Men­sa­gens tro­ca­das por apli­ca­ti­vo en­tre o pro­cu­ra­dor fe­de­ral Del­tan Dal­lag­nol e o en­tão juiz Ser­gio Mo­ro, ho­je mi­nis­tro da Jus­ti­ça, in­di­cam que os dois com­bi­na­ram ações da Ope­ra­ção La­va Ja­to. Re­por­ta­gem do si­te The In­ter­cept mos­tra que Mo­ro su­ge­riu ao co­or­de­na­dor da força-​tarefa da La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba que tro­cas­se a or­dem de fa­ses da La­va Ja­to, co­brou agi­li­da­de em no­vas ope­ra­ções e deu pis­tas in­for­mais de in­ves­ti­ga­ção, além de con­se­lhos es­tra­té­gi­cos.

Lu­la Marques/​AgPT


Oposição anuncia medidas contra Moro e Dallagnol

Por meio de no­ta, Mo­ro e a força-​tarefa da La­va Ja­to re­a­gi­ram com in­dig­na­ção ao va­za­men­to das con­ver­sas, que, se­gun­do eles, não apon­tam qual­quer ile­ga­li­da­de, mas vi­sam a atin­gir a me­ga­o­pe­ra­ção. Tan­to o ex-​juiz quan­to os pro­cu­ra­do­res ale­ga­ram que não fo­ram pro­cu­ra­dos pe­lo si­te an­tes da pu­bli­ca­ção da re­por­ta­gem, clas­si­fi­ca­ram co­mo cri­mi­no­sa a in­va­são aos seus ce­lu­la­res e re­cla­ma­ram que fra­ses fo­ram re­ti­ra­das de con­tex­to. Ne­nhum dos dois la­dos, po­rém, con­tes­tou a au­to­ria das men­sa­gens tro­ca­das.

As re­ve­la­ções tra­zi­das pe­la re­por­ta­gem ele­vam o cli­ma po­lí­ti­co em Bra­sí­lia, tra­gan­do pa­ra o cen­tro da cri­se po­lí­ti­ca o su­per­mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. A opo­si­ção já si­na­li­za com pe­di­do de con­vo­ca­ção de Mo­ro no ple­ná­rio da Câ­ma­ra e com re­que­ri­men­to de cri­a­ção de uma CPI da La­va Ja­to. Com ba­se na re­por­ta­gem, li­de­ran­ças pe­tis­tas de­fen­de­ram nas re­des so­ci­ais que se­ja anu­la­da a con­de­na­ção do ex-​presidente Lu­la. A opo­si­ção tam­bém anun­ci­ou que vai aci­o­nar o Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP) pa­ra in­ves­ti­gar a con­du­ta do pro­cu­ra­dor.

“Quan­to ao con­teú­do das men­sa­gens que me ci­tam, não se vis­lum­bra qual­quer anor­ma­li­da­de ou di­re­ci­o­na­men­to da atu­a­ção en­quan­to ma­gis­tra­do, ape­sar de te­rem si­do re­ti­ra­das de con­tex­to e do sen­sa­ci­o­na­lis­mo das ma­té­ri­as, que ig­no­ram o gi­gan­tes­co es­que­ma de cor­rup­ção re­ve­la­do pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to”, diz Mo­ro (ve­ja a ín­te­gra da no­ta mais abai­xo). “Os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to não vão se do­brar à in­va­são imo­ral e ile­gal, à ex­tor­são ou à ten­ta­ti­va de ex­por e de­tur­par su­as vi­das pes­so­ais e pro­fis­si­o­nais”, diz a força-​tarefa da La­va Ja­to em no­ta (ve­ja a ín­te­gra do co­mu­ni­ca­do mais abai­xo).

O The In­ter­cept in­for­mou que re­ce­beu to­do o con­teú­do de uma fon­te anô­ni­ma, que pe­diu si­gi­lo. O ma­te­ri­al in­clui men­sa­gens pri­va­das e de gru­pos da força-​tarefa no apli­ca­ti­vo Te­le­gram de 2015 a 2018. Mo­ro dei­xou o co­man­do da La­va Ja­to e re­nun­ci­ou à ma­gis­tra­tu­ra no fim do ano pas­sa­do ao acei­tar o con­vi­te do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pa­ra co­man­dar o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca.

Pe­lo sis­te­ma pro­ces­su­al pe­nal bra­si­lei­ro, cha­ma­do de acu­sa­tó­rio, quem jul­ga não po­de in­ves­ti­gar, e quem in­ves­ti­ga não po­de jul­gar. Por is­so, a opo­si­ção ale­ga que hou­ve ile­ga­li­da­de na con­du­ção dos pro­ces­sos, além de des­vi­os de na­tu­re­za éti­ca.

Re­pro­du­ção


Em mensagem trocada com colegas, Dallagnol demonstrou receio em vincular apartamento atribuído a Lula a esquema de corrupção na Petrobras

En­tre ou­tras coi­sas, os diá­lo­gos su­ge­rem dú­vi­das de in­te­gran­tes do MPF quan­to à de­nún­cia que re­sul­tou na con­de­na­ção do ex-​presidente Lu­la no ca­so do tri­plex do Gua­ru­já (SP). Dal­lag­nol afir­mou, em um gru­po, que ti­nha re­ceio so­bre pon­tos da pe­ça acu­sa­tó­ria que vin­cu­la­vam os des­vi­os na Pe­tro­bras à acu­sa­ção de en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to por par­te do pe­tis­ta.

“Fa­la­rão que es­ta­mos acu­san­do com ba­se em no­tí­cia de jor­nal e in­dí­ci­os frá­geis… en­tão é um item que é bom que es­te­ja bem amar­ra­do. Fo­ra es­se item, até ago­ra te­nho re­ceio da li­ga­ção en­tre pe­tro­bras e o en­ri­que­ci­men­to, e de­pois que me fa­la­ram to com re­ceio da his­tó­ria do ap­to… São pon­tos em que te­mos que ter as res­pos­tas ajus­ta­das e na pon­ta da lín­gua”, es­cre­veu o pro­cu­ra­dor qua­tro di­as an­tes da de­nún­cia.

No dia se­guin­te, Dal­lag­nol re­a­giu com eu­fo­ria ao to­mar co­nhe­ci­men­to de uma re­por­ta­gem do jor­nal O Glo­bo que po­de­ria sus­ten­tar a acu­sa­ção: “te­sao de­mais es­sa ma­té­ria do O GLOBO de 2010. Vou dar um bei­jo em quem de Vcs achou is­so”. “A opi­nião pú­bli­ca é de­ci­si­va e é um ca­so cons­truí­do com pro­va in­di­re­ta e pa­la­vra de co­la­bo­ra­do­res con­tra um íco­ne que pas­sou in­co­lu­me pe­lo men­sa­lão”, co­men­tou o co­or­de­na­dor da força-​tarefa na vés­pe­ra da apre­sen­ta­ção da de­nún­cia.

Em men­sa­gem di­re­ta a Ser­gio Mo­ro, di­as de­pois, Dal­lag­nol dis­se que a de­nún­cia con­tra Lu­la era ba­se­a­da em mui­ta pro­va in­di­re­ta de au­to­ria. “Mas não ca­be­ria di­zer is­so na de­nún­cia e na co­mu­ni­ca­ção evi­ta­mos es­se pon­to.”

O en­tão juiz man­dou men­sa­gem de apoio ao co­or­de­na­dor da força-​tarefa da La­va Ja­to di­an­te de crí­ti­cas de ju­ris­tas ao te­or da de­nún­cia. “De­fi­ni­ti­va­men­te, as crí­ti­cas à ex­po­si­ção de vcs são des­pro­por­ci­o­nais. Si­ga fir­me.”

Em con­ver­sa com um gru­po de co­le­gas pe­lo Te­le­gram, Dal­lag­nol adi­an­tou co­mo se­ria fei­to o Power­point com as acu­sa­ções con­tra Lu­la. A ex­po­si­ção vi­rou al­vo de cha­co­ta de de­fen­so­res do ex-​presidente. “Acho que o sli­de do ap­to tem que ser di­dá­ti­co tb. Ima­gi­no o mes­mo do lu­la, ba­lões ao re­dor do ba­lão cen­tral, ou se­ja, evi­dên­ci­as ao re­dor da hi­pó­te­se de que ele era o do­no”, es­cre­veu.

Um dos tre­chos da re­por­ta­gem des­ta­ca que Mo­ro ori­en­tou ações da La­va Ja­to. “Olá Di­an­te dos úl­ti­mos . des­do­bra­men­tos tal­vez fos­se o ca­so de in­ver­ter a or­dem da du­as pla­ne­ja­da (sic)”, es­cre­veu Mo­ro a Dal­lag­nol em fe­ve­rei­ro de 2016. O pro­cu­ra­dor dis­se que ha­ve­ria pro­ble­mas lo­gís­ti­cos pa­ra aco­lher a su­ges­tão. No dia se­guin­te, po­rém, foi de­fla­gra­da a 23ª fa­se da La­va Ja­to, a Ope­ra­ção Aca­ra­jé.

Mo­ro tam­bém ques­ti­o­nou, em agos­to da­que­le ano, se não era o ca­so de abrir uma no­va fa­se da ope­ra­ção. “Não é mui­to tem­po sem ope­ra­ção?” “É sim”, res­pon­deu Dal­lag­nol, con­for­me o si­te. Uma no­va eta­pa foi de­fla­gra­da três se­ma­nas de­pois.

Se­gun­do a re­por­ta­gem, o juiz co­brou o pro­cu­ra­dor em 2017 so­bre uma ten­ta­ti­va de adi­ar o pri­mei­ro de­poi­men­to de Lu­la co­mo réu em Cu­ri­ti­ba. “Que his­tó­ria é es­sa que vcs que­rem adi­ar? Vcs de­vem es­tar brin­can­do”, es­cre­veu Mo­ro a Dal­lag­nol. “Não tem nu­li­da­de ne­nhu­ma, é só um mon­te de bo­ba­gem”, con­ti­nu­ou, ques­ti­o­nan­do con­tes­ta­ções que exis­ti­am à re­a­li­za­ção do de­poi­men­to.

De acor­do com con­ver­sas re­pro­du­zi­das pe­la re­por­ta­gem, pro­cu­ra­do­res do MPF en­vol­vi­dos na La­va Ja­to re­a­gi­ram com in­dig­na­ção à de­ci­são do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de au­to­ri­zar a Fo­lha de S.Paulo a en­tre­vis­tar Lu­la pou­co an­tes do pri­mei­ro tur­no. A de­ci­são, po­rém, aca­bou der­ru­ba­da no mes­mo dia.

Na oca­sião, a pro­cu­ra­do­ra Lau­ra Tes­s­ler es­cre­veu no gru­po de mem­bros do MPF: “Que pi­a­da!!! Re­vol­tan­te!!! Lá vai o ca­ra fa­zer pa­lan­que na ca­deia. Um ver­da­dei­ro cir­co. E de­pois de Mô­ni­ca Ber­ga­mo [co­lu­nis­ta da Fo­lha], pe­la iso­no­mia, de­vem vir tan­tos ou­tros jor­na­lis­tas… e a gen­te aqui fi­ca só fa­zen­do pa­pel de pa­lha­ço com um Su­pre­mo des­se…”. “Ma­fi­o­sos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!”, res­pon­deu a pro­cu­ra­do­ra Isa­bel Gro­ba.

Lau­ra de­mons­trou pre­o­cu­pa­ção com o efei­to elei­to­ral de uma en­tre­vis­ta de Lu­la. “Sei lá…mas uma co­le­ti­va an­tes do se­gun­do tur­no po­de ele­ger o Had­dad”, referindo-​se ao ex-​prefeito pau­lis­ta­no que aca­bou subs­ti­tuin­do o ex-​presidente co­mo can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia.

O pro­cu­ra­dor Athay­de Ri­bei­ro Cos­ta su­ge­riu a que a Po­lí­cia Fe­de­ral ma­no­bras­se pa­ra adi­ar a en­tre­vis­ta pa­ra de­pois da elei­ção. “N tem da­ta. So a pf agen­dar pra dps das elei­co­es. Es­ta­ra cum­prin­do a de­ci­sao. E se for­ca­rem an­tes, des­nu­da ain­da mais o ca­ra­ter elei­to­rei­ro”, dos­se.

Em mar­ço de 2016, Dal­lag­nol pa­ra­be­ni­zou Mo­ro pe­lo des­ta­que que te­ve nas ma­ni­fes­ta­ções de rua pe­lo im­pe­a­ch­ment da en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. “E pa­ra­béns pe­lo imen­so apoio pú­bli­co ho­je. […] Seus si­nais con­du­zi­rão mul­ti­dões, in­clu­si­ve pa­ra re­for­mas de que o Bra­sil pre­ci­sa, nos sis­te­mas po­lí­ti­co e de jus­ti­ça cri­mi­nal. […]”, dis­se o pro­cu­ra­dor ao en­tão juiz. “Pa­ra­bens a to­dos nós”, res­pon­deu Mo­ro.

O juiz tam­bém ana­li­sou os efei­tos das in­ves­ti­ga­ções so­bre o ce­ná­rio po­lí­ti­co. “Ain­da des­con­fio mui­to de nos­sa ca­pa­ci­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal de lim­par o con­gres­so. O me­lhor se­ria o con­gres­so se au­to­lim­par mas is­so nao es­tá no ho­ri­zon­te. E nao sei se o stf tem for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra pro­ces­sar e con­de­nar tan­tos e tao po­de­ro­sos.” O im­pe­a­ch­ment de Dil­ma aca­bou se con­cre­ti­zan­do em maio da­que­le ano.

Veja a íntegra da nota de Moro:

“So­bre su­pos­tas men­sa­gens que me en­vol­ve­ri­am pu­bli­ca­das pe­lo si­te In­ter­cept nes­te do­min­go, 9 de ju­nho, lamenta-​se a fal­ta de in­di­ca­ção de fon­te de pes­soa res­pon­sá­vel pe­la in­va­são cri­mi­no­sa de ce­lu­la­res de pro­cu­ra­do­res. As­sim co­mo a pos­tu­ra do si­te que não en­trou em con­ta­to an­tes da pu­bli­ca­ção, con­tra­ri­an­do re­gra bá­si­ca do jor­na­lis­mo. Quan­to ao con­teú­do das men­sa­gens que me ci­tam, não se vis­lum­bra qual­quer anor­ma­li­da­de ou di­re­ci­o­na­men­to da atu­a­ção en­quan­to ma­gis­tra­do, ape­sar de te­rem si­do re­ti­ra­das de con­tex­to e do sen­sa­ci­o­na­lis­mo das ma­té­ri­as, que ig­no­ram o gi­gan­tes­co es­que­ma de cor­rup­ção re­ve­la­do pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to.”

Veja a íntegra da nota do MPF:

“1. Di­an­te das su­pos­tas men­sa­gens pu­bli­ca­das pe­lo si­te The In­ter­cept Bra­sil, cu­ja fon­te cri­mi­no­sa não foi re­ve­la­da, a força-​tarefa La­va Ja­to do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral no Pa­ra­ná (MPF/​PR) es­cla­re­ce que ape­nas ofe­re­ce acu­sa­ções quan­do pre­sen­tes pro­vas con­sis­ten­tes dos cri­mes. An­tes da apre­sen­ta­ção de de­nún­ci­as são co­muns de­ba­tes e re­vi­sões so­bre fa­tos e pro­vas, de mo­do a evi­tar acu­sa­ções frá­geis em pre­juí­zo aos in­ves­ti­ga­dos. No ca­so Tri­plex, a prá­ti­ca dos cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro foi exa­mi­na­da por no­ve juí­zes em três ins­tân­ci­as que con­cor­da­ram, de for­ma unâ­ni­me, exis­tir pro­va pa­ra a con­de­na­ção.

2. A atu­a­ção da força-​tarefa é re­ves­ti­da de le­ga­li­da­de, téc­ni­ca e im­pes­so­a­li­da­de. A im­par­ci­a­li­da­de da atu­a­ção da Jus­ti­ça é con­fir­ma­da por inú­me­ros pe­di­dos do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co in­de­fe­ri­dos, por 54 ab­sol­vi­ções de pes­so­as acu­sa­das, e por cen­te­nas de re­cur­sos do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Além dis­so, to­das as de­ci­sões pro­fe­ri­das submeteram-​se à re­vi­são de ins­tân­ci­as ju­di­ci­ais su­pe­ri­o­res e in­de­pen­den­tes.

3. A força-​tarefa en­ten­de que a pri­são em re­gi­me fe­cha­do res­trin­ge a li­ber­da­de de co­mu­ni­ca­ção dos pre­sos, co­mo já ma­ni­fes­ta­do em au­tos de exe­cu­ção pe­nal, o que não se tra­ta de uma ques­tão de li­ber­da­de de im­pren­sa. O en­ten­di­men­to va­le pa­ra to­dos os que se en­con­trem nes­sa con­di­ção, in­de­pen­den­te­men­te de quem se­jam.

4. Me­re­ce re­gis­tro o fa­to de que ne­nhum pe­di­do de es­cla­re­ci­men­to ocor­reu an­tes das pu­bli­ca­ções, o que sur­pre­en­de e con­tra­ria as me­lho­res prá­ti­cas jor­na­lís­ti­cas. Es­cla­re­ci­men­tos pos­te­ri­o­res, evi­den­te­men­te, po­dem não ser vis­tos pe­lo mes­mo pú­bli­co que leu as ma­té­ri­as ori­gi­nais, o que tam­bém fe­re um cri­té­rio de jus­ti­ça. Além dis­so, é dig­no de no­ta o viés ten­den­ci­o­so do con­teú­do di­vul­ga­do, o que é um in­di­ca­ti­vo que po­de con­fir­mar o ob­je­ti­vo ori­gi­nal do hac­ker de, efe­ti­va­men­te, ata­car a ope­ra­ção La­va Ja­to, as­pec­to re­for­ça­do pe­lo fa­to de as no­tí­ci­as es­ta­rem sen­do di­vul­ga­das por si­te com ní­ti­da ori­en­ta­ção ide­o­ló­gi­ca.

5. A força-​tarefa do MPF/​PR é in­te­gra­da por 15 pro­cu­ra­do­res da Re­pú­bli­ca e por mais de 30 ser­vi­do­res, que pra­ti­ca­ram mi­lha­res de atos em in­ves­ti­ga­ções e pro­ces­sos con­du­zi­dos com ab­so­lu­ta li­su­ra ao lon­go de mais de cin­co anos, sob cons­tan­te es­cru­tí­nio do Po­der Ju­di­ciá­rio em di­ver­sas ins­tân­ci­as, que con­fir­ma o ca­rá­ter apar­ti­dá­rio e a le­ga­li­da­de de sua atu­a­ção.

6. Nes­te mo­men­to, a força-​tarefa re­no­va seu com­pro­mis­so de pres­tar um ser­vi­ço de ex­ce­lên­cia à so­ci­e­da­de na es­fe­ra da Jus­ti­ça, con­ti­nu­an­do a pro­mo­ver a res­pon­sa­bi­li­za­ção de cri­mi­no­sos po­de­ro­sos e a re­cu­pe­rar bi­lhões des­vi­a­dos em fa­vor dos bra­si­lei­ros. Ape­nas nes­te ano, de­ze­nas de pes­so­as fo­ram acu­sa­das por cor­rup­ção e mais de 750 mi­lhões de re­ais fo­ram re­cu­pe­ra­dos pa­ra os co­fres pú­bli­cos. Ape­nas dois dos acor­dos em ne­go­ci­a­ção po­de­rão re­sul­tar pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra na re­cu­pe­ra­ção de mais de R$ 1 bi­lhão em me­a­dos des­te ano. No to­tal, em Cu­ri­ti­ba, mais de 400 pes­so­as já fo­ram acu­sa­das e R$ 13 bi­lhões vêm sen­do re­cu­pe­ra­dos, re­pre­sen­tan­do um avan­ço con­tra a cri­mi­na­li­da­de sem pre­ce­den­tes.

7. Os pro­cu­ra­do­res da força-​tarefa ma­ni­fes­ta­ram aqui pre­o­cu­pa­ção com pos­sí­veis men­sa­gens frau­du­len­tas ou re­ti­ra­das do de­vi­do con­tex­to. A força-​tarefa da La­va Ja­to es­ta­rá à dis­po­si­ção pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos so­bre fa­tos e pro­ce­di­men­tos de sua res­pon­sa­bi­li­da­de, com o ob­je­ti­vo de man­ter a con­fi­an­ça pú­bli­ca na ple­na li­ci­tu­de e le­gi­ti­mi­da­de de sua atu­a­ção, as­sim co­mo de pres­tar con­tas de seu tra­ba­lho à so­ci­e­da­de.

8. A ex­po­si­ção pú­bli­ca de in­for­ma­ções ob­ti­das por ati­vi­da­des ci­ber­né­ti­cas cri­mi­no­sas ain­da es­ti­mu­la ata­ques si­mi­la­res, a ex­tor­são de ví­ti­mas, e o am­bi­en­te de in­ter­net, co­mo a “dark web”, em que são pra­ti­ca­dos ou­tros gra­ves cri­mes.”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,