Com abran­gên­cia na­ci­o­nal e con­vo­ca­da por dez cen­trais sin­di­cais, uma gre­ve ge­ral mar­ca­da pa­ra a pró­xi­ma sexta-​feira (14) pro­me­te pa­ra­li­sar ser­vi­ços va­ri­a­dos nas prin­ci­pais ca­pi­tais bra­si­lei­ras. Se­gun­do a Cen­tral Úni­ca dos Tra­ba­lha­do­res (CUT), a mo­bi­li­za­ção é “con­tra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, con­tra os cor­tes na edu­ca­ção e por mais em­pre­gos”. Es­tão pre­vis­tas mo­bi­li­za­ções em to­dos os es­ta­dos e no Dis­tri­to Fe­de­ral.

Divulgação/​Força Sin­di­cal


Metalúrgicos ligados à Força Sindical, uma das centrais que organizam a greve

O se­tor de trans­por­tes de­ve ser um dos mais afe­ta­dos pe­la gre­ve. Sin­di­ca­tos de me­tro­viá­ri­os e ro­do­viá­ri­os con­fir­ma­ram, nos úl­ti­mos di­as, ade­sões par­ci­ais ou to­tais à gre­ve. As ca­pi­tais São Pau­lo, Por­to Ale­gre, Re­ci­fe, Be­lo Ho­ri­zon­te e Sal­va­dor (BA), além de Bra­sí­lia, de­ve­rão es­tar en­tre as mais im­pac­ta­das, se­gun­do pre­vi­são das cen­trais. Na ca­pi­tal fe­de­ral, a ex­pec­ta­ti­va é que não ha­ja ser­vi­ços de ôni­bus e nem de me­trô, cu­ja ca­te­go­ria já es­ta em gre­ve des­de 2 de maio e tra­ba­lhan­do com ati­vi­da­de re­du­zi­da.

Em São Pau­lo, a mai­or par­te das li­nhas de ôni­bus e cin­co das se­te li­nhas da Com­pa­nhia Pau­lis­ta de Trens Me­tro­po­li­ta­nos (CPTM) de­vem pa­rar a par­tir das 0h de sex­ta, o que tam­bém de­ve afe­tar as ci­da­des da re­gião me­tro­po­li­ta­na. Nes­ta quar­ta (12) o Me­trô e a CPTM ob­ti­ve­ram na Jus­ti­ça uma li­mi­nar que obri­ga a ma­nu­ten­ção do ser­vi­ço em São Pau­lo, mas os or­ga­ni­za­do­res avi­sa­ram que a pa­ra­li­sa­ção es­tá man­ti­da.

Ou­tra área que de­ve sen­tir o im­pac­to da gre­ve é a edu­ca­ção. Na ca­pi­tal pau­lis­ta, se­gun­do o Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res de São Pau­lo (Sinpro-​SP) afir­ma que pro­fes­so­res de 33 es­co­las par­ti­cu­la­res de­ci­di­ram ade­rir à pa­ra­li­sa­ção.

Se­gun­do a CUT, es­tá pre­vis­ta a ade­são to­tal ou par­ci­al de ban­cá­ri­os, pro­fes­so­res, me­ta­lúr­gi­cos, tra­ba­lha­do­res da Edu­ca­ção, da saú­de, de água e es­go­to, dos Cor­rei­os, da Jus­ti­ça Fe­de­ral, quí­mi­cos e ru­rais, por­tuá­ri­os, agri­cul­to­res fa­mi­li­a­res, mo­to­ris­tas, co­bra­do­res, ca­mi­nho­nei­ros, ele­tri­ci­tá­ri­os, ur­ba­ni­tá­ri­os, vi­gi­lan­tes, ser­vi­do­res pú­bli­cos es­ta­du­ais e fe­de­rais, pe­tro­lei­ros, en­fer­mei­ros e pre­vi­den­ciá­ri­os.

Pautas

A opo­si­ção à re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, aos blo­quei­os or­ça­men­tá­ri­os na edu­ca­ção e o de­sem­pre­go são as prin­ci­pais ban­dei­ras da mo­bi­li­za­ção, se­gun­do os or­ga­ni­za­do­res. A For­ça Sin­di­cal di­vul­ga em seu si­te um mo­de­lo de abaixo-​assinado “em de­fe­sa da Pre­vi­dên­cia So­ci­al e das apo­sen­ta­do­ri­as”, a ser en­tre­gue ao pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ). Os lí­de­res sin­di­cais têm co­le­ta­do as­si­na­tu­ras com os tra­ba­lha­do­res sim­pá­ti­cos ao mo­vi­men­to.

“Além de não apre­sen­tar ao país uma pro­pos­ta de re­to­ma­da do cres­ci­men­to econô­mi­co com ge­ra­ção de em­pre­go e dis­tri­bui­ção de ren­da, o go­ver­no Bol­so­na­ro quer jo­gar a con­ta da cri­se nas cos­tas dos tra­ba­lha­do­res e aca­bar com o di­rei­to à apo­sen­ta­do­ria de mi­lhões de bra­si­lei­ros e bra­si­lei­ras”, diz o pre­si­den­te da CUT, Vag­ner Frei­tas.

Par­la­men­ta­res de par­ti­dos de opo­si­ção ao go­ver­no, es­pe­ci­al­men­te os do PT, têm fei­to con­vo­ca­ção à gre­ve na in­ter­net. Na tar­de des­ta quarta-​feira (12), a hash­tag #Sex­ta­tem­gre­ve che­gou aos tren­ding to­pics do Twit­ter. Por ou­tro la­do, ou­tra hash­tag, #Dia14EuVouTrabalhar, tam­bém ga­nhou for­ça na re­de so­ci­al, es­ti­mu­la­da por opo­si­to­res do mo­vi­men­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,