car o úl­ti­mo con­tin­gen­ci­a­men­to no va­lor de R$ 1,6 bi­lhão”, de­ter­mi­na­do por meio de por­ta­ria em 2 de maio. Ou­tros R$ 5,8 bi­lhões, que ti­nham si­do blo­que­a­dos por ou­tro de­cre­to em 29 de mar­ço, se­guem blo­que­a­dos.

Ou­tras ações do MEC, po­rém, re­al­ça­ram a re­a­ção do se­tor de edu­ca­ção. No mes­mo dia em que os re­pre­sen­tan­tes da An­di­fes fo­ram re­ce­bi­dos pe­lo mi­nis­tro, o go­ver­no pu­bli­cou um de­cre­to ti­ran­do de rei­to­res a au­to­no­mia pa­ra no­me­ar os di­ri­gen­tes de uni­ver­si­da­des e ins­ti­tu­tos fe­de­rais. Nes­ta quarta-​feira (29), a Ad­vo­ca­cia Ge­ral da União (AGU) en­vi­ou ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pa­re­cer de­fen­den­do a atu­a­ção da po­lí­cia nas uni­ver­si­da­des pa­ra fis­ca­li­zar ati­vi­da­des que po­de­ri­am con­fi­gu­rar cam­pa­nha elei­to­ral ir­re­gu­lar, co­mo foi de­ter­mi­na­do nas elei­ções por juí­zes elei­to­rais em di­ver­sas ci­da­des do país.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,