Mem­bros do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (CNMP) pe­di­ram nes­ta segunda-​feira (10) que a cor­re­ge­do­ria da ins­ti­tui­ção in­ves­ti­gue o pro­cu­ra­dor Del­tan Dal­lag­nol, co­or­de­na­dor da força-​tarefa da ope­ra­ção La­va Ja­to no Pa­ra­ná. Pou­co an­tes das 15h, o CNMP in­for­mou que ain­da ana­li­sa­va o pe­di­do de in­ves­ti­ga­ção.

Jo­sé Cruz/​Agência Bra­sil


Conselheiros do CNMP defendem apuração contra Dallagnol

No me­mo­ran­do à cor­re­ge­do­ria, os con­se­lhei­ros não ci­tam Dal­lag­nol no­mi­nal­men­te, e sim “os fa­tos no­ti­ci­a­dos pe­lo “The In­ter­cept”. Uma das re­por­ta­gens pu­bli­ca­das pe­lo si­te, no úl­ti­mo do­min­go, mos­tra tro­cas de men­sa­gens que su­ge­rem que o pro­cu­ra­dor re­ce­beu ori­en­ta­ções do en­tão juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, ho­je mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, e de­ba­teu es­tra­té­gi­as com ele ao lon­go da La­va Ja­to.

Os con­se­lhei­ros do ór­gão de­fen­dem, no pe­di­do, que os fa­tos de­vem ser apu­ra­dos “ca­so fo­rem ve­rí­di­cas as men­sa­gens e cor­re­ta a im­pu­ta­ção de con­tex­to su­ge­ri­da na re­por­ta­gem, in­de­pen­den­te­men­te da du­vi­do­sa for­ma co­mo te­ri­am si­do ob­ti­das”, mas res­sal­tam que “não se for­ma ne­nhum juí­zo pré­vio de va­lor” so­bre Dal­lag­nol.

“Ca­be apu­rar se hou­ve even­tu­al fal­ta fun­ci­o­nal, par­ti­cu­lar­men­te no to­can­te à vi­o­la­ção dos prin­cí­pi­os do juiz e do pro­mo­tor na­tu­ral, da equi­dis­tân­cia das par­tes e da ve­da­ção de atu­a­ção político-​partidária”, diz o pe­di­do.

Conluio

As men­sa­gens re­ve­la­das pe­lo The In­ter­cept in­di­cam que Mo­ro e Dal­lag­nol com­bi­na­ram ações da La­va Ja­to. Os re­ca­dos mos­tram que o en­tão juiz fe­de­ral su­ge­riu ao pro­cu­ra­dor que tro­cas­se a or­dem de fa­ses da La­va Ja­to, co­brou agi­li­da­de em no­vas ope­ra­ções e deu pis­tas in­for­mais de in­ves­ti­ga­ção, além de con­se­lhos es­tra­té­gi­cos.

Por meio de no­ta, Mo­ro e a força-​tarefa da La­va Ja­to re­a­gi­ram com in­dig­na­ção ao va­za­men­to das con­ver­sas, que, se­gun­do eles, não apon­tam qual­quer ile­ga­li­da­de, mas vi­sam a atin­gir a me­ga­o­pe­ra­ção. Tan­to o ex-​juiz quan­to os pro­cu­ra­do­res ale­ga­ram que não fo­ram pro­cu­ra­dos pe­lo si­te an­tes da pu­bli­ca­ção da re­por­ta­gem, clas­si­fi­ca­ram co­mo cri­mi­no­sa a in­va­são aos seus ce­lu­la­res e re­cla­ma­ram que fra­ses fo­ram re­ti­ra­das de con­tex­to. Ne­nhum dos dois la­dos, po­rém, con­tes­tou a au­to­ria das men­sa­gens tro­ca­das.

As re­ve­la­ções tra­zi­das pe­la re­por­ta­gem ele­vam o cli­ma po­lí­ti­co em Bra­sí­lia, tra­gan­do pa­ra o cen­tro da cri­se po­lí­ti­ca o su­per­mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. A opo­si­ção já si­na­li­za com pe­di­do de con­vo­ca­ção de Mo­ro no ple­ná­rio da Câ­ma­ra e com re­que­ri­men­to de cri­a­ção de uma CPI da La­va Ja­to. Com ba­se na re­por­ta­gem, li­de­ran­ças pe­tis­tas de­fen­de­ram nas re­des so­ci­ais que se­ja anu­la­da a con­de­na­ção do ex-​presidente Lu­la.

Já cor­re des­de 2016, no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), um pe­di­do de sus­pei­ção con­tra Mo­ro por par­te da de­fe­sa do ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pe­lo meio do qual os ad­vo­ga­dos ale­ga­ram que a atu­a­ção do ma­gis­tra­do não era im­par­ci­al. O ca­so es­tá nas mãos do mi­nis­tro Gil­mar Men­des.

Ju­ris­tas con­sul­ta­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co ava­li­am que as con­ver­sas en­tre Mo­ro e Dal­lag­nol apon­tam pa­ra sus­pei­ção do en­tão juiz da La­va Ja­to, o que po­de ser­vir de ba­se pa­ra um pe­di­do de anu­la­ção do pro­ces­so. A de­fe­sa de Lu­la foi pro­cu­ra­da no iní­cio da tar­de e afir­mou que es­tá de­ci­din­do que me­di­das se­rão to­ma­das em re­la­ção ao ca­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,